Política Cristas acusa Governo de opacidade na eventual entrada da Santa Casa no Montepio

Cristas acusa Governo de opacidade na eventual entrada da Santa Casa no Montepio

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, acusou hoje o Governo de opacidade na eventual entrada da Santa Casa de Lisboa no Montepio, sublinhando que se trata de dinheiro público e deve ser salvaguardado o interesse dos contribuintes.
Cristas acusa Governo de opacidade na eventual entrada da Santa Casa no Montepio
Miguel Baltazar
Lusa 05 de junho de 2017 às 13:50

"Aquilo que sentimos é uma grande opacidade, falta de explicações dadas nesta matéria, além do mais, sem se explicar às pessoas que a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa só no nome é que é semelhante às outras Santas Casas. A Santa Casa de Lisboa pertence ao Estado, pertence ao Ministério da Solidariedade", afirmou Assunção Cristas aos jornalistas, durante uma visita a uma feira alimentar em Lisboa.

 

A líder centrista sublinhou que "aquilo que se está aqui a tratar é se o Estado, através da Santa Casa da Misericórdia, vai ou não meter dinheiro no Montepio".

 

"Isso é preciso ser explicado, com toda a transparência, que montantes estamos a falar, porquê, como é que se salvaguarda os interesses dos contribuintes portugueses. É preciso que as explicações sejam dadas e o parlamento é o local certo", sustentou.

 

Assunção Cristas disse que "o CDS foi o primeiro partido a pedir explicações ao ministro da Solidariedade, que deu algumas explicações no parlamento, porém, não conseguiu justificar as questões de fundo que levariam a Santa Casa a entrar no Montepio".

 

"A sensação que fica para todos nós é que não há propriamente uma vantagem do lado da Santa Casa, há uma necessidade do lado do Montepio. Se é assim, é preciso que tudo seja absolutamente explicado, tudo seja esclarecido, e não se podem fazer as coisas debaixo do tapete", argumentou.

 

Hoje, o Jornal de Negócios adianta que "a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa está mais perto de investir no Montepio" e que "estão a ser feitas diligência, com a ajuda de consultores", para se perceber "como poderá ser feito um possível investimento na caixa económica e se o mesmo é favorável" à instituição presidida por Pedro Santana Lopes.

 

Além disso, o jornal realça o "conforto do Governo" com essa possibilidade.

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

O maior processo de substituição de factor produtivo trabalho por factor produtivo capital da história da humanidade está-se a dar no mundo desenvolvido. Certos países podem, artificialmente, de modo fantasioso e inconsequente, atrasá-lo temporariamente a nível interno decretando aumentos salariais muito acima do preço de mercado e instituindo arranjos laborais intocáveis para toda a vida. A consequência disso será o aumento insuportável do endividamento excessivo e da carga tributária, que incidirão negativamente sobre o nível e qualidade de vida de toda ou uma grande parte da população adulta actual e futura, elevando o atraso e os níveis de iniquidade e insustentabilidade nesses países para patamares indecorosos dignos dos Estados falhados do chamado Terceiro Mundo.

comentários mais recentes
LN Há 2 semanas

Não é esta que assina legislação por e-mail sem a ler ? Vai trabalhar parasita

Anónimo Há 2 semanas

O PS faliu a República e pediu um resgate internacional ao FMI e à União Europeia. O PS foi responsável por tudo. Só não quer ser responsável pelas reformas que Portugal tem de fazer para evitar cair na mesma situação ruinosa porque essas reformas vão contra o programa sindicalista e de compadrio de inspiração bolivariana do PS que se opõe claramente à equidade e sustentabilidade como elas são definidas segundo os moldes e os preceitos das economias, culturas e sociedades mais avançadas.

Olha o espelho que ele fala para ti. Há 2 semanas

Fala das offhores e de submarinos e sobreiros e do tua,o povo é sábio vais levar banhada,ex.votante do PSD com meu voto não mamas mais,vou votar geringonça são sérios,foi bênção de Deus esta geringonça.

Fachadex Há 2 semanas

Olha, Olha, a Sra. que disse que no concelho de Ministros de que fazia parte não se falava da banca e agora vem criticar, questionar e ..... O Direito ao silêncio é um ato que devia ser ensinado a todos os políticos.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub