Zona Euro Crescimento da economia francesa acelerou no final de 2016

Crescimento da economia francesa acelerou no final de 2016

A economia francesa cresceu 0,4% no último trimestre do ano passado, impulsionada sobretudo pela evolução positiva dos gastos das famílias. Ainda assim, França fica aquém da Alemanha e Espanha, no conjunto do ano.
Crescimento da economia francesa acelerou no final de 2016
Bloomberg
Rita Faria 31 de janeiro de 2017 às 08:03

O PIB de França cresceu 0,4% no último trimestre de 2016, depois de ter subido 0,2% nos três meses anteriores, revelou esta terça-feira, 31 de Janeiro, o gabinete estatístico nacional (Insee).

O crescimento da segunda maior economia europeia foi impulsionado pela evolução positiva dos gastos das famílias e do investimento das empresas. Segundo os dados do Insee, a procura interna contribui em 0,6 pontos percentuais para a subida do PIB e o comércio externo em 0,1.

No conjunto do ano, a economia francesa cresceu 1,1%, um valor que compara com as subidas de 3,2% do PIB de Espanha e de 1,9% do PIB alemão. Os dados relativos à evolução do PIB da Zona Euro serão revelados esta manhã pelo Eurostat. 

 

"Apesar dos riscos políticos globais, 2017 começa com boas condições económicas", afirmou o ministro das Finanças, Michel Sapin, num comunicado citado pela Bloomberg.

Apesar de o crescimento ter acelerado no final do ano passado, a taxa de desemprego em França continua presa aos 10%, muito acima da taxa de cerca de 6% registada na Alemanha. As dificuldades ao nível da criação de emprego e o crescimento lento da economia contribuíram para a decisão de François Hollande de não tentar a reeleição.  A primeira volta das eleições presidenciais de 2017 está agendada para 23 de Abril e a segunda para 7 de Maio. 


(Notícia actualizada às 08:42)




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

https://goo.gl/forms/UTRRJmvQHDnvfxlG2

Obrigado!

pub