Américas Criação de emprego acelera e taxa de desemprego sobe no primeiro mês de Trump

Criação de emprego acelera e taxa de desemprego sobe no primeiro mês de Trump

Apesar da subida da taxa de desemprego para 4,8%, a criação de postos de trabalho em Janeiro atingiu o nível mais alto dos últimos quatro meses, acima do esperado pelos economistas.
Criação de emprego acelera e taxa de desemprego sobe no primeiro mês de Trump
Reuters
Rita Faria 03 de fevereiro de 2017 às 14:00

A taxa de desemprego nos Estados Unidos subiu de 4,7%, em Dezembro, para 4,8% em Janeiro, quando os economistas apontavam para uma estabilização.

 

No entanto, a criação de postos de trabalho no sector público e privado excedeu as estimativas, atingindo o nível mais elevado dos últimos quatro meses. De acordo com os dados revelados esta sexta-feira, 3 de Fevereiro, pelo Departamento do Trabalho, foram criados 227 mil postos de trabalho em Janeiro, um valor acima das estimativas dos economistas consultados pela Reuters que apontavam para 175 mil.

 

No mês anterior (Dezembro de 2016) a maior economia do mundo criou 157 mil empregos.

 

A taxa de participação - que mostra a proporção de pessoas em idade activa que estão na força de trabalho – subiu de 62,7%, em Dezembro, para 62,9%, o nível mais alto em quatro meses. A taxa de participação tem estado próxima de mínimos de mais de três décadas.

 

Já o crescimento do valor dos salários abrandou em Janeiro. A subida foi de 2,5%, depois do aumento de 2,8% no mês anterior.

 

"Não vimos realmente a aceleração significativa no crescimento dos salários que antecipávamos, tendo em conta que estamos tão próximos do pleno emprego", afirmou Ryan Sweet, economista da Moody’s, citado pela Bloomberg. "Acho que [esse aumento] vai chegar, só vai demorar um pouco mais de tempo". 

Os dados conhecidos esta sexta-feira são os primeiros números do emprego da era Trump (ainda que o presidente só tenha tomado posse a 20 de Janeiro) que, durante a campanha, prometeu criar 25 milhões de novos postos de trabalho nos próximos dez anos.


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 03.02.2017

O Trump nao esta' a fazer milagre nenhum! para governar bem criando empregos e enriquecendo o pais e' o dr; costa

comentários mais recentes
Anónimo 07.02.2017

Este exemplo de Trump vai ser seguido por toda a Europa com a excepcao dos dois mais BURROS!!

Carlos Toti 03.02.2017

O mérito deve ser dado a quem o merece, a administração do Obama. O Trump - como refere - tomou posse nem há um mês. Sim, estes são os “os primeiros números do emprego da era Trump”, mas tem a obrigação - de boa jornalista - de acrescentar que estes números são o resultado da administração anterior.

Anónimo 03.02.2017

O Trump nao esta' a fazer milagre nenhum! para governar bem criando empregos e enriquecendo o pais e' o dr; costa

pub
pub
pub
pub