Angola Crise angolana fecha negócios de envio de remessas para o estrangeiro

Crise angolana fecha negócios de envio de remessas para o estrangeiro

As dificuldades cambiais que afectam Angola provocaram o encerramento de grande parte das empresas especializadas no envio de remessas de dinheiro para o exterior que funcionavam em Luanda, por dificuldades no acesso a divisas devido à crise do petróleo.
Crise angolana fecha negócios de envio de remessas para o estrangeiro
Reuters
Lusa 11 de fevereiro de 2017 às 10:15

A situação foi constatada pela Lusa numa ronda ao longo dos últimos dias pelas empresas que antes funcionavam em toda a capital angolana e que na sua generalidade estão agora encerradas, enquanto as restantes colocam fortes limitações aos clientes.

É o caso da Ken-Câmbios, localizada nas imediações do aeroporto internacional de Luanda, uma das poucas que ainda está em funcionamento. Contudo, como explicou à Lusa um dos seus técnicos, o envio de remessas ao exterior está condicionada, apesar da forte procura diária.


A empresa apenas faz remessas mensais para cerca de 50 clientes, um processo que ocorre em função da ordem de chegada e disponibilizando apenas 57.000 kwanzas (322 euros) por cliente.


"Trabalhamos assim porque estamos dependentes do banco nacional, que é o nosso fornecedor. A procura cresce, mas não temos muita margem de manobra", explica o mesmo funcionário.


Este tipo de empresa são utilizadas por cidadãos angolanos e estrangeiros para, entregando moeda nacional (kwanzas) garantir o envio de remessas para o exterior, na forma de divisas, nomeadamente para apoio familiar.


A Rucâmbios, uma outra empresa que se dedicava ao envio de divisas, que funcionava em Luanda, deixou de fazer remessas "por falta de plafond do seu fornecedor", no caso a Moneygram, tal como informou à Lusa um dos técnicos de serviço.


De acordo com dados reunidos pela Lusa, apesar das dificuldades e do encerramento da actividade de várias representações do género na capital angolana desde o agravamento da crise financeira, económica e cambial, o Banco Nacional de Angola vendeu a estas empresas 13,5 milhões de euros em divisas só em 2017.


A última dessas vendas, no valor de 4,5 milhões de euros, aconteceu na semana de 23 a 27 de Janeiro.


Sem acesso a empresas para enviar remessas de dinheiro, seja através destas empresas ou aos balcões dos bancos comerciais, a solução para muitos passa pelo recurso ao mercado paralelo, onde comprar um dólar chega a custar o triplo da taxa de câmbio oficial em Angola.


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 11.02.2017

2 coisas sao o barometro da economia dum pais:a construcao civil e o petroleo.A construcao porque arrasta atraz de si 1 aglomerado de bens q vai desde a mobilia ate a simples planta no jardim.O petroleo porque poe o motor do pais em funcionamento.Alternativas cada vez mais acentuadas ao p dx a rasca

Anónimo 11.02.2017

Mas o mercado negro (paralelo) esta abastecido de dolares!...
Porque?
Quem ganha dinheiro com isto?
Quem abastece este Mercado?

pub