Orçamento do Estado Costa admite que sobretaxa do IRS não acabe totalmente em Janeiro

Costa admite que sobretaxa do IRS não acabe totalmente em Janeiro

"Iremos cumprir, seguramente no próximo ano, o compromisso de eliminar a sobretaxa. Mesmo que esse compromisso não seja integralmente cumprido no dia 1 de Janeiro", disse o primeiro-ministro.
Costa admite que sobretaxa do IRS não acabe totalmente em Janeiro
Lusa 13 de Outubro de 2016 às 07:22
O primeiro-ministro admite que a sobretaxa do IRS pode não acabar para todos os contribuintes em Janeiro, mas reitera que será eliminada totalmente em 2017, numa entrevista ao Diário de Notícias e TSF divulgada hoje.

"Iremos cumprir, seguramente no próximo ano, o compromisso de eliminar a sobretaxa. Mesmo que esse compromisso não seja integralmente cumprido no dia 1 de Janeiro", disse António Costa.

O primeiro-ministro lembra que "a esmagadora maioria dos portugueses neste ano já não foi tributada com a sobretaxa do IRS" e acrescenta que se orgulha "muito" de ter conseguido "cumprir todos os compromissos" que assumiu, referindo, para além da sobretaxa, a reposição total dos vencimentos da função pública este ano e de "praticamente" todas as pensões.

António Costa, que deu esta entrevista no final da visita à China, onde esteve desde sábado, enquanto decorriam em Lisboa as negociações do Orçamento do Estado para 2017, diz ainda que "um Orçamento é sempre um exercício complexo, dentro do Governo, com os parceiros parlamentares, e este processo não fugiu à regra".

Ainda assim, "neste ano foi mais fácil, desde logo porque as pessoas tinham hábitos de trabalho que há um ano não tinham", afirmou, referindo-se aos partidos de esquerda com quem o PS negoceia a proposta de Orçamento.

O primeiro-ministro garante que o documento que será entregue na Assembleia da República na sexta-feira é "uma boa proposta", mas que "naturalmente" há "condições para poder ser melhorada ao longo do debate parlamentar, até ao dia 29 de Novembro".



A sua opinião42
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


PS DEIXA MORRER UTENTES DO SNS... PARA DAR MAIS DINHEIRO À FP:

- PS aumenta despesa com salários da FP em 500 milhões de Euros;

- PS reduz horário da FP para 35 horas;

- PS corta orçamento dos Hospitais Públicos.

comentários mais recentes
ALDRABÃO RELES Há 3 semanas

AFIRMOU ONTEM O ALDRABÃO COMPULSIVO PASSOS COELHO QUE, CITO, “COMIGO EM PM HAVERIA DINHEIRO PARA A SAÚDE E EDUCAÇÃO”
ASSIM.
TAL E QUAL.
SERÁ QUE ESTE PULHA SUPÕE QUE SOMOS TODOS TÓTÓS OU QUE NÃO TEMOS MEMÓRIA ?
NO MÍNIMO, ESTA AFIRMAÇÃO É GOZAR COM A NOSSA INTELIGÊNCIA.

A "MARAVILHA" DAS PRIVATIZAÇÕES E HELENA GARRIDO Há 3 semanas

1) - A retornada da direita radical Helena Garrido, ex-directora do Negócios e admiradora incondicional do vígaro Passos, outro retornado, na rubrica que mantém, na Antena Um, cerca das 08:40, afirmou hoje que foi um erro o Metro não ter sido concessionado a privados.
Tinha de ser …
Curiosamente,

A "MARAVILHA” DAS PRIVATIZAÇÕES E HELENA GARRIDO Há 3 semanas

2) - esta figurona é uma múmia silenciosa, em matéria de privatizações, quanto ao facto de a EDP, quando pública, dar para o erário público (de todos nós), cerca de 1.000 milhões de euros, EM CADA ANO, grande parte dos quais vôa agora para a China, mercê da privatização.
Outro seu silêncio

A "MARAVILHA” DAS PRIVATIZAÇÕES E HELENA GARRIDO Há 3 semanas

3) - ensurdecedor por mais outra “maravilha” das privatizações : a ANA AEROPORTOS, após privatizada e pela lógica do lucro pelo lucro dos privados, teve já 13 (TREZE) aumentos nos seus preços, que são reflectidos obviamente sobre cada um de nós, quando necessita de recorrer aos seus serviços.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub