Economia António Costa: "Um programa eleitoral sem contas é um saco de palavras"

António Costa: "Um programa eleitoral sem contas é um saco de palavras"

António Costa reage ao programa eleitoral da coligação e chama "saco de palavras" a um programa que não apresenta números, afirmando que Passos Coelho está a repetir as promessas feitas em 2011, sem apresentar medidas.
António Costa: "Um programa eleitoral sem contas é um saco de palavras"
Miguel Baltazar/Negócios
Liliana Borges 30 de julho de 2015 às 00:07

António Costa afirmou que o programa da coligação contrasta "com o rigor da proposta socialista" que foi precedida de um estudo macroeconómico para aferir a margem orçamental existente para a adopção de medidas nos próximos quatro anos, sublinhou. "O nosso programa não são promessas, são medidas pensadas".

O secretário-geral do PS classificou o programa eleitoral da coligação PSD/CDS de "saco cheio de palavras". "Um programa eleitoral que não tem as contas feitas é um saco cheio de palavras", acusa.

António Costa classificou depois como "extraordinário que, quem não cumpriu ainda as promessas da campanha anterior, faça novas promessas". O líder socialista considera que Passos Coelho quer "tentar enganar todos como fez há quatro anos", mas avisa que "quem está enganado é mesmo o primeiro-ministro, porque as pessoas não lhe perdoam", declarou.

Em declarações anteriores, Costa acusou o programa da coligação PSD/CDS de continuar uma "fúria privatizadora".

O secretário-geral garante que o partido socialista, por oposição ao programa da coligação, conhece os impactos de cada medida que consta no programa socialista e que nele constam "medidas estudadas sem desrespeitar compromissos europeus". Sobre a apresentação do programa macroeconómico, Costa disse ter sido alvo de criticas internas e externas por "andar por aí sem se comprometer com nada quando na realidade andava a fazer o trabalho de casa", esclarece.

O líder socialista diz ainda retirar uma conclusão: "a receita não funcionou". E por issso, é necessário procurar outra. "Há quem entenda que não é possível haver outra receita no quadro da Zona Euro. Ouvimos a esquerda e a direita radical e é a mesma coisa. Uns dizem que é preciso sair do euro para romper a austeridade e outros dizem que não é possível sair da austeridade sem romper com o euro".




A sua opinião50
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 30.07.2015

Precisavas MESMO era de 2 vassouras. Uma para ti e outra para o Joãzinho Galamba. Para irem limpar a pista das cagadelas das cegonhas do aeroporto de BEJA.
Sempre melhorava, pouco que fosse, as estatisticas de INÚTEIS..Aproveitem e cantem a musica dos Azeitonas - "Anda comigo ver os aviões" ao Sócrates que está ali ao lado em Évora..

comentários mais recentes
ccc 30.07.2015

Este desde que aprendeu a fazer contas tornou-se um tecnocrata. Explica lá, por contas tuas, como "reduziste" a dívida da CML. Ou como pensavas reduzi-la sem o Governo PSD te ter posto o dinheiro nas mãos?

Carlos Pinto 30.07.2015

descreveu o programa do PS em poucas palavras :D

Joao Cardim Carrisso 30.07.2015

Mas este agora acha que sabe fazer contas????? Acha que é credivel assaltar a SS???? Os mercados não acham e se chega ao poder os juros da divida sobem logo. Ou arrepia caminho ou sai. Como todos os outros governos de paises cheios de divida.

Ó Costa . . . 30.07.2015

Vai levar onde levam as galinhas.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub