Função Pública Criação de emprego no Estado acelera

Criação de emprego no Estado acelera

O número de trabalhadores das administrações públicas cresceu 1% em termos homólogos no primeiro trimestre deste ano. Salários totais estão a crescer ou a recuperar 3,7%. Mário Centeno comprometeu-se em Bruxelas a reduzir funcionários.
Criação de emprego no Estado acelera
Bruno Simão/Negócios
O emprego no Estado voltou a crescer no primeiro trimestre deste ano: aumentou 1% em termos homólogos, um ritmo que iguala o valor mais alto da série que começa em Dezembro de 2011.

Os dados divulgados esta segunda-feira, 15 de Maio, pela Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público, revelam que há agora 669 mil trabalhadores ou funcionários do Estado, o que face ao trimestre anterior também representa um aumento de 0,8%, "em particular no Ministério da Educação e no sector empresarial do Estado".

Este aumento é reflexo da contratação de trabalhadores, em particular docentes para os estabelecimentos de educação e de ensino básico e secundário do Ministério da Educação e de médicos e enfermeiros nos estabelecimentos de prestação de cuidados de saúde", entidades públicas empresariais e centros de saúde, justifica a entidade tutelada pelo Ministério das Finanças e da Administração Pública.

Numa altura em que o Governo lança um programa para a resolução de situações precárias, os contratos a prazo voltam a aumentar 5,1% em termos homólogos, embora a um ritmo inferior ao registado em trimestres anteriores

Entre 2011 e 2015 o emprego no Estado caiu mais de 10%, mas os últimos sete trimestres já revelam subidas homólogas.

O Governo comprometeu-se em Bruxelas a reduzir o número de funcionários públicos, ainda que a um ritmo mais lento. No ano passado o objectivo não foi cumprido.

A dificultar a redução de pessoal está o facto de as aposentações continuarem a um nível historicamente baixo.

Salários pagos aumentam em média 3,7%

Ao mesmo tempo, o vencimento médio da administração pública – lida através do chamado "ganho", que além da remuneração base inclui suplementos – está a registar um aumento de 3,7%, o que será em parte explicado pela anulação dos cortes salariais.

De acordo com a DGAEP, para a evolução deste valor médio, relativo a Janeiro, também contribuiu a "entrada e saída de trabalhadores com diferentes níveis remuneratórios".

Em causa estão os salários brutos, o que não tem em conta os impostos, descontos para a CGA, para a Segurança Social e para a ADSE.

(Notícia actualizada com mais informação às 18:05)


A sua opinião24
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Com este governo só se fala em contratar para a vida no Estado e nunca se fala em despedir onde a existência do posto de trabalha já não se justifica. Todas as empresas e governos por esse mundo desenvolvido fora, contratam quando e onde precisam e despedem quando e onde precisam. Portugal não tem gestão de recursos humanos, só resgates e dívidas que não conseguirá pagar.

comentários mais recentes
IS Há 1 semana

Do grupo dos não registados a pessoa que no campo nome usa "Y" evidencia o mesmo nível de iliteracia.

IS Há 1 semana

Invulgar a criação de emprego do governo do Dr António Costa em tempo eleitoral.

IS Há 1 semana

O ignorante que no campo nome escreve "Ó Valha-nos Santa Ingrácia . . . ." tem uma competência comunicativa medíocre e dificuldades várias na expressão escrita.

Anónimo Há 1 semana

Catarina, repare, a Statoil é Norueguesa. A Statoil é uma empresa estatal. O país é rico e desenvolvido. Mas só é rico e desenvolvido por é bem gerido, senão seria pobre. Podiam manter funcionários a fazerem de conta que eram muito necessários ainda que o seu posto de trabalho já não se justificasse. Podiam. Mas como querem continuar a ser ricos e desenvolvidos e sabem que isso só é possível num clima de equidade e sustentabilidade generalizadas, despediram funcionários na empresa estatal a par com os que foram despedidos no sector privado dadas as condições de mercado porque seria iníquo e pernicioso mantê-los por mero decreto eleitoralista. "Since the start of 2014, almost 30,000 jobs have been cut in the oil sector, including at oil and gas giant Statoil." https://www.thelocal.no/20160127/norways-oil-wealth-an-enviable-nest-egg-in-hard-times

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub