Indústria Costa saúda "acordo histórico" no sector do calçado e destaca contratação colectiva

Costa saúda "acordo histórico" no sector do calçado e destaca contratação colectiva

O primeiro-ministro, António Costa, saudou o "acordo histórico de igualdade salarial" alcançado esta terça-feira no sector do calçado e sublinhou a importância da contratação colectiva.
Costa saúda "acordo histórico" no sector do calçado e destaca contratação colectiva
Reuters
Lusa 18 de abril de 2017 às 21:51

O sector do calçado assinou hoje à tarde um contrato colectivo de trabalho que garante salários iguais para homens e mulheres com as mesmas funções, disse fonte oficial da Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos (APICCAPS) à Lusa.

 

"O calçado é um sector tradicional exemplar que tem sabido modernizar-se, promovendo mais exportações e garantindo melhores salários", escreveu António Costa, numa mensagem publicada na rede social 'Twitter'.

 

O chefe de Governo aproveitou para prestar a sua homenagem a Fortunato Frederico, "que revolucionou o sector" e que agora cessa funções como presidente da APICCAPS.

 

Por ocasião da assinatura do acordo, Paulo Gonçalves, porta-voz da associação, caracterizou este contrato como "histórico", porque "pela primeira vez iguala os salários entre homens e mulheres".

 

"O que nós procuramos fazer, no fundo, é promover a igualdade de género. Esta era uma preocupação do sector já há algum tempo e nas últimas negociações fomos sempre promovendo esta aproximação entre os salários de homens e de mulheres e este processo termina agora", afirmou a mesma fonte à agência Lusa, referindo que as mulheres representam cerca de 60% dos trabalhadores.

 

O acordo, oficializado hoje publicamente no Porto, prevê ainda um aumento médio dos salários de 3,8%.

 

No sector, as exportações aumentaram 60% desde 2009, período em que foram criados cerca de sete mil postos de trabalho, graças a uma "concertação efetiva entre o patronato e os sindicatos".

 

"Houve paz social e criação e distribuição de riqueza", concluiu o porta-voz da APICCAPS, que quer ver o sector como um "caso de estudo ao nível das melhores práticas sociais", depois de ser apontado como um "exemplo de competitividade".

 

O sector exporta 95% da produção para 152 países, segundo aquela associação.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub