Construção Costa quer amplo consenso na estratégia para "década de convergência" com a Europa

Costa quer amplo consenso na estratégia para "década de convergência" com a Europa

O primeiro-ministro considerou hoje essencial que exista uma estratégia nacional que permita que Portugal tenha uma década de convergência com a União Europeia e insistiu na aprovação formal por dois terços do Plano Nacional de Infraestruturas.
Costa quer amplo consenso na estratégia para "década de convergência" com a Europa
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 12 de setembro de 2017 às 16:54
António Costa falava na sala do Senado na Assembleia da República, durante a sessão de abertura de um plenário extraordinário do Conselho Económico Social (CES) - reunião que foi solicitada pelo Governo e que se destina a abrir o debate sobre o tema "Portugal pós 2020".

Na sua intervenção, o primeiro-ministro defendeu a tese de que, sobretudo na sequência do "Brexit" (saída do Reino Unido da União Europeia) as negociações dos próximos quadros comunitários de apoio serão "mais exigentes" e Portugal tem de estar preparado para elas já em 2018, quando a Comissão Europeia lançar a discussão sobre os regulamentos.

Perante os membros do CES, o líder do executivo dividiu em duas fases o percurso histórico de Portugal na União Europa, identificando um primeiro período de "forte convergência" até 2001 e um segundo período de divergência em termos de crescimento.

"Nos últimos três trimestres Portugal teve a oportunidade de convergir com a União Europeia, mas não este breve período não pode ser uma excepção. Queremos que estes sejam os primeiros três trimestres de uma década de convergência com a União Europeia", declarou o primeiro-ministro.

Para isso, segundo o líder do executivo, Portugal tem de articular em simultâneo "uma maior competitividade externa e uma maior coesão interna".

No plano político, António Costa disse que a discussão do Portugal pós 2020 será feita com as forças partidárias depois das eleições autárquicas de 1 de Outubro.

"Este debate sobre o que queremos no país na próxima década terá de necessariamente chegar ao conjunto do sistema político, em particular à Assembleia da República. Sendo uma estratégia para dez anos, sendo um quadro comunitário que atravessará várias legislaturas, deve por isso beneficiar de um consenso político mais alargado", acentuou.

De acordo com o primeiro-ministro, no âmbito desta estratégia de médio e longo prazo, sairá um documento denominado Plano Nacional de Infraestruturas.

"Temos todos consciência da forte limitação que o Estado tem do ponto de vista orçamental e, por outro lado, a dificuldade do financiamento por parte do crédito. Por isso, nos próximos anos, os fundos comunitários serão a grande fonte de financiamento dos investimentos públicos ou privados", sustentou.

Na perspectiva do primeiro-ministro, o Plano Nacional de Infraestruturas 2020/2030 "deverá ser votado formalmente na Assembleia da República, tendo o consenso político mais alargado possível, desejavelmente de dois terços".

"Uma infraestrutura não é algo para o prazo da nossa vida, porque transcenderá a nossa vida na terra, mesmo para aqueles que acreditam que a possam prolongar fora da terra. Portanto, é necessário que o conjunto das infraestruturas tenha a maior legitimação política, já que estaremos a trabalhar para as gerações vindouras", acrescentou.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Alexandre Policarpo 12.09.2017

Com este governo e este 1º ministro, a "década da convergência" só se for com o Burkina Faso ou o Mali, com a Europa não é concerteza.

Sabotador profissional. Vegeta 12.09.2017

por aqui um soldado raso qualquer, que na falta de melhor disparata sobre tudo o que não entende. O estarolas afirma que nada sabe, sobre qualquer tema, mas gosta de botar palavra.
Tem esse direito, daí não ficar ofendido quando lhe puxam ??????? para ver se ganha juízo. É um verbo de encher

General Ciresp 12.09.2017

Nao digas Europa d.branca,diz antes Grecia.Que eu saiba a Franca ja nao e socialista,a Italia tambem ja nao e.Para de seres confuso,aldrabao,troca tintas,cobardo,mas acima de tudo ser habil atravez da "ARTIMANHA".Nao escutas o povo,pobre horacio.

João Pedro 12.09.2017

Este estupor faz o contrário do que apregoa

Saber mais e Alertas
pub