Emprego Dar benefícios fiscais para criar emprego sai caro e não funciona

Dar benefícios fiscais para criar emprego sai caro e não funciona

A Inspecção-Geral de Finanças conclui que a medida, tal como tem sido desenhada e acompanhada, "não se revela eficaz para a criação de emprego efectivo".
Dar benefícios fiscais para criar emprego sai caro e não funciona
Miguel Baltazar/Negócios
Eva Gaspar 03 de julho de 2017 às 19:18
Conceder benefícios fiscais para a incentivar a criação de postos de trabalho reais e sustentáveis é uma medida cara que produz fracos resultados. A conclusão é da Inspecção-Geral de Finanças (IGF) que fez uma avaliação ao período de 2009/2014 sobre o benefício fiscal à criação de emprego (BFCE).

A síntese do relatório da IGF, divulgada nesta segunda-feira, 3 de Julho, sugere que os benefícios concedidos são muito permeáveis a ser desviados para fins indevidos (as irregularidades encontradas totalizam 32 milhões de euros); que saem caro aos contribuintes (por cada posto de trabalho, o Estado deixou de encaixar quase 3.400 euros); e que não se revelam eficazes para a criação de emprego efectivo, tendo sido utilizados, sobretudo, para conversão de contratos de trabalho precários.

"O BFCE não se revela uma medida eficaz para a criação de emprego, realidade mais acentuada no segmento dos desempregados de longa duração", lê-se na síntese do relatório. Segundo a IGF, os benefícios fiscais foram "maioritariamente (53%) utilizados para conversão de anteriores contratos de trabalho de natureza precária em contratos por tempo indeterminado, não assegurando uma efectiva criação líquida de emprego".

A IGF constatou ainda que existe uma grande diversidade de medidas de apoio público à criação de novos postos de trabalho e que não há articulação nem monitorização sistematizadas entre os organismos envolvidos, caso da Autoridade Tributária, do Instituto da Segurança Social e do Instituto de Emprego e Formação Profissional, o que dificulta, desde logo, "a quantificação rigorosa dos recursos públicos envolvidos e o controlo eficaz da sua utilização".

A IGF deixa várias recomendações às Autoridade Tributária, designadamente que "implemente as acções necessárias à regularização das situações de utilização indevida do BFCE" e crie uma plataforma de partilha de informação que permita o controlo eficaz de situações de indevida cumulação de benefícios (fiscais ou parafiscais) ou outros incentivos financeiros de apoio ao emprego. 

Para o ministro Mário Centeno, a Inspecção-geral do Ministério deixa uma proposta: que faça uma reavaliação do BFCE, designadamente quanto ao âmbito da sua aplicação, duração temporal, critérios de elegibilidade e delimitação das entidades beneficiárias. Ou seja, que se repense toda a medida.



A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 03.07.2017

Em Portugal não existem mercados concorrenciais. Só existe capitalismo de compadrio e sindicalismo troglodita. Depois dá nestas cenas tristes de se deitar dinheiro fora a distorcer mercados para comprar votos e vender favores políticos.

comentários mais recentes
Anónimo 03.07.2017

Então Evinha, e o Temer? Parou a propaganda? Bai mas é trabalhar noutra coisa!

FINALMENTE...EUREKA!!! 03.07.2017

Como é possível ter-se esbanjado tanto dinheiro dos contribuintes para chegar à conclusão do óbvio!!!

Anónimo 03.07.2017

Atenção: este artigo está feito de forma tendenciosa ou ignorante. O relatório do IGF refere-se apenas a um benefício fiscal em particular e não à utilização de benefícios fiscais em geral.

Anónimo 03.07.2017

Estamos entregues aos bichos depois de tantos anos a tirarem dinheiro ao estado chegam a esta conclusão, inacreditável ,governos da direita radical e P,S. que sucessivamente baixaram o I.R.C a grandes empresas com largos prejuízos para os cofres do estado , veem agora dizer que as medidas nao funci

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub