Função Pública Costa pede respeito pelos funcionários públicos e defende direito a uma carreira descongelada

Costa pede respeito pelos funcionários públicos e defende direito a uma carreira descongelada

O secretário-geral do PS insurgiu-se esta segunda-feira contra a ideia de que o Orçamento para 2018 beneficia apenas quem trabalha no Estado, contrapondo que é para todos e defendendo que os funcionários públicos têm direito a uma carreira.
Costa pede respeito pelos funcionários públicos e defende direito a uma carreira descongelada
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 27 de novembro de 2017 às 23:11

António Costa falava num comício do PS para assinalar dois anos de Governo, no pavilhão do Casal Vistoso, em Lisboa, depois de, ao final da tarde, a proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2018 ter sido aprovada em votação final na Assembleia da República com os votos favoráveis dos socialistas, Bloco de Esquerda, PCP, PEV e PAN.

 

Na sua intervenção, o primeiro-ministro insistiu na ideia (colocada em dúvida poucas horas antes pela dirigente do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua) de que, para o seu Governo, "palavra dada é palavra honrada".

 

Mas António Costa, na sua intervenção, procurou sobretudo defender que "este Orçamento não é só para alguns, mas, sim, para todos, vivam onde vivam, tenham a idade que tiverem, qualquer que seja a sua profissão".

 

Numa resposta à ideia dos sectores da oposição de que os trabalhadores do Estado são quem mais beneficia com a política de rendimentos deste Governo, o líder socialista contrapôs que 200 mil agregados familiares vão estar isentos de IRS e que 1,6 milhões agregados pagarão menos este imposto com o desdobramento de escalões.

 

"Há 2,8 milhões de pensionistas que vão ter a sua pensão aumentada acima da inflação e, em agosto próximo, mais 1,6 milhões de pensionistas vão ter uma aumento extraordinário como forma de compensar os anos em que não tiveram qualquer subida quando o PSD e CDS estiveram no Governo", apontou.

 

Mas António Costa referiu-se especificamente à questão dos funcionários públicos. "Sim, cumprimos a palavra dada aos funcionários públicos, porque estes trabalhadores não são menos do que os outros portugueses. Têm direito ao respeito e têm direito a uma carreira devolvida - uma carreira que agora nós descongelamentos para todos os funcionários do Estado", salientou, recebendo muitas palmas da assistência.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
tec informatica lic, mais 20 anos s/subir categori Há 2 semanas

e eu ?

fpublico condenado a 48 anos trabalho/descontos Há 2 semanas

TODOS DEVEM SER OBRIGADOS A TRABALHAR 48 ANOS
EU NÃO SOU GRUNHO, SOU PORTUGUES NASCIDO EM PORTUGAL E PAGO IMPOSTOS PARA SUSTENTAR CIGANADA E OPORTUNISTAS QUE VÃO PRA REFORMA AOS 60 ANOS E MAXIMO 36 DE DESCONTOS DO PUBLICO E DO PRIVADO
PORTUGAL ESTA CHEIO DE XULOS

Semcheta Há 2 semanas

E se o Sr Costa tiver mais respeito pelos cidadãos que não são Funcionarios Públicos?!. Eles são maioria e pagaram uma factura bem mais cara que os funcionários e que ninguém lhes repõe!...ainda por cima pagarão também a conta deste desvario despesista com a Função Pública!

Anónimo Há 2 semanas

Fui funcionário de um banco comprado por outro, após ameaças e atitudes humilhantes de estar todo o dia sem fazer nada durante meses, o desemprego estava mesmo a espreitar, já lá vão 2 anos e NADA, se fosse FP nunca seria despedido.
Quem é que são desrespeitados Sr. Costa?

pub