Política Costa salienta estabilidade política nas relações entre Portugal e Colômbia

Costa salienta estabilidade política nas relações entre Portugal e Colômbia

O primeiro-ministro afirmou esta segunda-feira que a criação do Conselho Estratégico Portugal/Colômbia é o resultado directo da estabilidade política nas relações entre os dois países e reflexo da presença crescente das empresas nacionais no mercado colombiano.
Costa salienta estabilidade política nas relações entre Portugal e Colômbia
Reuters
Lusa 13 de novembro de 2017 às 20:01

António Costa falava logo após os governos de Portugal e da Colômbia terem assinado um protocolo para a criação do Conselho Estratégico Portugal/Colômbia - acto também presenciado pelo chefe de Estado colombiano, Juan Manuel Santos.

 

Este conselho - o terceiro assinado pela Colômbia, depois de o ter feito com França e México - será composto por personalidades dos dois países representativas dos sectores privado, empresarial, cultural e universitário, que farão recomendações aos dois governos para o aprofundamento das relações bilaterais.

 

Na sua breve intervenção, o primeiro-ministro destacou a presença de mais de quatro centenas de empresas nacionais no mercado colombiano e defendeu que a criação do Conselho Estratégico "traduz a intensidade das relações entre os dois países" - relações que, na sua perspectiva, poderão e deverão estender-se a novas áreas como a agricultura, o turismo e as energias renováveis.

 

Com o ex-vice-primeiro-ministro e ex-presidente do CDS-PP Paulo Portas presente na sala, António Costa identificou a existência de uma "grande estabilidade no relacionamento" entre Portugal e a Colômbia.

 

"Esta relação começou a ser construída há três governos, com o então ministro dos Negócios Estrangeiros [o socialista] Luís Amado, tendo tido um grande impulso com [o ex-ministro] Paulo Portas, que tem agora uma continuidade com o actual Governo. Isto demonstra bem que, independentemente dos governos e das mudanças políticas, a relação entre Portugal e a Colômbia é estável", declarou o líder do executivo português.

 

Antes, numa intervenção bem mais longa, Juan Manuel Santos considerou que a Colômbia é o país mais estável da América Latina e que a consolidação do processo de paz "permite a expansão da economia", através da abertura de "novas oportunidades" de negócios em áreas geográficas do território antes fechadas pela guerra civil.

 

Juan Manuel Santos salientou também que no seu país "há uma tradição de respeito pelos contratos" assinados e que o investimento atinge 27% por PIB (Produto Interno Bruto), sendo o mais alto da América Latina.

 

Para o sector empresarial nacional, o presidente da Colômbia falou em oportunidades nos domínios das infra-estruturas rodoviárias e da modernização dos aeroportos (mais de 40 em vias de reconversão), mas, sobretudo, ao nível do turismo. "Temos somente cinco milhões de turistas por ano. Penso que há imensas potencialidades para crescermos", declarou.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 1 semana

COSTA É UM MENTIROSO COMPULSIVO...!!!

pub