Zona Euro Credores deixam Atenas sem terem conseguido acordo com o Governo

Credores deixam Atenas sem terem conseguido acordo com o Governo

Os credores da Grécia abandonaram esta terça-feira Atenas sem terem conseguido um acordo com o Governo sobre a segunda avaliação do plano de resgate, complicando a hipótese da conclusão das negociações antes do Eurogrupo de 5 de Dezembro, como Atenas desejava.  
Credores deixam Atenas sem terem conseguido acordo com o Governo
Bloomberg
Lusa 22 de Novembro de 2016 às 14:33

As negociações entre ambas as partes prolongaram-se até de madrugada sem acordo em relação à reforma laboral, à liberalização do mercado energético e ao cumprimento dos objectivos orçamentais para 2018.

 

Segundo informaram fontes governamentais, o objectivo do Executivo continua a ser conseguir um acordo antes de 5 de Dezembro e as negociações continuarão por teleconferência entre os técnicos do executivo e dos credores - Comissão Europeia (CE), Banco Central Europeu (BCE), Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEDE) e Fundo Monetário Internacional (FMI).

 

Fontes do Executivo grego afirmaram que nos próximos dias poderia haver um acordo sobre o mercado da energia e o cumprimento dos objectivos orçamentais para 2018, mas sublinharam que a reforma laboral continua a ser o ponto de discórdia entre as partes.

 

O Governo quer restabelecer os convénios colectivos, eliminados no segundo programa de resgate da Grécia em 2012, uma das principais promessas eleitorais do primeiro-ministro, Alexis Tsipras, e evitar uma maior liberalização dos despedimentos colectivos e a restrição do direito à greve.

 

Por outro lado, os representantes dos credores opõem-se ao restabelecimento da negociação colectiva e também insistem na necessidade de impor uma maior flexibilidade no mercado de trabalho.

 

A posição governamental ficou muito debilitada na segunda-feira depois de a Associação de Empresas e de Indústria (SEV) - a associação patronal das grandes empresas - se ter retirado do bloco que formava com sindicatos e representantes das pequenas e médias empresas (PME) em defesa dos convénios colectivos e contra uma maior liberalização das relações laborais.

 

Numa reunião da ministra do Trabalho grega com as organizações patronais, a SEV posicionou-se ao lado dos representantes dos credores. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 1 semana

ESTES GREGOS SÃO MESMO BONS

CADA VEZ MAIS ENTERRADOS

... E INSISTEM EM BATER COM A CABEÇA NA PAREDE

pub