Américas Custos do furacão Harvey poderão ser superiores aos do Katrina

Custos do furacão Harvey poderão ser superiores aos do Katrina

O governador do Texas estima que os custos com o furacão Harvey sejam superiores aos do Katrina. E estima-os entre 150 mil milhões de dólares (126 mil milhões de euros) e 180 mil milhões de dólares (150 mil milhões de euros).
Custos do furacão Harvey poderão ser superiores aos do Katrina
Reuters
Negócios com Reuters 03 de setembro de 2017 às 16:40

O governador do Texas, Greg Abbott, estimou que os custos com o furacão Harvey atinjam entre 150 e 180 mil milhões de dólares, superando os incorridos com o furacão Katrina em 2005 e do Sandy em 2012.

 

Harvey é já considerado como o mais violento furacão a atingir o Texas em 50 anos, tendo vitimado mortalmente 47 pessoas e desalojado um milhão.

 

Abbott, citado pela Reuters e que tem pedido ajuda à administração Trump para ajudar na recuperação do estado, acredita que os custos do Harvey serão maiores que os do Katrina que teve um impacto financeiro de 120 mil milhões de dólares, disse à Fox News.

 

A administração Trump já pediu ao Congresso um valor inicial de 7,85 mil milhões de dólares para acções de reconstrução, o que Abbott considera ser um valor muito baixo.

 

"É um caminho longo a cavar se vamos reconstruir a quarta maior cidade dos Estados Unidos, bem como toda a região", declarou o governador.

 

Houston ainda está sob alerta, tendo evacuado domingo milhares de pessoas no lado oriental da cidade, afectadas por cheias. A cidade ainda teve de cortar a electricidade a algumas casas este domingo, para encorajar a saída de quem se mostrou relutante em ser evacuado.

 

A Agência Ambiental emitiu, ainda, preocupação com 13 localidades cujos solos estão contaminados por anteriores instalações industriais e que foram inundadas depois do furacão e que, por isso, resultam num risco de espalharem toxinas.

 

O presidente da autarquia de Houston, o "mayor" Sylvester Turner, garantiu, por seu lado, que a cidade está a fazer progressos em várias frentes para recuperar. Em declarações à CBS, citadas pela Reuters, feitas no centro de convenções George R. Brown, lembrou que esse local chegou a albergar 10 mil pessoas e agora estava com menos de duas mil.

 

Este furacão vai ser também um desafio para Trump, que visitou Houston no sábado, elogiando o trabalho que está a ser feito.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp Há 3 semanas

Porque sera que todos os furacoes na America sao batizados,e em portugal nao recebem nome.Nos temos o REI de todos os furacoes em custo mas nao tem nome,pensem nisso.Eu dava-lhe o nome de "FURACAO TEATRO"afinal ele foi originado por gente dessa area.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub