Política Costa garante que salário mínimo em 600 euros não está em causa

Costa garante que salário mínimo em 600 euros não está em causa

Foi Costa quem foi ao Conselho de Ministros apresentar o plano B para o chumbo da TSU. O primeiro-ministro garantiu que o que aconteceu desta vez não vai pôr em causa próximas subidas do salário mínimo.
A carregar o vídeo ...

O primeiro-ministro garantiu esta quinta-feira, 26 de Janeiro, que a linha de reposição de rendimentos, da qual faz parte o aumento do salário mínimo nacional (SMN) para 600 euros, "não está em causa e é para continuar a ser prosseguida". António Costa sinaliza assim que apesar do que aconteceu este ano - o chumbo de uma medida acordada em concertação e que servia de moeda de troca para o aumento do salário mínimo - as actualizações futuras desta remuneração não estão ameaçadas.

As declarações do primeiro-ministro foram feitas no final do Conselho de Ministros onde foi aprovado um alívio do Pagamento Especial por Conta (PEC) para as empresas como forma de as compensar pelo aumento do SMN, de 530 para 557 euros, perante o chumbo da redução da Taxa Social Única (TSU) no Parlamento esta quarta-feira.

"Não há quebra de confiança", responde Costa

Aos jornalistas, António Costa garantiu que a redução do PEC tem apoio político no Parlamento e a luz verde dos patrões e UGT na concertação social. Ao acordo feito em Dezembro será agora feita uma "adenda". 

Depois de ter ouvido dizer que a relação dos patrões com o Governo "sai claramente fragilizada" de todo este episódio, António Costa recusou que haja quebra de confiança, sugerindo que o Governo cumpriu o seu papel ao publicar o decreto-lei.

"Não sinto que haja qualquer quebra da confiança [com os parceiros]. O Governo assinou um acordo, deu o cumprimento do acordo com a aprovação de um decreto-lei. Agora, nós valorizamos a concertação social da mesma forma que temos respeitar o poder soberano da Assembleia da República", argumentou.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 30.01.2017

O Trump ganhou eleições, o Facadas perdeu eleições. Onde está a democracia?

alcpf 26.01.2017

Quanto a esta materia, o Costa está bem... O salario portugues é ridiculamente baixo e não corresponde com o minimo necessario de sobrevivencia... Os patrões têm que perder certos vicios ou adaptar a sua empresa à competividade... Vivo no Luxemburgo e comparo estes 2 países e realmente Portugal es´ta acanhado... Aqui o salario minimo é quase 2000 euros... E as coisas não são assim tão caras, pelo contrario, produtos de supermercado basicamente é o mesmo senao igual... As rendas não é o dobro... Mas os salarios são 4 x mais!

Anónimo 26.01.2017

Pela actuação deste gajo ele espera gastar e destruir enquanto poder, distribuir regalias pêlos F. Públicos por causa dos votos, anda a apelar que a europa deve assumir dividas, isto parece vida de xulos, viver do trabalho dos outros, os outros que paguem a conta

Mr.Tuga 26.01.2017

Jamais!

Nem que seja a TROIKA a pagar!

pub
pub
pub
pub