Política Costa promete determinação na reconstrução de casas afectadas em Outubro

Costa promete determinação na reconstrução de casas afectadas em Outubro

Os incêndios de 15 e 16 de Outubro tiveram "consequências de uma dimensão muitíssimo superior", lembrou: "Não estamos a falar de 268 casas, estamos a falar de 1.483 casas".
Costa promete determinação na reconstrução de casas afectadas em Outubro
O primeiro ministro António Costa esta manhã durante a visita a uma habitação em reconstrução em Quinta da Barroca, Candosa, Tábua
Lusa
Lusa 17 de dezembro de 2017 às 15:46

O primeiro-ministro, António Costa, prometeu hoje a quem perdeu as casas nos incêndios de Outubro "a mesma energia e a mesma determinação" que tem havido na reconstrução na zona dos incêndios de Pedrógão, ocorridos em Junho.

 

"Temos que impor, relativamente a estes incêndios de 15 de Outubro, a mesma energia e a mesma determinação com que temos estado a desenvolver relativamente à tragédia do incêndio de Pedrógão", afirmou aos jornalistas, durante uma visita a uma casa que está a ser reconstruída na Quinta da Barroca, no concelho de Tábua.

 

Segundo António Costa, no que respeita à tragédia de Pedrógão, há "70% das casas concluídas ou em obra".

 

Os incêndios de 15 e 16 de Outubro tiveram "consequências de uma dimensão muitíssimo superior", lembrou: "Não estamos a falar de 268 casas, estamos a falar de 1.483 casas".

 

O governante disse que, "neste momento, estão já 159 concluídas e em obra", como é o caso da que hoje visitou.

 

De acordo com o primeiro-ministro, nos incêndios de Outubro foram afectados 36 concelhos, "uma extensão muito grande" e, em vez de serem 10 milhões de euros para a reconstrução das habitações, serão 75 milhões de euros.

 

"Só na componente de primeiras habitações temos 75 milhões de euros. É um esforço muito grande e o que estamos a ver é o ponto de situação de dois meses e dois dias depois da ocorrência", frisou.

 

Tal como aconteceu em Pedrógão, "tem havido uma mobilização de recursos diversos: nuns casos, os proprietários tinham seguros, noutros casos, tem-se recorrido a outros mecanismos de apoio".

 

A proprietária da casa hoje visitada, Teresa Mendes, disse que, no seu caso, para já, é o empreiteiro que está a suportar os custos.

 

António Costa explicou que, relativamente aos incêndios de Outubro, a verba para a reconstrução das casas terá como origem sobretudo o Orçamento do Estado.

 

"Em Junho, houve uma grande solidariedade espontânea da sociedade civil. A 15 de Outubro, os recursos já tinham sido mais concentrados no primeiro incêndio e aqui o Estado tem de ter um contributo maior. É isso que está previsto no Orçamento do Estado para 2018", acrescentou.




pub