Finanças Públicas Costa está "tranquilo" com capacidade de cumprir meta do défice

Costa está "tranquilo" com capacidade de cumprir meta do défice

"Se compararmos o que a Comissão Europeia disse hoje com aquilo que afirmou no passado, vemos que neste momento, felizmente, os receios são menores", disse o primeiro-ministro.
Costa está "tranquilo" com capacidade de cumprir meta do défice
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 09 de novembro de 2017 às 17:19

O primeiro-ministro manifestou-se hoje "tranquilo" sobre a capacidade de execução do Orçamento em 2018 e considerou que as reservas transmitidas pela Comissão Europeia face à evolução do défice são menores do que no passado.

 

António Costa falava aos jornalistas na Web Summit, no Parque das Nações, em Lisboa, depois de um encontro de cerca de 30 minutos com o antigo vice-presidente dos Estados Unidos Al Gore.

 

Confrontado com as reservas manifestadas pela Comissão Europeia face à previsão do Governo de reduzir o défice em 2018 para 1%, estimando antes Bruxelas uma manutenção do défice em 1,4%, o primeiro-ministro afirmou que o Governo está "tranquilo" em relação à capacidade de execução da proposta de Orçamento do Estado para o próximo ano.

 

"Se compararmos o que a Comissão Europeia disse hoje com aquilo que afirmou no passado, vemos que neste momento, felizmente, os receios são menores. Estamos confiantes no Orçamento que apresentámos e na capacidade de o executar - aliás, como temos executado bem em 2016 e em 2017", declarou.

 

De acordo com o líder do executivo, "é muito encorajador verificar que a Comissão Europeia se vai aproximando da confiança que o Governo português tem em relação ao crescimento da economia e à descida do desemprego".

 

"O foco está menos no cumprimento das regras do défice e encontra-se antes, sobretudo, no ritmo do crescimento e na criação de emprego", sustentou.

 

Já em relação às advertências manifestadas pelo Conselho de Finanças Públicas sobre a ausência de uma relevante consolidação orçamental em 2018, António Costa disse respeitar "obviamente o papel de todos os conselhos", sendo necessário "perceber o papel de cada um no sistema" português.

 

"Por natureza, o papel do Conselho de Finanças Públicas é ter uma visão conservadora e prudente relativamente ao futuro. É esse o seu papel - e no dia que não for assim estamos mal. O papel do Governo é ter em atenção os riscos, mas concentrar-se na execução nas boas políticas que têm permitido bons resultados", respondeu.

 

António Costa alegou depois que o seu executivo "tem vencido sempre as expectativas negativas".

 

"O que temos visto acontecer é que, felizmente, aqueles que têm partido de uma perspectiva mais conservadora, menos convicta face aos objectivos do Governo, vão progressivamente aproximando-se dos números que temos apresentado", argumentou.

 

O primeiro-ministro usou ainda outro argumento para justificar a diferença de perspectivas face à evolução da economia portuguesa.

 

"É natural que quem está a conduzir a viatura saiba bem como a vai conduzir. Quem está a observar a condução, tem obviamente um ponto de vista diferente e não tem em conta todos os recursos que o condutor tem para guiar a viatura", disse.

 

Ainda segundo o líder do executivo, caso se compare hoje os sinais dados pela Comissão Europeia com os que forneceu em relação ao Orçamento do Estado para 2017, conclui-se que Portugal "está muito longe dos níveis de preocupação" que se colocavam nessa altura.

 

"Lembro-me que em 2016 até tivemos de alterar a primeira proposta de Orçamento apresentada. Agora, acho que todos podemos viver com tranquilidade e com a confiança de que continuaremos a prosseguir as políticas que têm dado bons resultados. Temos um crescimento económico que tem superado sempre as expectativas do Conselho de Finanças Públicas e da Comissão Europeia e temos uma forte redução da taxa de desemprego em geral", defendeu.

 

Ou seja, de acordo com António Costa, no próximo ano, Portugal "continuará a reduzir paulatinamente o seu défice e a sua dívida pública".

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp Há 1 semana

Gerigonca TRANSVERSAL,empurrar a pressa 2 mortos no hospital causados pelas cativacoes para serem depressa enterrados para nao culparem os robustos do d. branca.Quando a realidade fala mais alto,o d.branca tenta deturpar com FALSAS contrapartidas,cada vez mais afunilado este magote q nos desgoverna

pertinaz Há 1 semana

CLARO... NÓS JÁ TEMOS CERTEZA QUE VAIS CUMPRIR O DÉFICE

O RECEIO QUE TEMOS É DE MORRER, ATÉ PORQUE JÁ AFIRMASTE PUBLICAMENTE QUE VAI HAVER MAIS MORTOS...!!!

NÃO PASSAS DE ESCUMALHA...!!!

Criador de Touros Há 1 semana

O esquerdista António Costa não celebra a revolução comunista como muitos dos seus camaradas ? Acho patético que haja tantos esquerdistas em Portugal, socialistas, comunistas e comunistas bloquistas. Isto é bem o sinal de que Portugal é o país mais atrasado da Europa Ocidental, pois as ideias de esquerda, velhas e podres, aqui são adoradas por caciques caquéticos e esquerdistas com boas reformas, fora a esquerda caviar, que adora festejar tudo e mais alguma coisa com champagne caro. Portugal é um país pobre e triste. É o Portugal atrasado. Dantes era o Portugal salazarento, agora é o Portugal dos esquerdoidos, dos subsídios, das greves, dos cravos, das falências, das bancarrotas. É o Portugal da servidão, dos baixos salários, quem quer investir onde há tantos esquerdistas por metro quadrado ? Os esquerdistas arruinaram Portugal.

pub