União Europeia Costa exige equilíbrio geográfico nos projectos a financiar pelo Plano Juncker

Costa exige equilíbrio geográfico nos projectos a financiar pelo Plano Juncker

O primeiro-ministro defendeu esta quarta-feira que o "Plano Juncker" deve ter uma aplicação geográfica equilibrada em relação aos projectos a financiar e igualdade de acesso a todos os Estados-membros, recusando a sua concentração nos países mais ricos.
Costa exige equilíbrio geográfico nos projectos a financiar pelo Plano Juncker
Reuters
Lusa 19 de Outubro de 2016 às 16:13

António Costa falava na abertura do debate sobre o Conselho Europeu, na quinta e na sexta-feira, em Bruxelas, que teve na galeria de honra a assistir o antigo primeiro-ministro da Dinamarca Poul Rasmussen (1993/2001), actual eurodeputado, membro do Partido Socialista Europeu.

 

Na sua intervenção, o primeiro-ministro advertiu que o "Plano Juncker" da Comissão Europeia não pode ter regras de aplicação que tenham como consequência "um agravamento das assimetrias" entre os diferentes Estados-membros.

 

Sobre a agenda da próxima cimeira de chefes de Estado e de Governo da União Europeia, o líder do executivo português aludiu às questões relativas ao mercado interno, em particular ao 'Plano Juncker'.

 

António Costa considerou "absolutamente essencial", sobretudo num momento em que o 'Plano Juncker' é alargado, que haja uma distribuição geográfica equilibrada dos projectos a financiar, garantindo igualdade de acesso a todos os Estados-membros.

 

"Não é possível que este plano, que corresponde a uma necessidade de investimento, acabe por concentrar o investimento naqueles que são os países economicamente mais fortes, acentuando as assimetrias entre as economias da União Europeia", afirmou.

Em relação aos restantes pontos da agenda da próxima cimeira europeia, o primeiro-ministro demarcou-se de uma lógica de confrontação com a Rússia e defendeu uma mudança para uma "abordagem positiva para o diálogo" ao nível diplomático, já que as sanções "são economicamente indesejáveis para a União Europeia".

 

Na questão das migrações, o primeiro-ministro disse que os números referentes às travessias no mar Egeu mostram que funcionou o acordo entre a União Europeia, a Grécia e a Turquia, mas advertiu que é necessário que seja dada atenção a outras rotas e, sobretudo, "às questões de fundo que estão na origem" no fenómeno.

 

Nesse sentido, Costa classificou como essencial a conclusão de acordos de parceria para as migrações com países como o Senegal, o Mali, Nigéria, Níger e Etiópia - "isto, sem esquecer a vertente sul da política europeia de vizinhança".

 

Relativamente às alterações climáticas, António Costa declarou esperar que todos os Estados-membros ratifiquem até Novembro o acordo de Paris, tal como Portugal já o fez.

 

Na política comercial, António Costa disse que Portugal apoia a conclusão do acordo de parceria comercial com o Canadá, que "é equilibrado e terá benefícios para o país", razão pela qual afirmou esperar que esse mesmo acordo possa ser assinado até ao próximo dia 27.

 

"Se há contributo que a União Europeia pode dar para a regulação da economia global, é a política comercial", acrescentou, antes de frisar que Portugal também "incentiva a prossecução de idênticas negociações com o Japão e com o Mercosul". 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


400 milhões de Euros para aumentar as pensões mínimas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado injetou, em 2015 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões da CGA.

comentários mais recentes
Nuno Alves Há 3 semanas

LOL

Fernando Cardoso Há 3 semanas

Acho graça pois cá em Portugal defende precisamente o contrário nos investimentos , são quase todos no litoral ou em Lisboa.

Anónimo Há 3 semanas


PS ROUBA A VIDA A 500.000 TRABALHADORES


OS FP DEVEM ESTAR MOTIVADOS APENAS POR TER EMPREGO!

Pois estão bem melhor do que as vítimas do SOCRATES GATUNO que endividou o país até à bancarrota, para pagar salários e pensões da FP…

Lançando 500.000 trabalhadores no desemprego!

Anónimo Há 3 semanas


Um governo de ladrões

PS - PCP - BE - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


Novas pensões mínimas serão sujeitas a prova de rendimento...

para se gastar mais dinheiros com os subsídios às pensões douradas da CGA.


(As pensões da CGA são subsidiadas em 500€, 1000€, 1500€ e mais, por mês.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.)



ver mais comentários
pub
pub
pub
pub