Américas Costa sobre Trump: “O mundo em 15 dias percebeu bem como precisa de uma Europa forte”

Costa sobre Trump: “O mundo em 15 dias percebeu bem como precisa de uma Europa forte”

O primeiro-ministro reclama "uma Europa capaz de se afirmar no mundo no domínio da defesa, no domínio da política comercial, na política da gestão dos fluxos migratórios, e unida internamente".
Costa sobre Trump: “O mundo em 15 dias percebeu bem como precisa de uma Europa forte”
Lusa 03 de fevereiro de 2017 às 09:59
O primeiro-ministro António Costa afirmou hoje, em La Valetta, que "bastaram duas semanas da nova presidência norte-americana" para o mundo perceber que precisa de "uma Europa forte", e disse esperar que da cimeira de Malta saia "um bom exemplo".

"Eu creio que para os mais cépticos bastaram duas semanas da nova presidência norte-americana para se perceber a importância de termos uma Europa forte e uma Europa unida. Uma Europa capaz de se afirmar no mundo no domínio da defesa, no domínio da política comercial, na política da gestão dos fluxos migratórios, e unida internamente", afirmou.

António Costa, que falava à saída de uma reunião dos socialistas europeus, imediatamente antes de participar numa cimeira informal de chefes de Estado e de Governo da UE que será consagrada à questão das migrações, disse esperar que a Europa possa "dar hoje ao mundo um bom exemplo de como a gestão dos fluxos migratórios pode ser feita de um modo diferente do que a politica de muros, que nada resolve e que simplesmente viola a dignidade dos seres humanos".

Apontando que a cimeira de hoje "será concentrada numa dimensão muito importante, que tem a ver com a dimensão externa da política migratória", designadamente o trabalho que se deve fazer com os países de África, subsaariana e mediterrânica, para "combater as causas profundas dos movimentos migratórios", o primeiro-ministro disse que é aí que a Europa se pode diferenciar da nova política de Washington.

"Claro que é preciso uma resposta à administração norte-americana, mas a melhor resposta à administração norte-americana é mostrar como a Europa é uma fortaleza contra os seus valores e é capaz de actuar unida para ter uma posição no mundo forte e diferenciada daquela que é a posição da presidência norte-americana, nomeadamente na gestão da imigração", disse.

Costa destacou também a "dimensão humanitária" da resposta a dar, "que permita aquilo que é essencial: que o Mediterrâneo não continue a ser um cemitério de vidas", e haja "uma gestão humanitária em colaboração com as Nações Unidas".

"A nossa resposta não é construir muros, não é banir nacionalidades de poderem vir à Europa", prosseguiu, afirmando que a resposta deve passar por essa "dimensão externa de investir, de contribuir para a paz, para a democracia, para a estabilização", sobretudo em África, e "é nessa resposta positiva que a Europa se diferencia da nova política" da Casa Branca.

Ainda sobre qual a posição que a Europa deve assumir face à nova administração norte-americana liderada por Donald Trump, o primeiro-ministro defendeu que, por um lado, se deve "saber preservar uma relação histórica que a Europa tem com os EUA, e não confundir com uma presidência que é necessariamente conjuntural", mas também perceber que a UE tem que se mostrar unida e mostrar que não está disponível "para que a presidência americana contribua para a divisão da Europa".

"O mundo em 15 dias percebeu bem como precisa de uma Europa forte", reforçou.



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Esta' aflito com dores no rabo!! ele esta' a ver que o socialismo falhou miseranvelmente, e em pouco tempo , ele e todos os seus camaradas serao substituidos pela direita numa tentativa de se aproximarem da Alemanha e UK que tem gov. de direita que os enriqueceram;

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

O socialismo falhou? Mas os países do norte da Europa são muito mais socialistas que os do sul. Estes ignorantes que vêm para aqui agitar bandeiras do NEO-liberalismo não se lembram quem causou a crise de 2009 e quem causou a desgraça de milhares de famílias de classe média pela Europa e EU fora.

Anónimo Há 2 semanas

Esta' aflito com dores no rabo!! ele esta' a ver que o socialismo falhou miseranvelmente, e em pouco tempo , ele e todos os seus camaradas serao substituidos pela direita numa tentativa de se aproximarem da Alemanha e UK que tem gov. de direita que os enriqueceram;

Anónimo Há 2 semanas

É obra! A notícia sai e entra logo o insulto. O PM não tem razão? O que Mr Trump anda a fazer é que é bom? Aquilo tem algo a ver com a evolução que é suposto a humanidade ter atingido?

Anónimo Há 2 semanas

Para uma Europa forte é preciso mudar primeiro a classe politica de bananas que hoje governa em todos os países Europeus.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub