Política Costa: Ninguém contribuiu tanto para a construção do Portugal pós-25 de Abril como Mário Soares

Costa: Ninguém contribuiu tanto para a construção do Portugal pós-25 de Abril como Mário Soares

O primeiro-ministro declarou hoje que "ninguém contribuiu tanto como Mário Soares para a construção do Portugal pós-25 de Abril" e que foi "seguramente quem melhor interpretou o papel de Presidente" da República.
Costa: Ninguém contribuiu tanto para a construção do Portugal pós-25 de Abril como Mário Soares
Pedro Garcia/Flash
Lusa 08 de Janeiro de 2017 às 13:41
Estas considerações de António Costa constam de um artigo de opinião hoje publicado no Diário de Notícias, intitulado "Sempre livre, como um pássaro" e inspirado numa frase dita aos jornalistas pelo antigo líder socialista Mário Soares quando caiu um dos seus governos.

"Ninguém contribuiu tanto como Mário Soares para a construção do Portugal pós-25 de Abril. Muitas vezes não o acompanhei, mas há que reconhecer que, no essencial, era ele quem tinha razão", diz Costa, acrescentando que Soares foi também "seguramente quem melhor interpretou o papel de Presidente no sistema semipresidencialista [português]", afirmando-se como verdadeiro "Presidente de todos os portugueses".

Na opinião do actual primeiro-ministro, que se encontra em viagem à Índia, o legado de Soares na chefia dos três curtos governos tem sido "muito subestimado", pois as traves mestras do moderno Estado social de direito em Portugal "foram então lançadas".

"O poder local democrático, a independência do poder judicial, o serviço Nacional de Saúde, a universalização da Segurança Social, a revisão do Código Civil, que revolucionou o direito de família, bem podem ombrear com a reconstrução do tecido económico pós revolução, o clima de concórdia nacional e a integração europeia como grandes contributos dos governos de Mário Soares", indicou António Costa.

No mesmo artigo, Costa evocou Soares como alguém que "nunca resignou, nem desistiu" e que, em nome da liberdade, combateu a ditadura quando a hipótese de aceder ao poder era mais ténue do que uma miragem.

"Enfrentou a ditadura e defendeu a revolução da sua deriva totalitária, bateu-se contra o colonialismo e revoltou-se contra a conversão dos movimentos de libertação em partidos únicos", recordou o primeiro-ministro, que viu Soares pela primeira vez, ao longe, quando este chegou do exílio, a 28 de Abril de 1974, sendo aclamado à varanda da estação de Santa Apolónia, Lisboa.

"A última vez que o vi foi no passado dia 23 de Julho, quando nos jardins de São Bento, o homenageámos por ocasião do 40.º aniversário da sua primeira posse como primeiro-ministro", lembra António Costa.

O primeiro-ministro termina com a certeza de que "ninguém substitui Mário Soares no lugar que é seu na história do Portugal democrático".



A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Joe Brasil Há 1 semana

Calate porco costa Sao os dios Da mesma pia

Mario Moutinho Há 1 semana

Se assim é está explicado porque Portugal está na situação em que está

Diamantino Graça Graça Há 1 semana

Contribui o mas é para fabricar políticos corruptos...

Sao Moiron Há 1 semana

também destruiu q.b.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub