Economia Costa reitera que descentralização é a "principal reforma do Estado" a ser feita

Costa reitera que descentralização é a "principal reforma do Estado" a ser feita

O secretário-geral do PS, António Costa, reiterou este domingo que a descentralização é a "principal reforma do Estado" a fazer, assegurando desse modo que os autarcas possam fazer "mais e melhor" pelos seus concidadãos.
Costa reitera que descentralização é a "principal reforma do Estado" a ser feita
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 17 de setembro de 2017 às 12:52

"A principal reforma do Estado que temos de fazer é a descentralização, dar mais competências e meios aos autarcas para poderem fazer ainda mais e melhor", advogou o líder socialista, intervindo em Trancoso, na abertura de uma sede de campanha do candidato local às autárquicas de 1 de Outubro.

 

E prosseguiu: "Estando mais próximos das pessoas e dos problemas", os autarcas, sejam presidentes de câmara ou de junta de freguesia, "podem fazer mais que o Governo central, que muitas vezes está longe das pessoas e dos problemas", sustentou António Costa, que também ele foi presidente de câmara, em Lisboa.

 

No actual executivo municipal de Trancoso, presidido por Amílcar Salvador, que o PS recandidata, os socialistas têm a maioria, com quatro elementos, e o PSD possui três vereadores.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

"Sim" à regionalização, descentralização e delegação de competências, mas c/regras inteligentes e controlo. "Não" à litoralização! Como alguém disse c/toda a pertinência: "Portugal é hoje formado por apenas três regiões: de Lisboa, do Porto e o Algarve. Tudo o resto são lares de Terceira Idade...

Anónimo Há 2 semanas

A politiquice, centralização, provincianismo e umbigos vaidosos matam o desenvolvimento do interior. Tantos possíveis abusos, flops, gastos e esforços desperdiçados quando a descentralização não é devidamente regulada e auditada e quando projectos regionais não são considerados missão nacional.

anonimo 18.09.2017

Pois claro tem que se arranjar tacho para os amigos.O amigo Lacerda tem toda a família encostada ao Estado.Já agora Eurico Brilhante, precisa de tanta gente na sua Secretaria? Que habilitações tem uma das suas secretárias pessoais?

ERRADO 17.09.2017

A principal reforma do Estado é reduzir o Estado às suas funções básicas: Administração Publica, Justiça e Segurança.
Tudo o resto é despesa inútil que é suportada sempre pelos mesmos escravos Tugas. Eu próprio!
Pode começar pelo sistema Político, à abstenção corresponder lugares vazios na AR.

ver mais comentários
pub