Américas Crítico do Obamacare deverá ser o escolhido de Trump para a saúde

Crítico do Obamacare deverá ser o escolhido de Trump para a saúde

Tom Price vem defendendo a criação de uma alternativa ao esquema de saúde desenhado pela administração Obama, o que vai ao encontro da intenção do presidente eleito, que em campanha prometeu substituir a lei por uma que dê mais controlo aos estados.
Crítico do Obamacare deverá ser o escolhido de Trump para a saúde
Jonathan Ernst/Reuters
Paulo Zacarias Gomes 29 de Novembro de 2016 às 08:02
O congressista Tom Price, da Geórgia, uma das vozes críticas do Affordable Care Act (ou Obamacare) deverá ser o escolhido pelo presidente eleito norte-americano, Donald Trump, para o cargo de secretário da Saúde, o equivalente a ministro.
 
De acordo com a Reuters, a decisão de Trump foi confirmada esta terça-feira por um membro da equipa de transição e por um dirigente dos republicanos.
 
Price tem defendido a implementação de créditos fiscais, contas-poupança para a saúde e alterações judiciais como alternativa ao esquema de saúde da administração Obama. Alterações que vão ao encontro das intenções do presidente eleito, que em campanha prometeu substituir a lei por uma que dê mais controlo aos estados sobre o plano Medicaid e permita às seguradoras vender planos a nível nacional.
 
Ainda assim, Trump, após um encontro com Obama, admitiu manter algumas das linhas do actual plano, nomeadamente a cobertura dos filhos nos programas de saúde dos pais até aos 26 anos de idade e impedir as seguradoras de negarem cobertura a pessoas com historial de doenças.
 
Ainda na ronda de escolhas de Trump, o Politico noticiou esta segunda-feira que o presidente eleito estará a ponderar o nome de Lou Barletta, um congressista da Pensilvânia, para secretário dos Transportes, informação ainda não confirmada.





A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub