Segurança Social Costa tentou alternativas à TSU. Jerónimo de Sousa tem plano B

Costa tentou alternativas à TSU. Jerónimo de Sousa tem plano B

O primeiro-ministro e o secretário-geral comunista admitem ter alternativas à redução da TSU para patrões que deverá ser chumbada no Parlamento. No entanto, podem não ter o apoio do patronato.
Costa tentou alternativas à TSU. Jerónimo de Sousa tem plano B
Miguel Baltazar
Marta Moitinho Oliveira 17 de janeiro de 2017 às 17:41

António Costa reconheceu esta terça-feira no debate quinzenal que foram pensadas outras soluções na concertação social em vez da redução da Taxa Social Única (TSU), mas que não foram aceites. As declarações do primeiro-ministro aconteceram no mesmo debate em que o PCP formalizou o pedido de apreciação parlamentar para revogar a redução da TSU, onde os comunistas deixam também um plano B para o Governo.

Em resposta à líder do Bloco de Esquerda, o primeiro-ministro defendeu que o acordo alcançado em Dezembro na concertação social é "bom" para o Estado e explicou que foi o acordo possível de obter com patrões e UGT.

Costa começou por contextualizar o motivo pelo qual o acordo prevê uma redução da TSU. O aumento do salário mínimo é "sempre superior ao da inflação e produtividade", disse, revelando depois que foram testadas outras hipóteses de compensação para os patrões que não foram aceites. "Procurámos outras soluções", afirmou, acrescentando que uma delas passaria por "alisar o esforço" do aumento do salário mínimo (que este ano é maior do que o previsto para os anos seguintes) ou "outras compensações", que não quis precisar.

O primeiro-ministro sinalizou que, no entanto, estas soluções não tiveram sucesso e foi a redução da TSU para os patrões que permitiu o acordo com patrões e UGT.

O Governo tem recusado falar de um plano B que permita substituir a descida da TSU para os patrões. No entanto, o Expresso adiantou na segunda-feira que o Presidente da República conta com António Costa para encontrar uma alternativa perante um chumbo da TSU no Parlamento.

Quem já deixou uma alternativa foi o PCP. No pedido de apreciação parlamentar entregue esta terça-feira no Parlamento, e anunciado por Jerónimo de Sousa, durante o debate quinzenal, os comunistas avançam com um plano B. "O PCP rejeita em absoluto este caminho, apresentando em alternativa, a necessidade de diversificação das fontes de financiamento da segurança social, designadamente através do contributo das empresas com lucros significativos e um número reduzido de trabalhadores", lê-se no pedido de apreciação para revogar a redução da TSU.

Esta é a alternativa dos comunistas à medida de diminuição dos descontos das empresas, que é apresentada no decreto-lei publicado esta terça-feira como uma "medida excepcional de apoio ao emprego". No entanto, esta medida não se traduz num alívio para as contas das empresas e, por isso, deveria contar com a oposição dos patrões.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

O plano B deveria ser menos TSU para quem paga todos os impostos em Portugal e para os que no final vão aos paraísos fiscais levarem o dinheirinho que nos pertence, ser-lhes aumentada a T S U. Os grandes grupos econômicos são os que mais nos teem destruído, não á que ter dó.

comentários mais recentes
Nitrato de escarreta Há 1 semana

A puuta do costume, o . . . . PCP.

Anónimo Há 1 semana

O plano B deveria ser menos TSU para quem paga todos os impostos em Portugal e para os que no final vão aos paraísos fiscais levarem o dinheirinho que nos pertence, ser-lhes aumentada a T S U. Os grandes grupos econômicos são os que mais nos teem destruído, não á que ter dó.

pub
pub
pub
pub