Impostos Costa garante fim da sobretaxa de IRS no ano que vem

Costa garante fim da sobretaxa de IRS no ano que vem

Perante os jornalistas, o primeiro-ministro não se referiu concretamente a 1 de Janeiro como data para o fim da sobretaxa de IRS, deixando a dúvida se a sua eliminação será ou não gradual ao longo do ano.
Costa garante fim da sobretaxa de IRS no ano que vem
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 10 de Outubro de 2016 às 13:11
O primeiro-ministro afirmou hoje que a sobretaxa de IRS vai desaparecer totalmente em 2017 e que a carga fiscal será mais reduzida para a generalidade das famílias, dando-se prioridade a um desagravamento dos impostos sobre o trabalho.

António Costa falava a meio do seu terceiro dia de visita oficial à China, depois de interrogado pelos jornalistas sobre um eventual aumento da carga fiscal em Portugal no próximo ano - perspectiva que o líder do executivo rejeitou.

"Houve uma redução da carga fiscal em 2016, que vai prosseguir em 2017. A generalidade das famílias portuguesas já não pagou sobretaxa de IRS em 2016 e em 2017 a sobretaxa vai desaparecer totalmente para todas as famílias portuguesas", declarou o primeiro-ministro.

Perante os jornalistas, o primeiro-ministro não se referiu concretamente a 1 de Janeiro como data para o fim da sobretaxa de IRS, deixando a dúvida se a sua eliminação será ou não gradual ao longo do ano.

Numa alusão a críticas que têm sido feitas pela oposição, o líder do executivo disse: "Não vale a pena estarmos a tentar virar o mundo ao contrário, porque temos estado a diminuir os impostos sobre as famílias e sobre as empresas - e isso às vezes passa por redistribuir".

"Redistribuir significa pagar menos nuns [impostos], mais em outros, mas sempre pagando menos no conjunto", completou.

De acordo com António Costa, em 2016, houve aumentos "marginais de alguns impostos indirectos, mas protegendo e prevenindo a competitividade da economia portuguesa".

"Tendo havido um aumento dos impostos sobre produtos petrolíferos, o Governo protegeu as empresas que utilizam os transportes para a sua actividade. Estamos a procurar um maior equilíbrio na distribuição, tendo em vista a existência de uma maior justiça fiscal", defendeu o primeiro-ministro.

Ou seja, de acordo com o primeiro-ministro, no balanceamento da tributação, é preciso desagravar a tributação sobre o trabalho em relação a impostos especiais.

"Temos procurado compensar a diminuição de algumas receitas, com o aumento de outras receitas, mas que constituem menor pressão para cada um", acrescentou.



A sua opinião26
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 10.10.2016




PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.


comentários mais recentes
Anónimo 10.10.2016

Se o Costa garante, então já durmo descansado! Como se a palavra deste artista tivesse algum valor... para ele o conceito de justiça é tirar ao privado para dar ao público... assim assegura um bom quinhão de votos dos fiéis encostados. Miséria moral e intelectual

Paulo Coelho 10.10.2016

"Porque no te callas?"

Carlos Silva 10.10.2016

Nem ele sabe...

AMLG 10.10.2016

Também era melhor que este aldrabão não cumprisse uma vez mais uma promessa eleitoral em relação à sobretaxa. Especialmente este ano em que seria para alimentar um capricho do BE e do PCP que nem está assinado em lado nenhum. Em todo o caso, eu deste Costa espero tudo. Alguém que priveligia a sua barriga em detrimento do País está apresentado.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub