Europa Crescimento da economia alemã deverá abrandar para 1,4% este ano

Crescimento da economia alemã deverá abrandar para 1,4% este ano

O governo alemão espera que o Produto Interno Bruto (PIB) do país cresça 1,4% este ano, depois de ter registado um crescimento de 1,9% em 2016, segundo o relatório económico anual aprovado hoje pelo Conselho de Ministros.
Crescimento da economia alemã deverá abrandar para 1,4% este ano
Lusa 25 de janeiro de 2017 às 12:39

O ministro da Economia, Sigmar Gabriel, afirmou que a diminuição do crescimento é um efeito de haver menos dias laborais em 2017 do que no ano passado.     

 

O relatório também afirma que houve um aumento do emprego no ano passado. O número de pessoas com trabalho registou um acréscimo de 1,5 milhões para se cifrar em 43,5 milhões e a taxa de desemprego, de 6,1%, foi a mais baixa desde a reunificação alemã em 1989.

 

Desde 2013, quando começou a legislatura, os salários líquidos registaram um aumento médio anual de 1,5%.

 

Gabriel sublinhou que a introdução do salário mínimo para todas as profissões melhorou os rendimentos de cerca de quatro milhões de trabalhadores.

 

O ministro advertiu que, apesar do bom desenvolvimento da economia, é necessário renovar os esforços para fazer frente a uma série de mudanças tecnológicas, comentando a propósito que "não se pode pensar só em poupar".

 

"Só teremos perspectivas de futuro com um pacto de investimento amplo e valente", afirmou Gabriel.

 

Por isso, no orçamento de 2017 está contemplado um aumento de um terço no investimento, que deverá alcançar 36.100 milhões de euros.

 

O governo alemão também espera que haja um aumento moderado do investimento privado, que pode ser travado pela incerteza existente no panorama internacional.

 

"O comércio internacional pode ser travado por correntes proteccionistas. Isso turva as perspectivas das exportações e com isso a disposição de investir das empresas", refere o relatório. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub