Finanças Públicas Costa: Previsões do FMI apontam evolução "bastante mais positiva" da economia portuguesa

Costa: Previsões do FMI apontam evolução "bastante mais positiva" da economia portuguesa

O primeiro-ministro realçou esta sexta-feira que as previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre o crescimento da economia portuguesa são "mais optimistas" do que as do Governo e reconhecem que a evolução "tem sido bastante mais positiva".
Costa: Previsões do FMI apontam evolução "bastante mais positiva" da economia portuguesa
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 30 de junho de 2017 às 19:44

"Hoje ouvimos o FMI a apresentar previsões de crescimento da nossa economia mais optimistas do que as próprias previsões com que o Governo tem trabalhado e a reconhecer que, ao contrário do que pensava há um ano, a evolução da nossa economia tem sido bastante mais positiva do que aquilo que eram as expectativas que tinha", disse António Costa.

 

Em comunicado divulgado esta sexta-feira, após uma missão de duas semanas a Lisboa, o FMI manifestou estar mais optimista em relação a Portugal, prevendo que a economia cresça 2,5% este ano e que a meta do défice de 1,5% seja cumprida.

 

"As projecções de curto prazo de Portugal melhoraram de forma considerável, suportadas por uma recuperação no investimento e um crescimento contínuo das exportações, ao mesmo tempo que a recuperação na zona euro ganhou força", observou o FMI.

 

Esta previsão do FMI é uma revisão em alta de um ponto percentual face aos 1,5% estimados em Abril, quando divulgou o 'World Economic Outlook', mostrando-se assim também mais optimista do que o Governo, que prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 1,8%.

 

Segundo António Costa, que falava uma intervenção no final de uma visita à empresa de transformação artesanal de porco alentejano Montaraz, em Garvão, no concelho de Ourique, no distrito de Beja, "estes dados confirmam outros dados", nomeadamente a descida do desemprego e o facto de a confiança dos agentes económicos e o clima económico em Portugal estarem a atingir "máximos". "Hoje soubemos que o desemprego em Abril baixou para 9,5%, confirmando a tendência que tem vindo continuadamente a descrever e que vai continuar a decrescer", disse.

 

Na quinta-feira, frisou, tivemos "bons indicadores sobre a confiança", o que "é fundamental para continuarmos a progredir na economia".

 

Os dados do clima económico "atingiram máximos, que não tínhamos desde 2008", e a confiança dos consumidores também atingiu "máximos, que não tínhamos desde 1997, ou seja, já no século passado, diria mesmo, já no milénio passado", sublinhou. "E isto significa que a estratégia que temos vindo a desenvolver, apostando na confiança dos agentes económicos, é absolutamente decisiva", defendeu António Costa.

 

O chefe do Governo disse que "a agricultura e a indústria agroalimentar são um caso de sucesso" na economia portuguesa e na sua "crescente capacidade transportadora".

 

Segundo António Costa, o Governo tem feito "um esforço muito grande na abertura de novos mercados para produtos derivados do porco", como os do Peru e da Colômbia, que foram recentemente abertos.

 

E, na próxima semana, "vai ser dado um passo muito importante na abertura do mercado chinês à carne de porco, adiantou. Trata-se de "um primeiro passo", que é "decisivo", porque "aberto o mercado para a carne de porco fica entreaberta a porta para fazer o caminho seguinte, ou seja, a abertura do mercado para os produtos derivados de porco, rematou. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 30.06.2017

Um boom turístico cria empregos precários e mal pagos e gera receitas que tapam o crónico défice comercial de bens equilibrando as contas externas do País. É melhor que nada? É. Constitui uma base para o desenvolvimento económico e social do País? Não. Pelo que não se entende tanta excitação.

pub