Economia Costa: "Temos a obrigação de comemorar as grandes datas nacionais com sentido patriótico"  

Costa: "Temos a obrigação de comemorar as grandes datas nacionais com sentido patriótico"  

O primeiro-ministro defendeu esta segunda-feira que a reposição dos quatro feriados nacionais, suspensos em 2012, foi um acto de "pedagogia cívica" e não baseado em facilitismo ou populismo político, advertindo que só há futuro com memória histórica colectiva.
A carregar o vídeo ...
Lusa 28 de março de 2016 às 14:47

Palavras proferidas por António Costa na Sociedade Histórica da Independência de Portugal, em Lisboa, numa cerimónia de referenda da lei que restabelece quatro feriados nacionais, dois civis (5 de Outubro e 1.º de Dezembro) e dois religiosos (Corpo de Deus e Todos dos Santos) suspensos pelo anterior executivo no âmbito do Programa de Assistência Económica e Financeira a Portugal (PAEF).

 

Na presença do duque de Bragança, Duarte Pio, e após os discursos do presidente da Sociedade Histórica da Independência de Portugal, José Alarcão Troni, e do coordenador do Movimento do 1.º de Dezembro de 1640, o ex-presidente do CDS-PP José Ribeiro e Castro, António Costa defendeu a tese de que nunca os valores históricos, resultantes da memória histórica colectiva, podem subalternizar-se perante valores conjunturais ou mesmo "efémeros".

 

"Há princípios, valores e acontecimentos fundamentais cuja memória e celebração não podem estar à mercê de cálculos ocasionais, de impulsos ideológicos e de fins propagandísticos, mesmo quando se apresentam sob argumentos que os dissimulam ou disfarçam. É, aliás, esta a raiz de muitos e graves problemas do nosso tempo: A subordinação de valores perenes a interesses efémeros, a confusão entre o essencial e o acessório, a desvalorização do simbólico. A política faz-se com pragmatismo, mas, antes disso, faz-se com valores e princípios em que nos revemos e reconhecemos", acentuou o primeiro-ministro, tendo a ouvi-lo os ministros da Cultura, João Soares, e da Defesa, Azeredo Lopes.

 

Na sua intervenção, o primeiro-ministro salientou que a decisão de repor os feriados não se deveu a "facilitismo" ou por ambição de popularidade fácil do ponto de vista político.

 

"Pelo contrário, foi em nome do futuro que o fizemos e com a profunda convicção de que celebrar as grandes datas da nossa história não é desperdiçar recursos, mas investir no futuro e criar valor para os vindouros", contrapôs.

 

Para António Costa, a reposição dos feriados nacionais "é justa e necessária" em termos de futuro do país e de preservação da identidade nacional.

 

"É por isso que o restabelecimento destes feriados deve ser um acto de pedagogia cívica. Temos a obrigação de comemorar as grandes datas nacionais com sentido patriótico, atitude contemporânea e capacidade de mobilizar e unir os portugueses", disse.

 

António Costa defendeu mesmo que "não há continuidade nacional, nem passagem de testemunho, nem comunidade participada, nem democracia enraizada, nem renovação de gerações sem consciência e sem memória colectivas".

 

"Temos de saber que Portugal não começou connosco, nem vai acabar connosco. Não há construção de um futuro melhor para todos sem alicerces firmes e sem fundamentos sólidos", acrescentou.

 

Numa crítica aos argumentos económico-financeiros que estiveram na origem da suspensão dos quatro feriados nacionais, António Costa advogou que "há valores permanentes acima das conveniências conjunturais".

 

"Ao restabelecer estes feriados, estamos a afirmar que a História, a memória, a cultura e a identidade de Portugal não são valores efémeros, dispensáveis, instrumentais ou secundários que possam ser depreciados, transaccionados ou esquecidos em nome de considerações circunstanciais ou de propósitos imediatistas ou utilitaristas", declarou.

 




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado genio2 28.03.2016

Quando é comemorado a 4ª banca rota?

comentários mais recentes
Anónimo 29.03.2016

Pois e acho bem também comemorarem o dia em que a TROIKA chegou para nos salvar da bancarrota em 2011 , mas já agora espera-se pela proxima , que vai ter o PR na cerimonia

Malaquias 29.03.2016

Pois e' oh Toninho.
O pai's nao vive de datas, mas sim de factos e o facto e' que sobrevive falido, e nao me parece que tu nem os outros tem intencao de o por a viver!
Essa sim seria uma medida de patriotismo!

Ghandif 29.03.2016

Folclore, isso sim, de banha da cobra

Anónimo 28.03.2016

Acho melhor (para não falir-mos) acabar com os fins de semana, férias, trabalhar 16 horas por dia e se não chegar pagar em géneros ou acabar com alguns portugueses. Talvez assim a direita mais retrograda fique satisfeita, ou não.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub