Política Costa: "Ir buscar a quem está a acumular dinheiro? Essa não é a linguagem do PS"

Costa: "Ir buscar a quem está a acumular dinheiro? Essa não é a linguagem do PS"

O primeiro-ministro é peremptório: esta não é a linguagem do PS e nem a "ordem de prioridade" que o partido tem. Na entrevista ao Público, cuja segunda parte é hoje publicada, António Costa demarca-se assim da polémica Mariana Mortágua.
Costa: "Ir buscar a quem está a acumular dinheiro? Essa não é a linguagem do PS"
Negócios 04 de Outubro de 2016 às 11:23

"Há uma preocupação comum, certamente subjacente a essas palavras e que partilhamos. É necessário uma maior justiça fiscal", porém, "nem essa é a linguagem do PS, nem é essa a ordem de prioridade que temos". O primeiro-ministro comenta, desta forma, a afirmação de Mariana Mortágua que, a propósito da criação de um novo imposto sobre o património imobiliário, disse recentemente que "do ponto de vista prático, a primeira coisa que temos de fazer é perder a vergonha de ir buscar a quem está a acumular dinheiro". Costa, diz, não concorda.

 

Numa entrevista ao Público, cuja segunda parte é publicada esta terça-feira, 4 de Setembro, o primeiro-ministro lembra que o país tem uma carga fiscal que incide "de forma desproporcionada" sobre os rendimentos do trabalho e que, se é certo que "quem ganha mais deve pagar mais", também "os rendimentos do trabalho devem ser aliviados em detrimento de outras fontes de rendimento.

 

E é aí, diz, que surge o novo imposto sobre o património mobiliário que, no entanto, não deverá ser "um desincentivo ao mercado do arrendamento ou uma penalização dos proprietários nas suas casas de morada".

 

A medida, garantiu, "irá existir e virá para o orçamento". Já sobre as declarações de Mortágua, que acabou por ser quem mais deu a cara na defesa  do novo imposto, o primeiro-ministro sublinha que no Governo e nos partidos que o suportam no Parlamento, "não falamos por todos". Antes, "cada um fala por si e pelo seu próprio partido".

 

Esta solução governativa, sublinha, "não exige a ninguém que revogue o que é irrevogável. Cada um pode estar confortável na sua própria identidade, respeitando as diferenças".  É, afinal, "a solução que temos e a solução, certamente, que perdurará enquanto der resultados positivos".

 

Na entrevista António costa afasta ainda qualquer necessidade de uma remodelação no Governo e, a propósito do caso das viagens da Galp, dá o caso como encerrado. "Foi um episódio  que passou e que não deixará marcas no futuro".




A sua opinião76
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 04.10.2016


Comemorações Oficiais

FP – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES DO PRIVADO


AS PENSÕES DOURADAS DA CGA

As reformas mais antigas são as mais elevadas porque tiveram fórmulas mais favoráveis.
São também aquelas em que as pessoas se reformaram/aposentaram com menos idade.
Por isso devem ter os maiores cortes.

Ex: Muitas pessoas reformaram-se/aposentaram-se com 36 anos de descontos e 54 de idade.
Ou seja, muitas dessas pessoas vão estar mais anos a receber a pensão, do que os anos que trabalharam e descontaram.
Basta que vivam até depois dos 90 anos, o que se verifica com cada vez mais pessoas.

Pergunta: Estas pessoas fizeram descontos suficientes para terem a pensão que recebem?

Resposta: Não, nem para metade.

comentários mais recentes
O saque OE 2017 04.10.2016

"E evidente foi da mortagua e do euclides.O PS vai lixar o Z"E de outra forma com o palavredo do costume,Sondagens a subir j'a foram

cleoptra 04.10.2016

concluindo e resumindo ir'a haver imposto qual porque lhe pode saltar a ministra das financas em cima. prox autarquicas cresce a abstencao ou como nos outros paisesed da europa a votacao nos partidos de extrema direita encapotada

cleoptra 04.10.2016

concluindo e resumindo ir'a haver imposto qual porque lhe pode saltar a ministra das financas em cima. prox autarquicas cresce a abstencao ou como nos outros paisesed da europa a votacao nos partidos de extrema direita encapotada

O escurinho tem de tratar bem as 2 muletas! 04.10.2016

O tição Costa depois de desferir uma facada traiçoeira no Seguro, ascendeu a PM de uma forma estranha, foi um perdedor, anda agora a dizer q a linguagem da Mariana Mortágua não é a do PS! Calado pq senão vai de carrinho! Tem apoio de 2 muletas uma esquerda gourmet, e a outra esquerda retrógrada!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub