Orçamento do Estado Costa prefere olhar para o emprego em vez da economia

Costa prefere olhar para o emprego em vez da economia

No debate quinzenal, Passos acusou Costa de viver em ficção e diz que o país não pode "levar a sério" este primeiro-ministro. Costa desdramatizou crescimento económico mais baixo e centra as atenções na descida da taxa de desemprego.
Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar / Negócios Miguel Baltazar / Negócios Miguel Baltazar / Negócios Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 14 de outubro de 2016 às 11:12
O primeiro-ministro, António Costa, destacou esta sexta-feira a evolução do mercado de trabalho e desdramatizou o facto de a economia crescer menos do que o previsto pelo Executivo. No dia em que o Governo entrega o Orçamento do Estado para 2017, onde revê em baixa as previsões de crescimento do PIB para 2016 e 2017, o líder da oposição, Pedro Passos Coelho, acusou Costa de viver uma "ficção" e defendeu que "o país não pode levar a sério nem um primeiro-ministro nem um Governo que falseia a realidade". 

O debate quinzenal que decorre no Parlamento arrancou com uma troca de acusações entre Costa e Passos, com o líder do PSD a perguntar ao Governo por que motivo a economia vai crescer menos do que o previsto. O chefe do Executivo argumenta com a revisão em baixa das projecções do Fundo Monetário Internacional (FMI) para explicar uma subida do PIB de 1,2% este ano, em vez dos 1,8% previstos inicialmente pelo Executivo.

Costa acrescenta que o investimento empresarial no primeiro semestre está a crescer 7,7%, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), mas desdramatiza a revisão em baixa do crescimento económico para o conjunto do ano, e que deverá fazer parte do cenário macroeconómico do Orçamento do Estado aprovado quinta-feira, 13 de Outubro.

"Apesar do crescimento ser menor estamos a cumprir o principal objectivo de política económica que, relembro, era emprego, emprego, emprego", afirmou o primeiro-ministro. No cenário macroeconómico incluído no Orçamento do Estado, o Governo vai rever em baixa a previsão de taxa de desemprego para este ano e o próximo (quando deverá chegar a 10,4%) em relação aos valores projectados em Abril, quando o Governo apresentou o Programa de Estabilidade.  

Na resposta, Passos Coelho acusou o primeiro-ministro de não responder à questão, ou porque "não sabe" ou porque "não quer". O presidente do PSD acrescenta que o argumento da conjuntura externa não colhe e dá o exemplo de Espanha que está a crescer mais do que no ano passado, com a mesma conjuntura externa. Além disso, Passos contrapõe que o desemprego "não é um indicador avançado da economia", mas antes "um eco do passado".

Passos ainda lembrou que as taxas de juro da dívida a 10 anos estão mais altas em Portugal do que em Espanha, o que Costa justificou com a falta de estabilidade do sistema financeiro herdado do Governo anterior.

"Não vale a pena queixar-se muito da herança porque foi o senhor que a quis agarrar. Quando quiser comparar a situação da banca tenho muito prazer em fazer esse debate", disse Passos.




A sua opinião34
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Isabel Barbosa 14.10.2016

Sem economia não há emprego.

comentários mais recentes
Antonio Sousa 14.10.2016

https://m.facebook.com/mariogoncalvesoficial/photos/a.133488527012369.1073741828.133451870349368/317229665304920/?type=3&source=48

Luis Baptista 14.10.2016

Que grande burro. A economia é que cria empregos.

Jorge Santos 14.10.2016

O banhadas no seu melhor.

João Cerqueira 14.10.2016

E quem vai criar emprego? Vamos todos trabalhar para o Estado?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub