Zona Euro Crescimento da Zona Euro acelera para máximos do ano

Crescimento da Zona Euro acelera para máximos do ano

O índice PMI para a indústria e serviços cresceu para o nível mais elevado desde Dezembro. Segundo a IHS Markit, os dados apontam para um crescimento do PIB de 0,4% no quarto trimestre.
Crescimento da Zona Euro acelera para máximos do ano
Reuters
Rita Faria 23 de Novembro de 2016 às 10:56

O crescimento económico da Zona Euro acelerou para o ritmo mais elevado deste ano, com a subida das encomendas a levar as empresas a contratar mais trabalhadores e a subir preços.

 

O índice PMI, que mede a evolução da indústria e dos serviços, subiu de 53,3 pontos, em Outubro, para 54,1 pontos, em Novembro, segundo os dados revelados esta quarta-feira, 23 de Novembro, pela IHS Markit. A leitura preliminar deste mês é a mais elevada desde Dezembro do ano passado.

 

Segundo a IHS Markit, as leituras do PMI até agora para o quarto trimestre apontam para um crescimento do PIB de 0,4%, liderado por uma recuperação do crescimento alemão para 0,5%. França também vive o seu melhor período desde o início do ano, com as leituras do PMI a sinalizarem um crescimento do PIB de 0,2 a 0,3% no quarto trimestre.

 

"Cada vez mais empresas estão a aumentar a sua capacidade em resultado da subida das encomendas, levando ao maior aumento no emprego desde a crise financeira global", afirma Chris Williamson, economista-chefe da IGH Markit, em comunicado.  

 

Já ontem foi revelado que os níveis de confiança dos consumidores da Zona Euro aumentaram em Novembro para o nível mais alto desde o início do ano, batendo as expectativas dos analistas.

Os dados da primeira leitura, divulgados pela Comissão Europeia, apontam para que o indicador tenha ficado nos -6,1 pontos face a Outubro, uma recuperação de 1,9 pontos, quando os analistas esperavam uma queda para -7,8.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub