Defesa Cristas diz que é tempo de o primeiro-ministro dar explicações sobre roubo em Tancos

Cristas diz que é tempo de o primeiro-ministro dar explicações sobre roubo em Tancos

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, pediu hoje ao primeiro-ministro que dê explicações aos portugueses sobre o furto de munições de guerra em Tancos e que apresente medidas para assegurar que tal não volta a acontecer.
Cristas diz que é tempo de o primeiro-ministro dar explicações sobre roubo em Tancos
.
Lusa 02 de julho de 2017 às 19:55
"Creio que é altura do senhor primeiro-ministro dizer alguma coisa. Esta é uma situação muito grave do ponto de vista da segurança interna, que mina a confiança dos portugueses nas instituições do Estado e é também gravíssima do ponto de vista externo, da credibilidade externa do Governo português e de Portugal", sustentou.

À entrada para a apresentação do candidato centrista de Nelas às próximas Autárquicas, Assunção Cristas sublinhou que os portugueses estão à espera que António Costa se pronuncie sobre este assunto e que venha dizer que medidas estão a ser tomadas.

"Dizer que responsabilidades o Governo assume e que consequências é que daí retira para garantir que isto não volta a acontecer", acrescentou.

No seu entender, o primeiro-ministro coordena o Governo e tem a responsabilidade de dar tranquilidade "para dentro e para fora".

"Tem de vir falar aos portugueses e de vir falar aos nossos parceiros internacionais, que olham para Portugal e veem um país que não foi capaz de lidar com esta situação que é gravíssima. De hoje para amanhã, não sabemos onde estarão as armas, estarão em conflitos em África, estarão a ser utilizadas ou pensadas para atos de terrorismo, não sabemos", apontou.

Aos jornalistas, a líder centrista disse que ainda há poucos meses também existiu um furto de armas, numa referência ao roubo de pistolas da PSP.

"É impressionante a degradação da confiança nas instituições que tratam da nossa segurança e da nossa defesa. Isto é atacar os alicerces de um estado soberano e de direito e isso é preocupante", alegou.

Assunção Cristas disse ainda que o CDS/PP tem pedida uma audição ao ministro da Defesa, no Parlamento, que espera que tenha lugar na próxima quarta-feira.

O Exército revelou na sexta-feira que entre o material de guerra furtado na quarta-feira dos Paióis Nacionais de Tancos estão granadas foguete anticarro, granadas de gás lacrimogéneo e explosivos.

O chefe do Estado-Maior do Exército, Rovisco Duarte, anunciou no sábado que afastou provisoriamente os cinco comandantes de unidades do campo militar para não interferirem com os processos de averiguações sobre o caso.

Sobre estas demissões, Cristas referiu que ficou a dúvida se "afinal foi uma exoneração ou uma suspensão das chefias intermédias".



Saber mais e Alertas
pub