Economia Costa: "Estamos bastante confortáveis com o investimento chinês na banca"

Costa: "Estamos bastante confortáveis com o investimento chinês na banca"

Em entrevista à Bloomberg, em Macau, o primeiro-ministro disse ver com bons olhos a possibilidade de mais capital chinês entrar na banca portuguesa.
Costa: "Estamos bastante confortáveis com o investimento chinês na banca"
bloomberg
Negócios com Bloomberg 12 de Outubro de 2016 às 11:38

O primeiro-ministro António Costa diz ver com bons olhos a possibilidade de mais capital chinês entrar na banca portuguesa. "Estamos bastante confortáveis com o investimento de Espanha, de Angola e também da China. Somos uma economia aberta, queremos diversificar as nossas fontes de investimento, e vemos isso como uma vantagem, não como uma desvantagem".

António Costa respondia deste modo à Bloomberg TV, depois de ter sido questionado sobre se estava confortável com a forte presença de capital chinês na banca, que poderá ser reforçada caso se confirme o interesse do grupo Minsheng no Novo Banco.

Falando em Macau, na terça-feira 11 de Outubro, o primeiro-ministro disse ainda que "o investimento chinês em Portugal foi sempre muito positivo, especialmente no sector financeiro mas também no energético". "O investimento chinês ajudou-nos a recapitalizar os nossos bancos", precisou, acrescentando que espera ver resolvidos os problemas mais urgentes no sector até ao fim do ano, designadamente com uma solução que permita aliviar o peso do crédito mal parado.

 

China na Base das Lajes? Só para investigação


António Costa disse ainda que a Base das Lajes está aberta a investimentos chineses, agora que os Estados Unidos decidiram reduzir ao mínimo a sua presença, mas o primeiro-ministro deixou claro que não quer que os Açores se transformem num ponto de alavancagem militar da China no Atlântico.


Questionado sobre o interesse de altos responsáveis chineses, incluindo o do presidente Xi Jinping e do primeiro-ministro Li Keqiang que usaram as Lajes para fazer escala a caminho de destinos na América Latina, Costa frisou que continuará a honrar o pacto de defesa com os EUA, no âmbito da NATO, mas que quer aproveitar melhor a infra-estrutura existente para investigação. Os Açores, disse, são "muito importantes, tanto logisticamente no Oceano Atlântico, mas também em termos de tecnologia e pesquisa, no domínio das alterações climáticas e de pesquisa em águas profundas".




A sua opinião40
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Simoes-rego Jose Alberto Há 3 semanas

Meus caros o que se na oposição não conta só acredita quem quer não é assim!!!

J. SILVA Há 3 semanas

Autêntico porcalhão. Mete-se a influenciar e a decidir sobre um negócio privado- O BCP- prejudicando os investidores portugueses e o "grande gestor" Amado nem pia. Tudo feito em família. ESta intromissão é uma garotice , imprópria dum estado dito de direito, invasão da propriedade privada..

Cristina Cohen Há 3 semanas

E os outros é que vendiam o País ao desbarato!

Virgilio Tabosa Há 3 semanas

É vender o pais à china ao desbarato e as empresas que dao lucro porque as que dao prejuízo ficam no estado portugues

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub