Justiça Crimes averiguados na EDP em risco de prescrição

Crimes averiguados na EDP em risco de prescrição

O prazo para prescreverem os crimes de corrupção e participação económica em negócio é de 15 anos. Segundo relata o CM, a investigação esteve seis anos parada no DCIAP e na Polícia Judiciária.
Crimes averiguados na EDP em risco de prescrição
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 05 de junho de 2017 às 10:08

Os factos em apreciação aconteceram em 2007. A denúncia que envolve o grupo EDP foi feita em 2012. Até 2015 esteve parada no Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP). E nos dois anos que se seguiram também acabou por ficar "na gaveta" da Polícia Judiciária, uma vez que a equipa que tinha este processo foi chamada para reforçar a investigação no processo Marquês.

 

Esta sucessão de datas, noticiadas pelo CM esta segunda-feira, 5 de Junho, faz com que ainda esteja numa "fase muito embrionária" a investigação judicial que levou a que António Mexia e João Manso Neto fossem constituídos arguidos. E como o prazo de prescrição para os crimes que estão em averiguação – corrupção activa, corrupção passiva e participação económica em negócio – é de 15 anos, "dificilmente conseguirá transitar em julgado sem que os crimes prescrevam".

 

A salvaguarda à remuneração futura de dezenas de centrais da EDP, cujos contornos finais ficaram decididos em 2007, é o motivo para a investigação judicial que envolve os líderes do grupo do sector eléctrico e também Pedro Furtado, administrador da REN, e João Conceição, que esteve até esse ano na consultora BCG e que apoiou, nos dois anos seguintes, o Ministério da Economia de Pinho em "questões de política energética", tendo depois ido para a administração da REN.


Como indiciou o DCIAP, responsável pelos dossiês de maior complexidade económica no Ministério Público, na passada sexta-feira, a EDP, a REN e a consultora BCG foram alvo de buscas e de recolha de documentação devido a um inquérito que "tem como objecto a investigação de factos subsequentes ao processo legislativo bem como aos procedimentos administrativos relativos à introdução no sector eléctrico nacional dos Custos para Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC)".


A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Energia eléctrica mais cara da União Europeia e a quarta maior dívida pública do mundo em percentagem do PIB, que a economia não tem meios sustentáveis para pagar, são resultado da mentalidade anti-mercado que assolou todos os meandros da sociedade portuguesa. Há beneficiários desta situação e há vítimas. Mas no final todo o país ficará a perder.

comentários mais recentes
policia e gnr velhinhos 60 anos reformados S/corte Há 2 semanas

em portugal quem não chora não mama

outros basta fazer um pouquinho de chantagem com greves, seco e molhados, bla , bla

Sr juizes levaram aumento de 1.000€ ha 2 anos atras

OS TUGAS MANSOS QUE TRABALHEM ATE AOS 66 ANOS E 4 MESES

VIVA A DISCRIMINAÇÃO

Mr.Tuga Há 2 semanas

E querem estes tipos (juizes e magistrados) AUMENTO SALARIAL ?!?!?!?!?!!!?!?!?!!?!?!?!?!?!?!?!?!?!?!?!?!?!?!?!?!?

VERGONHA DE SITIO ATRASADO!

Anónimo Há 2 semanas

Portugal foi transformado num The Planet of the Apes pelas iníquas e insustentáveis forças anti-mercado.

Anónimo Há 2 semanas

Energia eléctrica mais cara da União Europeia e a quarta maior dívida pública do mundo em percentagem do PIB, que a economia não tem meios sustentáveis para pagar, são resultado da mentalidade anti-mercado que assolou todos os meandros da sociedade portuguesa. Há beneficiários desta situação e há vítimas. Mas no final todo o país ficará a perder.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub