Américas Day after: o primeiro dia após as eleições dos EUA

Day after: o primeiro dia após as eleições dos EUA

A vitória de Trump nas eleições norte-americanas apanharam o mundo de surpresa. Os mercados reagiram em queda para depois terminarem o dia a recuperar. Os líderes mundiais felicitaram o vencedor. O Negócios seguiu todas as reacções do dia seguinte à inesperada vitória de Trump. .
Day after: o primeiro dia após as eleições dos EUA
Reuters

10 de Novembro de 2016 às 00:08
O Negócios encerra minuto a minuto

O Negócios termina aqui o acompanhamento ao minuto do dia que se seguiu à madrugada que confirmou a eleição de Donald Trump como próximo presidente dos Estados Unidos. Foram várias as reacções e os discursos que marcaram o dia. No entanto, esta quinta-feira continuaremos a acompanhar em www.negocios.pt as principais notícias relacionadas com a eleição de Trump. 

10 de Novembro de 2016 às 00:01
Como Al Gore também Clinton deverá ter mais votos populares… e perder

É certa a derrota de Hillary Clinton. No entanto, tendo em conta os dados apurados e as projecções dos Estados onde ainda não foram contados todos os votos, Clinton deverá vencer em número de votos populares (para garantir a eleição é preciso pelo menos 270 votos no colégio eleitoral, algo que Trump conseguiu ainda na última madrugada).

 

Assim, a antiga primeira-dama torna-se na segunda candidata presidencial em cinco eleições a não ser eleita apesar de ter recolhido mais votos do que o seu adversário. Como se sabe foi esse o caso de Al Gore nas presidenciais de 2000, em que apesar de ter superado George W. Bush no número total de votos, acabou por perder para o filho do ex-presidente dos EUA.

Nesta altura, de acordo com os dados recolhidos pelo New York Times, Clinton regista 47,7% dos votos populares face aos 47,5%. A diferença é mínima, com Clinton a liderar com uma vantagem pouco superior a 200 mil votos. 

09 de Novembro de 2016 às 23:53
Sanders diz que vitória de Trump é a derrota do "establishment"

Em comunicado publicado na página do Senado norte-americano, Bernie Sanders salienta que para vencer as eleições Trump tirou partido da "revolta de uma classe média em declínio que está farta e cansada do 'establishment' económico, político e dos media".

"As pessoas estão cansadas de trabalhar mais horas por menores salários", prosseguiu o senador do Vermont. Sanders, que foi o principal rival de Hillary Clinton pela nomeação democrata, disse estar pronto para juntamente com "outros progressistas" trabalhar com Donald Trump na procura de políticas que "melhorem a vida das famílias trabalhadoras deste país".

E na medida em que Trump opte por "políticas racistas, sexistas, xenófobas e anti-ambiente", Sanders afiança que "nos iremos opor a ele vigorosamente". 

09 de Novembro de 2016 às 23:45
Confirmado: Obama recebe Trump esta quinta-feira

A AFP adianta que agora é mesmo oficial.BarackObama vai receber esta quinta-feira, na sala oval da Casa Branca, o presidente eleitoDonaldTrump. Será uma reunião preparatória da passagem de testemunho que deverá acontecer em 20 de Janeiro próximo. 

09 de Novembro de 2016 às 23:42
Plano de acção de Trump para os primeiros 100 dias

No final de Outubro, Donald Trump anunciou, num discurso em Gettysburg, o plano de acção para os primeiros 100 dias na Sala Oval. Destacamos algumas dessas medidas:

1-    Começar por deportar "os imigrantes ilegais criminosos", "restabelecer a segurança e o Estado de Direito estabelecido pela Constituição" e ainda "suspender a "imigração vinda de regiões propensas ao terrorismo";

2-    Tornar mais fácil a vida das "classes médias" através da adopção de um corte de impostos de 35% e da redução da carga fiscal aplicada às empresas;

3-    Prometeu também cancelar os pagamentos feitos por Washington aos programas das Nações Unidas relacionados com as alterações climáticas;
4- Renegociar os acordos comerciais firmados pelos Estados Unidos (NAFTA, Parceria Trans-Pacífico) e dar indicações para que Washington passe a classificar a China como um manipulador cambial";
5- Cancelar todas as acções executivas inconstitucionais levadas a cabo pelo presidente Barack Obama.



09 de Novembro de 2016 às 23:06
Hipotético secretário da Defesa que afogamento simulado não é tortura

O senador Tom Cotton, que também é apontado como eventual escolha para secretario da Defesa de Trump, afirmou, citado pelo Guardian, que "afogamento simulado não é tortura".

Cotton considera que Trump é um "homem duro que está preparado para tomar decisões difíceis", o que sugere que para este senador o presidente eleito dos EUA poderá dar luz verde ao regresso das práticas de tortura, especialmente utilizadas na luta contra o terrorismo. 

09 de Novembro de 2016 às 22:49
Politico antecipa eventual equipa de Trump

O jornal online Politico antecipou os nomes que poderão vir a integrar a equipa governativa do presidente eleito Donald Trump. Entre os quais se destacam, como seria previsível, alguns dos nomes que apoiaram com maior convicção Trump rumo à eleição, como são os casos de Newt Gingrich, Rudy Giuliani ou Chris Christie. 

Secretário de Estado: Como potenciais sucessor de John Kerry à frente da diplomacia americana surgem os nomes de Gingrich, ex-líder da Câmara de Representantes, ou o senador Bob Corker, líder do comité de Negócios Estrangeiros do Senado. Já John Bolton, é apontado pelo Politico como o nome preferido para representar os EUA nas Nações Unidas.

Secretário do Tesouro: Para o Tesouro Trump estará a ponderar a escolha de Steven Mnuchin, co-fundador e director-executivo da Dune Capital Management e que além de ter estado 17 anos no Goldman Sachs conta ainda no currículo com passagens pelo OneWest Bank e pelo CIT Group.

Secretário da Defesa: Para esta pasta Donald Trump está a ponderar vários nomes, como o do senador Jeff Sessions, o do antigo senador Jim Talent ou ainda o de Stephen Hadley, ex-conselheiro para a Segurança Nacional. Putro nome seria o do general Mike Flynn, embora o antigo director da CIA precisasse que o Congresso lhe conferisse uma autorização especial para ocupar este cargo.

Procurador-geral: Para ocupar a função equivalente ao de ministro da Justiça o nome mais provável é o de Rudy Giuliani, antigo mayor de Nova Iorque, e um dos principais apoiantes de Trump. Outra possibilidade passaria pela escolha de Chris Christie, governador de Nova Jérsia.

09 de Novembro de 2016 às 22:05
Wall Street fecha no verde

As bolsas norte-americanas registaram quedas acentuadas durante a noite, na negociação fora de horas, com a perspectiva cada vez mais provável de Donald Trump vencer as eleições presidenciais dos EUA. Quando o resultado chegou e confirmou os receios, o pânico foi evidente. Mas o republicano conseguiu acalmar os mercados e Wall Street conseguiu mesmo passar para terreno positivo, terminando a jornada com subidas superiores a 1%.

 

O Standard & Poor’s 500 fechou a somar 1,1% para 2.163,11 pontos. Já o índice industrial Dow Jones avançou 1,40% para 18.589,69 pontos e o tecnológico Nasdaq Composite valorizou 1,11% para 5.251,07 pontos.

 

09 de Novembro de 2016 às 18:11
Nuno Amado: "Espero a vitória de Trump não traga efeitos negativos na economia"
Nuno Amado:

"Foi uma grande surpresa" a vitória de Donald Trump, afirmou Nuno Amado quando questionado sobre o resultado das eleições americanas. "Espero que não traga efeitos negativos na economia mundial", desabafou o banqueiro. 

 

"Espero que a vitória de Donald Trump não traga efeitos negativos na economia mundial", desabafou o presidente do BCP quando questionado sobre o resultado das eleições nos EUA. 

 

Para Nuno Amado "foi uma enorme surpresa, mas o mundo está cheio de surpresas", sublinhou. 

 

A preocupação do banqueiro tem a ver com o impacto na economia mundial, sobretudo porque apesar "de a situação da economia europeia ser complexa, o mundo como um todo tem crescido". 

09 de Novembro de 2016 às 18:08
E se fossem só os jovens a votar?

A conclusão é semelhante à tirada na altura do voto no Brexit. Se só contassem os votos de jovens entre os 18 e os 25 anos, o resultado teria sido diferente.

09 de Novembro de 2016 às 17:48
Obama: "Não podia ter mais orgulho em Hillary Clinton"
Obama:

O actual Presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama, confirmou que se reunirá esta quinta-feira, 10 de Novembro, com o seu sucessor, Donald Trump para iniciar o processo de passagem de poder.

 

"Temos diferenças significativas. Mas recordem-se: há oito anos também eu e o presidente [George W.] Bush tínhamos diferenças significativas," lembrou o Chefe de Estado.

"Faremos os possíveis para que tenhamos uma transição de poder bem-sucedida para o presidente eleito", assegurou.

 

No seu discurso, Barack Obama não esqueceu a candidata democrata, Hillary Clinton, que apoiou ao longo dos últimos meses. "Não podia ter mais orgulho nela. Tem uma vida fantástica de serviço público. A sua nomeação foi histórica e a sua mensagem também", considerou.

09 de Novembro de 2016 às 16:49
Hillary Clinton pede desculpa mas diz que há que aceitar resultados  
Hillary Clinton pede desculpa mas diz que há que aceitar resultados  

No discurso da derrota, a candidata democrata agradeceu o apoio, pediu desculpas por ter perdido as eleições e pediu que se aceite o resultado.

Num discurso emocionado, tentando controlar lágrimas, Hillary Clinton assumiu que era um momento de tristeza. Felicitou Trump, dizendo esperar que "seja um presidente bem sucedido para todos os americanos. Não é resultado que queríamos e peço desculpa por não termos ganhado esta eleição". Assumiu ser "doloroso", e "sê-lo-á por um longo período".

Pediu que se aceite o resultado e que se olhe para o futuro, oferecendo-se para trabalhar em conjunto com o presidente eleito.  "Donald Trump vai ser o nosso presidente. Devemos-lhe uma mente aberta e a oportunidade de liderar".

"A nossa nação está mais dividida do que pensávamos", mas "acredito na América e continuarei a acreditar".

No discurso, Hillary Clinton prometeu continuar a luta, por uma melhor América. Agradeceu à família, às equipas, mas também ao Presidente em funções, Barack Obama, e à primeira-dama, Michel Obama.

Deixou também uma mensagem para futuro, dizendo que uma mulher ainda não chegou à Casa Branca, mas tal poderá acontecer até "mais cedo do que se possa agora pensar".

Aproveitou para falar dos valores que defende e da integração de todos, no que responde à campanha de Trump. "Acreditamos que o sonho americano é para todos, independentemente da raça, religão, para os homens e mulheres, emigrantes, comunidade LGBT, pessoas com incapacidades, para toda a gente". "Lutei pelo que acredito. 

Esta derrota custa, mas nunca deixem de acreditar que lutar pelo que acreditam vale a pena". 

No discurso de derrota, que demorou a acontecer, Clinton diz valorizar a transferência pacífica do poder.

 

09 de Novembro de 2016 às 16:42

Ainda a aguardar a reacção pública de Hillary Clinton, aquele que iria ser o seu vice-presidente chegou ao palco. Tim Kane falou da história que Hillary Clinton fez e que faria se fosse eleita presidente, o que seria a primeira mulher a consegui-lo. Mas lembrou que Clinton teve mais votos que Trump, no geral. "Ganhou o voto popular da América", disse-o e recebeu o primeiro grande aplauso. "É um feito extraordinário".

Kane diz que gostaria de ter participado num governo histórico. Agradeceu Clinton, dizendo que "ela ama o país".

E deixou o palco para Clinton, que chega acompanhada de Bill Clinton e da filha.

09 de Novembro de 2016 às 16:41
"Longa vida a Trump", deseja Presidente filipino

Conhecido pelas afirmações polémicas em relação aos Estados Unidos - que acusa de colonialismo - e pelos insultos pessoais que fez ao ainda Presidente norte-americano Barack Obama, Filipe Duterte, o Chefe de Estado filipino, desejou hoje "longa vida" ao recém-eleito Donald Trump e manifestou vontade de interromper a relação difícil com Washington.

"Queria dar os parabéns ao Sr. Donald Trump. Longa vida," disse Duterte durante uma visita à Malásia.

O "Trump do Oriente" - como é chamado - disse que tanto ele como Trump praguejam, mesmo com assuntos do dia-a-dia.

"Devo deixar de o fazer porque Trump está lá. Não quero brigar mais porque Trump ganhou," confessou o Chefe de Estado que chegou ao poder em Maio como um candidato 'outsider' e numa lógica populista, tal como o novo Presidente norte-americano eleito.

09 de Novembro de 2016 às 16:37
Paul Ryan enterra machado
Paul Ryan enterra machado

O presidente da Câmara dos Representantes, Paul Ryan, deu uma conferência de imprensa a felicitar o novo presidente eleito, dizendo que trabalhará conjuntamente com Donald Trump. Paul Ryan, republicano, chegou, durante a campanha, a dizer que deixaria de defender o então candidato à Casa Branca (do seu partido), depois da divulgação de uma conversa de Trump a falar de conquistas de mulheres.

 

Agora, depois da vitória, Paul Ryan veio a público falar também da necessidade de haver um país unido. E garantiu que agora Trump vai liderar um governo republicano "unido".

 

Falou de uma relação boa com o presidente eleito, e garantiu que iria trabalhar em conjunto com ele.

 

09 de Novembro de 2016 às 16:34
RSF mostram preocupação

Os Repórteres Sem Fronteiras (RSF) pediram a Donald Trump que respeite a liberdade de imprensa durante o seu mandato enquanto próximo presidente dos Estados Unidos da América. Os RSF consideram que, durante a campanha, o candidato republicado teve uma atitude "preocupante" para com os órgãos de comunicação social, ameaçando processar jornais, ameaçando jornalistas e retirando a acreditação ao Washington Post.

09 de Novembro de 2016 às 16:30
Tusk: "Não há outra opção que não seja a cooperação"

Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, reagiu mais uma vez à eleição de Trump como próximo presidente dos Estados Unidos da América. "Não acredito que qualquer país possa hoje ser maior isolado", alertou, apelando à cooperação daquele país com o bloco europeu.

 

"Os acontecimentos dos últimos meses e dias devem ser tratados como um sinal de alerta para todos os que acreditam na democracia liberal", lembrou. Tusk reforçou ainda que este é o momento para actuar em conjunto.


"A União Europeia e os Estados Unidos não têm outra opção que não seja a cooperação. A UE mantém-se um parceiro forte e confiante. Esperamos o mesmo dos EUA e do seu novo presidente", concluiu.

09 de Novembro de 2016 às 16:28
Hillary teve pelo menos mais 140 mil votos

A candidata democrata à presidência norte-americana, Hillary Clinton, conquistou mais votos que o seu adversário republicano Donald Trump, cuja vitória antecipa uma continuação dos conservadores no Supremo Tribunal, para alívio dos tradicionalistas religiosos, activistas de armas e interesses financeiros.

Clinton superou Trump em número de votos - 59,18 milhões para a democrata contra os 59,04 milhões do republicano -, um número que pode aumentar ligeiramente a favor de Hillary Clinton enquanto avança o escrutínio na costa oeste e no Alasca.

09 de Novembro de 2016 às 16:26
Ban Ki-moon lembra importância do presidente dos EUA

O actual secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, já deu os parabéns a Donald Trump pela sua eleição. O homem a quem António Guterres irá suceder lembrou a importância dos Estados Unidos da América para "contribuir para o bem comum".

09 de Novembro de 2016 às 16:25
Cristas diz que é preciso aguardar acção de Trump
Cristas diz que é preciso aguardar acção de Trump

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, defendeu hoje que é preciso aguardar a acção do novo Presidente, considerando que Portugal e os Estados Unidos continuarão a relacionar-se e sublinhando a necessidade de uma reflexão sobre as sondagens.

 

"O que muda teremos oportunidade de ver na acção do novo Presidente. Penso que hoje é o dia de respeitar a decisão que foi tomada pelo povo americano, em liberdade e em democracia, e saudar os resultados. Em democracia, os resultados têm sempre de ser respeitados", afirmou Assunção Cristas aos jornalistas.

 

Antes de uma reunião com a CGTP-IN, na sede da central sindical, em Lisboa, a líder centrista afirmou que "Portugal e os Estados Unidos certamente continuarão a relacionar-se enquanto estados autónomos e independentes e democracias maduras, que têm áreas e convergências de interesse, como todos as questões que têm a ver com o Atlântico".

 

09 de Novembro de 2016 às 16:11
PCP: Trump "poderá aprofundar ainda mais a política externa reaccionária"

O PCP reagiu aos resultados das eleições no EUA, afirmando que estas "expressaram profundos problemas, contradições e desigualdades que percorrem a sociedade daquele País, que são expressão do aprofundamento da crise estrutural do capitalismo que afecta particularmente a maior potência imperialista do Mundo".

 

"A eleição de Donald Trump como Presidente dos EUA poderá aprofundar ainda mais a política externa reaccionária e agressiva dos EUA levada a cabo por sucessivas administrações norte- americanas, e da qual a candidata derrotada foi destacada protagonista. Tal facto realça a importância da intensificação e alargamento da luta pela paz e contra as ingerências e agressões do imperialismo, nomeadamente do imperialismo norte-americano", refere um comunicado do PCP.

09 de Novembro de 2016 às 15:57
Moody's: Comércio, banca, saúde e impostos são as indústrias mais afectadas

A agência de notação financeira Moody's considerou hoje que a vitória de Donald Trump nas presidenciais norte-americanas vai ter impacto numa série de indústrias, nomeadamente o comércio internacional, regulação financeira, saúde, imigração e impostos para as empresas.

"A vitória de Trump vai provavelmente originar um conjunto de políticas que divergem fortemente das políticas do Governo anterior", comentou o vice-presidente da Moody's Robard Williams.


Numa nota enviada aos investidores, a Moody's salienta que Trump anunciou a intenção de renegociar as relações comerciais com os maiores parceiros comerciais, como a China, Canadá e México, e impor "medidas severas nas importações de outros países para garantir concessões nas negociações comerciais".

09 de Novembro de 2016 às 15:33
Empreendedor na Web Summit: "Vocês não estão f... neste momento?"

O empreendedor norte-americano Dave McClure teve hoje uma das reacções mais acaloradas na Web Summit sobre o desfecho das eleições norte-americanas, levantando-se durante a sua intervenção, gritando colérico: "Vocês não estão f... neste momento?".

 

"Toda esta m... de eleição foi um embuste, não podemos estar aqui sentados como se nada se tivesse passado. Fomos roubados, violentados, enganados. Vocês não estão f... neste momento? O que é que se passa com vocês para não estarem zangados?", disse o empreendedor, lançando para o ar enraivecido uma garrafa de água.

 

"Se não reagirmos, cretinos como Trump vão chegar à presidência. É nosso dever e responsabilidade como empreendedores garantir que esta m... não aconteça. Temos de nos levantar e lutar. Levantem-se, façam a diferença!", prosseguiu.

09 de Novembro de 2016 às 15:24
Imprevisibilidade de Trump vai causar instabilidade nos mercados no curto prazo

A eleição de Donald Trump surpreendeu os investidores e acelerou uma correcção das acções mundiais. E a expectativa  é que a imprevisibilidade de Trump crie volatilidade nos mercados no curto prazo, mas acabem por normalizar, antecipam os especialistas.


"Vai haver algum nervosismo no curto prazo, mas a poeira vai assentar rapidamente", antecipa Rui Cartaxo, na conferência do Jogo da Bolsa, organizada pelo Negócios e pela GoBulling, que decorreu esta manhã em Lisboa, sob o tema "Mercados financeiros e estratégias de investimento". O consultor do Banco de Portugal admite que o resultado desta madrugada nos EUA não foi o que esperava mas também não o surpreendeu.

09 de Novembro de 2016 às 15:23
Trump provoca grande corrida ao ouro

Número de contratos sobre o ouro negociados esta quarta-feira está perto de bater recordes. Mas o metal amarelo está a perder algum brilho à medida que os investidores ficam mais tranquilos.

09 de Novembro de 2016 às 15:23
Donald Trump ganhou as eleições. E agora?
Donald Trump ganhou as eleições. E agora?

Manuel Esteves, editor de Economia do Negócios, reflecte sobre os resultados das eleições norte-americanas que deram a vitória a Donald Trump.

09 de Novembro de 2016 às 15:06
CEO do Nasdaq: "Trump foi eleito como presidente, não como ditador"

Bob Greifeld, CEO do índice tecnológico norte-americano Nasdaq, defendeu esta quarta-feira, 9 de Novembro, que a eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos "não tem um impacto directo sobre nós".

 

"É um factor externo que não deve afectar-nos. [Trump] foi eleito como presidente, não como ditador. Vamos continuar a fazer o que temos de fazer", reforçou Bob Greifeld, num painel do Web Summit dedicado ao "venture capital".

No entanto, referindo-se à reacção negativa dos mercados financeiros, o CEO do Nasdaq antecipou que a pressão sobre a dívida norte-americana "vai persistir durante um tempo".

09 de Novembro de 2016 às 15:05
Passos cumprimenta Trump e faz votos para que se distancie do tom da campanha
Passos cumprimenta Trump e faz votos para que se distancie do tom da campanha

O líder do PSD cumprimentou hoje o Presidente dos Estados Unidos eleito, fazendo votos para que Trump se distancie do tom da campanha eleitoral, porque assim "talvez as coisas não corram tão mal quanto se espera".

"Cumprimento o novo presidente eleito dos Estados Unidos da América que merece o nosso respeito, porque foi eleito democraticamente pelos americanos", afirmou o presidente social-democrata, Pedro Passos Coelho, em declarações aos jornalistas, no final de um encontro com responsáveis da CGTP-IN, em Lisboa.

Reconhecendo que se a ação futura de Donald Trump for consistente com o que foi dito em campanha eleitoral há motivos alguma apreensão, Passos Coelho fez votos para que o novo Presidente dos Estados Unidos se distancie "um pouco daquilo que foi o tom da campanha eleitoral", porque assim "talvez as coisas não corram tão mal quanto se espera".

09 de Novembro de 2016 às 14:54
Cuba prepara exercícios militares para se preparar contra "acções inimigas"

Cuba anunciou o lançamento de cinco dias de exercícios militares, de modo a preparar as tropas para confrontos a que este governo chama uma "série de acções inimigas".

Cuba não associa estes exercícios à eleição de Donald Trump mas o anúncio surge quase em simultâneo com a vitória surpresa do candidato republicano.

É a sétima vez, recorda a Associated Press, que Cuba levou a cabo este tipo de exercícios, a maioria das vezes em momentos de alta tensão com os Estados Unidos da América.

O primeiro exercício foi lançado em 1980 depois da eleição de Ronald Reagan como presidente dos EUA.

Na sua campanha, Trump tinha prometido reverter o reatar das relações diplomáticas com Cuba levado a cabo por Barack Obama.

09 de Novembro de 2016 às 14:49
“Os EUA não querem saber" o que o mundo pensa deles

Na manhã em que Donald Trump foi confirmado como próximo presidente eleito dos EUA , o primeiro painel do Web Summit foi um resumo de "vergonha", incredulidade e alguma revolta pelo resultado. Mas também de esperança.

09 de Novembro de 2016 às 14:48
Depois do Brexit, agora é Trump a provocar nova sacudidela na ordem internacional

Primeiro foi o Brexit e agora a eleição de Donald Trump. São cada vez mais os factores que ameaçam a integridade do projecto europeu.

09 de Novembro de 2016 às 14:47
Nasdaq abriu em queda a partir de Lisboa

O toque da abertura do Nasdaq foi dado esta quarta-feira de Lisboa, na Web Summit. Na primeira sessão após a vitória de Donald Trump, o Nasdaq abriu em baixa.

O toque foi dado por Paddy Cosgrave, fundador do Web Summit, ao lado do presidente do Nasdaq, Bob Greifeld.

09 de Novembro de 2016 às 14:33
México diz esperar trabalhar com Trump para benefício da América da Norte

O presidente mexicano já reagiu à eleição de Donald Trump, que durante a campanha prometeu a construção de um muro a separar os dois países.

Em várias mensagens no Twitter, Enrique Peña Nieto felicitou os Estados Unidos pelo processo eleitoral, mostrando disponibilidade para "trabalhar junto" com Donald Trump "a favor da relação bilateral".


Numa outra mensagem, Peña Nieto declarou que o México e os Estados Unidos são "amigos, aliados e associados que têm de manter a colaboração para que a América do Norte se mantenha competitiva e continue a desenvolver-se". 

E acrescentou confiar que México e Estados Unidos "continuem a estreitar os seus laços de cooperação e respeito mútuo".


09 de Novembro de 2016 às 13:42
Orban sobre Trump: "Que grande notícia"
Orban sobre Trump:

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, considerou uma "grande notícia" a eleição de Donald Trump.

O chefe de Governo, que durante a campanha se tinha pronunciado publicamente a favor do candidato republicano - dizendo que as suas políticas eram vitais para o seu país - , deixou no Facebook uma mensagem de apoio ao futuro novo Chefe de Estado. 

"Que grande notícia. A democracia ainda está viva", lê-se numa publicação em que Orban surge de costas, ao telefone, com uma televisão com a emissão de acompanhamento das eleições da CNN como pano de fundo.



 

O Governo de Orbán foi, na Europa, o mais crítico da política de acolhimento de refugiados, recusando a aplicação de quotas por países, levando-o mesmo a realizar um referendo sobre o assunto, que ficou sem validade por não ter tido afluência suficiente às urnas. 

Esta terça-feira, os deputados húngaros chumbaram a pretensão do partido no poder, o Fidesz, de impedir a aplicação do sistema de quotas de realojamento de refugiados na União Europeia, que obriga o Governo de Budapeste a aceitar 1.294 refugiados.

09 de Novembro de 2016 às 13:33
José Eduardo dos Santos pede maior diálogo e cooperação internacional

O Presidente angolano já felicitou Donald Trump pela eleição. E pede que o seu mandato impulsione um período de "maior diálogo e cooperação internacional".

A informação surge numa nota de imprensa da Casa Civil do Presidente da República angolano divulgada ao final da manhã, citada pela Lusa, informando da felicitação dirigida por José Eduardo dos Santos a Donald Trump e dando conta da aspiração de que esta eleição "se traduza em prosperidade e felicidade para o povo americano".

Ao mesmo tempo, este resultado eleitoral deve permitir "um período de maior diálogo e cooperação internacional", capaz de "viabilizar a resolução dos problemas mais cadentes da actualidade e propiciar mais paz e segurança" no mundo.

Na mesma mensagem é referida a vontade do chefe de Estado angolano em "estreitar as relações de amizade e cooperação mutuamente vantajosas" entre Angola e os Estados Unidos da América.

09 de Novembro de 2016 às 13:21
Varoufakis defende movimento democrático nas Américas

O ex-ministro grego das Finanças, Yanis Varoufakis, diz que a vitória de Trump marca o início de uma era que é variante da década de 30 do século passado, regressando a um período de deflação na economia, de xenofobia e da política do "dividir para reinar".

Num artigo de opinião assinado no site do Diem 25, o movimento Democracia na Europa 2025 que integra, Varoufakis diz que a paixão regressou à política para explorar a ira de 80% da população para "reajustar o poder no topo, deixando os 80% moribundos, traídos e divididos. Temos de parar isto. O  nosso trabalho é usar a paixão ao serviço do humanismo," escreve.

É este "establishment" que acusa de ter "esmagado a primavera grega".

Perante fenómenos como o Brexit, partidos extremistas como o Aurora Dourada ou a Alternativa para a Alemanha e Donald Trump "eles responderam com uma mistura de condescendência, negação e pânico", acusa, dizendo ser necessário que os progressistas dos EUA, Canadá e América Latina se juntem para um movimento das democracias na América, a que se deve juntar um movimento semelhante no Médio Oriente.

09 de Novembro de 2016 às 13:17
Hillary Clinton vai falar às 14:30

As primeiras declarações públicas de Hillary Clinton estão marcadas para as 14:30 de Lisboa (menos cinco horas na Costa Leste dos EUA). A campanha de democrata diz que vai ser uma declaração para os apoiantes e para a equipa que a acompanhou, num hotel na cidade de Nova Iorque.

Hillary Clinton não fez um discurso de concessão, mas ligou ontem à noite a Trump para lhe dar os parabéns pela vitória nas eleições.

09 de Novembro de 2016 às 13:16
América pintada de vermelho

Clinton teve mais votos a nível nacional, mas Trump ganhou as eleições e será o futuro Presidente dos Estados Unidos. Os republicanos ganharam também mais lugares no Senado. Veja como ficaram os resultados por estados. 


09 de Novembro de 2016 às 13:12
"Claro que estou contente por a Eslovénia fazer parte desta eleição com a nossa Melania"

O primeiro-ministro da Eslovénia – país de onde é natural Melania Trump, a futura primeira-dama – já congratulou o próximo presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump.

"Claro que estou contente por a Eslovénia fazer parte desta eleição com a nossa Melania Trump a tornar-se a próxima primeira-dama dos Estados Unidos, escreveu Miro Cerar, recordando a oportunidade para o reforço de relações bilaterais.


Melania Trump é a segunda primeira-dama norte-americana a não ter nascido no país. Durante a campanha, a mulher de Donald Trump ganhou destaque ao ser acusada de plagiar um discurso antigo de Michelle Obama.

09 de Novembro de 2016 às 13:00
BE afirma que vitória de Trump é "péssima notícia" também para o mundo

A comissão política do BE declarou hoje a eleição de Donald Trump como 45.º Presidente "uma péssima notícia para os Estados Unidos [da América] e para o mundo" e uma "vitória da política do ódio".

Em comunicado, os bloquistas lamentam o "ódio à igualdade de direitos, à imigração e ao primado dos direitos humanos" que consideram que o Presidente eleito pelo partido republicano representa.

"A inexistência de uma alternativa mobilizadora, como a que poderia ter sido protagonizada por Bernie Sanders, também abriu caminho a este resultado", refere o texto, elogiando o candidato derrotado nas primárias pela secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, candidata presidencial pelo Partido Democrático.

09 de Novembro de 2016 às 12:58
Directora de campanha de Trump admite abrir investigação a Hillary

A directora de campanha de Donald Trump, Kellyanne Conway, não excluiu que possa ser aberta uma investigação a Hillary Clinton, através da nomeação de um procurador especial.

Em declarações à MSNBC, Conway disse que ainda não falou com Trump sobre o assunto mas que ele vai ser abordado "no seu devido tempo".

Trump e o vice-presidente eleito Mike Pence "estão a tentar unir o país, mas não discutimos isso nos últimos dias e acho que vai ser discutido no seu devido tempo". Esse não foi um dos temas abordados por Trump na conversa telefónica que teve com Hillary ontem à noite, acrescentou a directora de campanha.



No segundo debate eleitoral, Donald Trump prometeu nomear um procurador especial para investigar os e-mails de Hillary Clinton caso fosse eleito presidente, e disse que a candidata "devia ter vergonha" de si própria. "Ainda bem que alguém com o feitio de Donald Trump não é o responsável pelas leis do nosso país", respondeu Hillary. Trump respondeu prontamente: "Porque estarias na prisão".

09 de Novembro de 2016 às 12:56
Canadá fala em fortalecer laços com Trump

O chefe do Governo do vizinho Canadá já reagiu à eleição de Donald Trump. O primeiro-ministro Justin Trudeau felicitou Trump, declarando que o seu Governo irá trabalhar de perto com o presidente eleito.

"Canadá não tem um amigo, parceiro e aliado mais chegado que os Estados Unidos. Estamos ansiosos de trabalhar muito perto com o presidente eleito, Mr. Trump, e com a sua administração e com o Congresso norte-americano nos próximos anos, especialmente em assuntos relacionados com o comércio, investimento, paz internacional e segurança", declarou, citado pela CNN.

Acrescentou, ainda, que as relações entre Estados Unidos e Canadá são "um exemplo para o resto do mundo". "Os nossos valores comuns, os nossos profundos laços culturais bem como as nossas economias fortemente integradas, vão continuar a garantir bases para desenvolver esta sólida e segura parceria".

09 de Novembro de 2016 às 12:38
Obama e Trump reúnem-se quinta
Obama e Trump reúnem-se quinta

Barack Obama convidou Donald Trump para uma visita à Casa Branca esta quinta-feira, de modo a informá-lo sobre a transição de pasta, avançou a agência Reuters. Ainda hoje, Obama fará uma declaração sobre o resultado desta eleição.


Segundo o director de campanha de Donald Trump, a conversa entre os dois líderes, por telefone, foi "muito calorosa", tendo Obama congratulado o seu sucessor.

O actual presidente dos Estados Unidos da América ligou também à candidata democrata Hillary Clinton, que saiu derrotada deste processo eleitoral.

09 de Novembro de 2016 às 12:38
Web Summit reage à vitória de Trump

Com o resultado das eleições norte-americanas a darem vitória a Trump, esta quarta-feira na Web Summit, em Lisboa, não se falava de outro assunto. Rita Faria, jornalista do Negócios, escreve as conversas que dominam o evento

09 de Novembro de 2016 às 12:16
Celebridades também reagem

Não são só os cidadãos anónimos a reagir no Twitter à eleição de Donald Trump como próximo presidente dos Estados Unidos da América. São várias as celebridades, de músicos a actores, passando por apresentadores, a demonstrar o seu descontentamento.


Lady Gaga, apoiante de Hillary Clinton, foi até fotografada a protestar em frente à Trump Towe, em Nova Iorque esta quarta-feira de manhã.

09 de Novembro de 2016 às 12:15
#HesNotMyPresident

Nas redes sociais está em marcha um movimento de cidadãos que recusam reconhecer Donald Trump como o próximo presidente dos Estados Unidos da América. #HesNotMyPresident é o "hashtag" que reúne os depoimentos.

09 de Novembro de 2016 às 12:11
Hillary ultrapassa Trump no número de votos, mas não chega

Hillary Clinton acabou de ultrapassar Donald Trump em número de votos. De acordo com a contagem do New York Times, Hillary recolheu 47,6% dos votos e tem mais 110 mil votos do que Trump, que regista 47,5% dos boletins.

Isso não significa que a vitória de Trump esteja em risco. Trump é mesmo o presidente eleito. Nos Estados Unidos, os eleitores não votam directamente no presidente, mas antes na composição do Colégio Eleitoral (que tem representantes de cada estado, conforme a sua população). No complicado sistema eleitoral americano, quem for mais votado em cada estado assegura a totalidade dos respectivos lugares desse estado no Colégio Eleitoral.

Ou seja, mesmo que a diferença de votos que dá a vitória num estado seja pequena, todos os lugares do Colégio Eleitoral desse estado são atribuídos ao candidato mais votado. Não faz diferença registar grandes votações, elas apenas têm de ser superiores às candidaturas rivais.

Trump já assegurou os 270 lugares no Colégio Eleitoral necessários para ganhar as eleições, graças às votações que registou em alguns estados considerados decisivos, como a Flórida ou a Carolina do Norte. Hillary tem apenas 218 desses lugares.

Não é a primeira vez que o presidente não é o candidato mais votado. Em 2000, Al Gore recolheu a maioria dos votos populares mas foi ultrapassado por George W. Bush, que garantiu os 270 lugares no Colégio Eleitoral.

09 de Novembro de 2016 às 12:04
Moscovici: "Temos que responder às frustrações que levaram a este voto"

O comissário europeu para os assuntos económicos e financeiros considera que a Europa precisa de tirar lições da vitória de Donald Trump nos Estados Unidos, porque também no velho continente há concidadãos frustrados com a repartição desigual dos rendimentos.

 

Durante a conferência de imprensa que acompanhou a apresentação das previsões de outono, Pierre Moscovici diz que "o povo norte-americano elegeu Donald Trump com 45º presidente", que a vitória foi clara, e que, "evidentemente, há expectativas do lado de cá do Atlântico" de que os EUA e a Europa se mantenham como "parceiros fortes". Entre os principais temas a tratar pelos dois blocos económicos estão "a economia, a segurança e as alterações do clima", enumerou o comissário.

 

Mas não é só. Dos EUA chegam também valiosas lições sobre as frustrações de uma parte da população. Também há "muitos dos nossos concidadãos que se sentem excluídos da retoma economia e muitos que tomam certas distâncias relativamente aos seus governos (pelo que) temos de responder a estas preocupações".

 

Desde logo, é preciso "atacar as desigualdades, que afastam os governados dos governantes", diz Moscovici, para quem "isto é urgente". O modo de lá chegar é que não é claro.

 

Questionado sobre as visões politicas diferentes a nível europeu e as tensões que isso gera, o comissário francês diz que "a comissão não é uma comissão social-democrata, é uma Comissão Europeia" e a uni-la tem a vontade de manter fronteiras abertas e aceitar a globalização. 

09 de Novembro de 2016 às 12:03
Temer elogia tom equilibrado do primeiro discurso de Donald Trump

Segundo o jornal Estadão, o presidente brasileiro Michel Temer vai dar os parabéns a Donald Trump pela sua vitória. Fonte do Palácio do Planalto, Temer "elogiou o tom equilibrado do primeiro discurso de Donald Trump".

09 de Novembro de 2016 às 11:54
Trump faz primeiras declarações no Twitter

"Que noite tão importante e bela. Os homens e mulheres esquecidos não mais o serão. Vamos todos unir-nos como nunca aconteceu antes", escreveu o futuro presidente dos Estados Unidos da América no Twitter. Depois de actualizar o seu cargo, foi a primeira reacção.

Contudo, naquela rede social, continuam a ser mais os que questionam o seu carácter e competências para o cargo. Não faltam declarações do próprio, recuperadas de entrevistas e publicações passadas, a demonstrar o lado "estúpido" dos eleitores americanos. Os mesmos que agora o escolheram.

09 de Novembro de 2016 às 11:52
Geert Wilders diz que se vive uma "Primavera patriótica" no Ocidente

A vitória de Donald Trump nas eleições americanas deixou vários partidos de extrema-direita europeus muito entusiasmados. Depois de Le Pen e Nigel Farage terem dado os parabéns ao milionário, Geert Wilders, líder do Partido da Liberdade holandês, afirmou que se vive uma "Primavera patriótica" no Ocidente e que a "política ocidental nunca mais vai ser a mesma".

Pouco depois de se a vitória de Trump ter sido oficializada, Wilders deu os parabéns ao milionário no Twitter.

Há instantes, em declarações reproduzidas pela Reuters, Wilders afirmou que Trump vai dar gás à extrema-direita. "A vitória de Trump vai ser um enorme estímulo para partidos como o meu", disse que os eleitores holandeses podem fazer "o mesmo" que fizeram os americanos e defendeu que a eleição de Trump é um aviso aos Governos de que não podem ignorar os apelos para restringir a imigração.

09 de Novembro de 2016 às 11:36
Costa sobre Trump: "Não nos relacionamos com governos, mas sim com povos"
Costa sobre Trump:

O primeiro-ministro português António Costa destacou, no rescaldo da vitória eleitoral de Donald Trump, a continuidade de relações de Portugal com os Estados Unidos, independentemente da liderança política naquele país.


"Portugal tem relações seculares com os Estados Unidos, que tem uma comunidade portuguesa muito importante. Partilhamos o mesmo espaço Atlântico, a mesma aliança defensiva [NATO]. Em Portugal também já houve vários governos. Há uma continuidade da relação. Não nos relacionamos com governos, mas com povos, com cidadãos. (...) Tudo faremos para manter as relações com os Estados Unidos", disse o chefe de Governo esta quarta-feira em Lisboa, em declarações transmitidas pelas televisões.

Costa salientou ainda a necessidade de respeitar as "decisões democráticas dos diferentes povos que são amigos e com quem temos relações."

09 de Novembro de 2016 às 11:35
Huffington Post corrige alerta sobre Trump

O jornal norte-americano Huffington Post vai retirar dos seus artigos o aviso que classifica Donald Trump, o futuro presidente dos Estados Unidos da América, como um "mentiroso compulsivo", "racista" e "xenófobo".

09 de Novembro de 2016 às 11:34
Donald Trump já actualizou Twitter

Poucas horas após ter sido eleito como o 45º presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump já actualizou o cargo na rede social Twitter, onde se estreou em 2009. "Presidente-eleito dos Estados Unidos", pode ler-se agora no seu perfil.

09 de Novembro de 2016 às 11:33
Vaticano deseja "felicidades" a Trump e reza para que Deus o ilumine
Vaticano deseja

A Igreja Católica já se pronunciou sobre a vitória de Donald Trump. O secretário de Estado do Vaticano desejou "felicidades" a Donald Trump e um "governo verdadeiramente frutuoso".

O cardeal Pietro Parolin disse à rádio estatal que o Vaticano compromete-se a "rezar para que Deus o ilumine [a Trump] e o apoie no serviço do seu país, claro, mas também ao serviço do bem-estar e da paz no mundo".

É necessário que "toda a gente trabalhe para mudar a situação global", caracterizada por "feridas profundas" e "conflitos graves".

No início do ano, o Papa Francisco disse que Trump não era cristão por causa da posição sobre a imigração. O Vaticano esclareceu depois que não se tratava de um ataque pessoal ao empresário.

09 de Novembro de 2016 às 11:26
Merkel lembra que EUA e Alemanha partilham princípios da democracia, liberdade e respeito pela lei
Merkel lembra que EUA e Alemanha partilham princípios da democracia, liberdade e respeito pela lei

Na mensagem de felicitações ao recém-eleito Presidente norte-americano, a chanceler alemã Angela Merkel recordou os valores que os EUA e a Alemanha partilham, depois de uma campanha marcada do lado de Donald Trump por algumas afirmações vistas como xenófobas, nomeadamente em relação a imigrantes mexicanos e a minorias religiosas.

"A Alemanha e a América estão ligados por valores  - democracia, liberdade, respeito pela lei, dignidade das pessoas independentemente da sua origem, da cor da pele, da religião, do género, da orientação sexual ou das opiniões políticas," afirmou a chefe de Governo, que se disse, citada pela Reuters, pronta a trabalhar de perto com Trump "na base destes valores." 

09 de Novembro de 2016 às 11:21
Acordo nuclear com o Irão não pode ser rasgado pelos EUA, diz Rohani

O primeiro-ministro iraniano, Hassan Rouhani, afirmou esta manhã que os resultados das eleições americanas "não têm impacto nas políticas da República Islâmica do Irão", de acordo com a agência estatal IRNA, citada pela Reuters.

"A política iraniana de relação construtiva com mundo e o levantamento de sanções ligadas ao programa nuclear levaram as nossas relações económicas com todos os países a aumentar, e isso é irreversível", declarou.

Hassan Rouhani lembrou ainda que o acordo nuclear foi assinado com seis potências mundiais e está reflectido numa resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas, pelo que não pode ser posto em causa por apenas um país.

09 de Novembro de 2016 às 11:17
Mercados acalmam depois da maior queda desde o Brexit

A vitória de Donald Trump provocou uma reacção imediata nos mercados. Poucas horas depois, os mercados estão a acalmar

As bolsas europeias, que estavam a cair mais de 5% antes da abertura, estão a recuar agora menos de 1%. O Stoxx 600, que agrega as 600 maiores cotadas europeias, recua apenas 0,5% para 333,22 pontos, ainda que alguns índices continuem a recuar mais de 1%, como o espanhol, o grego e o italiano.

Já os futuros do S&P, que estiveram a cair mais de 5%, estão agora a ceder 1,80%.

O euro, que esteve a subir 2,5%, segue a apreciar apenas 0,35% para 1,1065 dólares, com a moeda americana a aliviar as quedas frente às congéneres.

09 de Novembro de 2016 às 11:15
Ku Klux Klan felicita Trump

David Duke, um antigo líder do Ku Klux Klan (KKK), congratulou Donald Trump pela sua eleição e considerou esta "uma das noites mais entusiasmantes da sua vida". O KKK é um movimento reaccionário que tem como pilares a supremacia e o nacionalismo brancos, ideais anti-imigração e anti-semitas.

09 de Novembro de 2016 às 11:09
Hollande sugere "período de incerteza" com Trump
Hollande sugere

O Presidente francês François Hollande referiu-se a um "período de incerteza" que é criado com a eleição de Trump para o mais alto cargo nos Estados Unidos. 

Numa mensagem transmitida pelas televisões a partir do Eliseu, Hollande felicitou Trump "como é natural entre dois chefes de Estado democráticos", e reservou também uma referência a Hillary Clinton, a candidata derrotada.

"Devemos encontrar as respostas, estão em nós e devem ser capazes de superar os medos respeitando os nossos princípios", afirmou, referindo em particular a "democracia e ao modelo social".

"A França empenhar-se-á em perseguir a cooperação transatlântica, sem concessões e com total independêndia", disse.

09 de Novembro de 2016 às 10:55
Pneus incendiados e vidros partidos em protesto anti-Trump na Califórnia

A Bay Area (zona da Califórnia que compreende as cidades de São Francisco e Oakland) está a assistir a protestos violentos de manifestantes contra o candidato republicano, Donald Trump, eleito esta manhã para a presidência dos Estados Unidos.

A Reuters noticia que um boneco com a cara de Trump foi incendiado e que há montras partidas e caixotes do lixo e pneus a arder na baixa de Oakland.

Nos campus de Berkeley e de Davis, os estudantes da Universidade da Califórnia também mantêm protestos onde se grita: "Tu não és a América, nós somos a América."

Imagens divulgadas em várias contas de Twitter mostram caixotes do lixo a arder no meio das ruas e vidros partidos. A imprensa local dá conta de "um pequeno número de detenções" que foi feito na sequência dos conflitos que envolveram pelo menos 50 pessoas e de que a polícia enverga capacetes, máscaras de gás e cassetetes.



Também em Los Angeles se sucedem os protestos, que alegadamente reúnem centenas de manifestantes nas ruas. 


09 de Novembro de 2016 às 10:48
Mercados no vermelho

Os mercados continuam no vermelho depois da vitória de Trump nas eleições norte-americanas. Paulo Zacarias Gomes, jornalista do Negócios, faz o ponto de situação.


09 de Novembro de 2016 às 10:47
"A personalidade de Trump levanta questões", admite o ministro dos Negócios Estrangeiros francês

O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Marc Ayrault, defende que a Europa deve unir-se e defender os seus interesses, depois da vitória de Donald Trump nas eleições americanas.

"Temos de estar à altura do desafio de uma Europa que deve ser capaz de defender melhor os seus cidadãos e os seus interesses", afirmou, em declarações à televisão France 2 citadas pela Reuters. "A Europa não pode hesitar depois do Brexit nem depois da eleição de Donald Trump. Com todas as questões que estão a ser levantadas, a Europa deve unir-se mais, ser mais activa e ir mais para a ofensiva, mesmo que seja só para se proteger", assinalou Ayrault.

Na mesma entrevista, o ministro admitiu que a personalidade de Trump "levanta questões". "Faz-nos pensar, levanta questões. Provocou reacções, certamente".

Ayrault também espera várias explicações de Trump. "O que é que vai acontecer ao acordo de Paris sobre as alterações climáticas? E ao acordo nuclear do Irão? São questões essenciais que já estamos a colocar a nós próprios", declarou.

O governante também espera clarificar a posição de Trump sobre a guerra na Síria e o combate ao Estado Islâmico.

Ayrault admite que Trump não cumpra algumas das promessas que fez, mas realça que há muita preocupação no México e na China. Por isso, França e a Europa devem assumir o seu papel para "assegurar" que tudo corre bem.

09 de Novembro de 2016 às 10:32
"Muita gente vai sentir verdadeira preocupação", diz primeira-ministra da Escócia

Nicola Sturgeon, primeira-ministra da Escócia, deu os parabéns a Donald Trump pela vitória nas eleições americanas. "Este não é o resultado que eu esperava", mas é o "veredicto" do povo americano e "devemos respeitá-lo", lê-se numa nota publicada na página do governo.

A primeira-ministra diz que a Escócia valoriza a relação que tem com os Estados Unidos e os americanos. "Os laços que unem a Escócia e os EUA - familiares, culturais e empresariais - são profundos e antigos e vão durar para sempre".

Nicola Sturgeon afirma, depois, que esta vitória está a preocupar o mundo. "É normal em qualquer eleição que os perdedores fiquem desapontados, mas hoje, muita gente na América e no mundo vai sentir verdadeira preocupação", descreveu. Cabe a Trump, "através de gestos mas também palavras", mostrar aos que se sentiram "marginalizados" pela sua campanha que ele será "o presidente de todos numa América moderna e multicultural".

Sturgeon agradeceu ainda a Hillary Clinton.

09 de Novembro de 2016 às 10:30
Televisão russa faz comédia com vitória de Trump
Televisão russa faz comédia com vitória de Trump

A televisão pública russa RU-24 abriu o noticiário - no qual deu conta da vitória do candidato republicano nas eleições norte-americanas - com um sketch cómico mostrando um Donald Trump vitorioso e a dançar de alegria com a vitória, sob um olhar contrariado de Hillary Clinton.

09 de Novembro de 2016 às 10:17
Governo português dá os parabéns a Trump e "confia" que ele respeite valores americanos

O Ministério dos Negócios Estrangeiros acabou de divulgar uma nota em que sublinha que o "Governo português felicita Donald Trump pela sua eleição como presidente dos Estados Unidos da América".

O ministério de Augusto Santos Silva recorda que "Portugal e os Estados Unidos estão unidos por uma longa relação histórica, por muitos interesses comuns e pela presença de uma importante comunidade portuguesa e luso-descendente residente naquele país".

"A cooperação entre as duas nações é vasta e diversificada, abrangendo áreas como a defesa e segurança, o comércio e investimento, a ciência e a tecnologia".

O Governo português diz confiar "que as prioridades da política externa da nova Administração" de Trump "se situem no grande quadro de valores que tem norteado a acção dos Estados Unidos no mundo, no compromisso com o sistema multilateral das Nações Unidos, com a Aliança Atlântica e com o desenvolvimento das relações com a União Europeia".

"Portugal cooperará lealmente com os Estados Unidos, quer no âmbito bilateral quer no âmbito multilateral, respeitando o direito internacional e os valores democráticos e reforçando os laços que tão profundamente ligam os dois países".

09 de Novembro de 2016 às 10:09
Protestos contra vitória de Trump
Protestos contra vitória de Trump

A vitória de Donald Trump está gerar protestos em vários pontos do país. Um dos principais focos de contestação é em frente à Casa Branca, em Washington. Mais de mil pessoas juntaram-se às primeiras horas desta quarta-feira, ainda o resultado eleitoral não estava bem definido. Mostram-se contra a posição de Trump sobre a imigração. 

09 de Novembro de 2016 às 10:06
MNE alemão: Política externa norte-americana vai ser menos previsível
MNE alemão: Política externa norte-americana vai ser menos previsível

O ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Frank-Walter Steinmeier, afirma que com a vitória de Trump é preciso que o mundo se comece a habituar a que nos próximos tempos a política externa norte-americana não seja "não previsível."

Em declarações citadas pela Reuters, o responsável pelas relações exteriores da maior economia europeia disse que é necessário aceitar os resultados eleitorais desta terça-feira mas reconheceu ter estado "alarmado" pela forma como a campanha eleitoral decorreu. 

Agora, embora reconheça que não sabe como o futuro Presidente governará, diz que a primeira tarefa de Trump será lidar com as profundas divisões na sociedade norte-americana e que será um desafio corresponder às expectativas criadas. 

"Nada será simples", mas a relação transatlântica é muito importante, afirmou.

09 de Novembro de 2016 às 09:59
Presidente egípcio felicita Trump

O presidente egípcio Abedel Fattah al-Sisi foi o primeiro a congratular, através de chamada telefónica, o novo presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump. O reforço das relações diplomáticas entre os dois países foi uma das vontades demonstradas.

09 de Novembro de 2016 às 09:51
Rajoy lembra que EUA são "parceiro indispensável"

Renovado no cargo há poucos dias, o primeiro-ministro espanhol já deu os parabéns ao anunciado novo Chefe de Estado norte-americano. Para Mariano Rajoy, os EUA são um "parceiro indispensável" com quem Espanha quer continuar a trabalhar para reforçar as relações entre os dois países.

"Os meus parabéns a Donald Trump pela sua vitória. Continuaremos a trabalhar para reforçar a relação que nos une aos Estados Unidos, parceiro indispensável. MR "

09 de Novembro de 2016 às 09:51
Turquia fala em passo positivo para o Médio Oriente

O president turco, Tayyip Erdogan, espera que a eleição de Donald Trump possa representar um passo positivo para o Médio Oriente e para os direitos básicos e liberdades no mundo.

 

Também o primeiro-ministro Binali Yildirim congratulou Trump pela sua vitória, esperando que esta seja uma oportunidade para aprofundar as relações bilaterais, sobretudo no combate ao terrorismo e na questão dos refugiados.

09 de Novembro de 2016 às 09:50
Theresa May "ansiosa" para trabalhar com Trump
Theresa May

A primeira-ministra britânica, Theresa May, deu os parabéns a Donald Trump e disse, através de um comunicado, que aguarda "com ansiedade para trabalhar" com o presidente eleito.

"O Reino unido e os Estados Unidos têm uma relação longa e especial baseada nos valores da liberdade, democracia e iniciativa. Somos, e vamos continuar a ser, parceiros fortes e próximos no comércio, segurança e defesa", assegurou May, citada pela BBC.

May espera que o trabalho com Trump se alicerce "nestes laços" para "garantir a segurança e a prosperidade das nossas nações nos próximos anos".

09 de Novembro de 2016 às 09:50
Aurora Dourada: Vitória contra a "imigração ilegal"

O partido grego de extrema-direita Aurora Dourada considera a eleição de Donald Trump como uma vitória contra a "imigração ilegal" a favor de nações etnicamente "limpas".

"Esta foi uma vitória das forças que se opõem à globalização, que lutam contra a imigração ilegal e são a favor de estados etnicamente limpos e de uma economia nacional auto-suficiente", considerou o terceiro maior partido grego.

A Aurora Dourada lembrou que está a arrancar uma "mudança global" que se estenderá também à Europa, onde se destaca os partidos nacionalistas da Áustria, França e Grécia.

09 de Novembro de 2016 às 09:43
Renzi dá os parabéns a Trump, apesar de ter apoiado Hillary

O primeiro-ministro italiano Matteo Renzi, um dos poucos líderes mundiais a apoiar abertamente a candidatura de Hillary Clinton, deu esta manhã os parabéns a Donald Trump pela vitória nas eleições e diz que as relações com os EUA continuam fortes.

"Desejo-lhe felicidades. A amizade italo-americana é sólida", declarou Renzi esta manhã, no início de um discurso em Roma.

Renzi foi criticado pela oposição italiana por apoiar Hillary, que argumentava que esse apoio tinha enfraquecido a posição internacional de Itália, escreve a Reuters.

09 de Novembro de 2016 às 09:39
Vitória de Trump é um aviso à Europa, diz Sigmar Gabriel

Donald Trump é o "pioneiro de um novo movimento autoritário e chauvinista internacional", declarou Sigmar Gabriel, vice-primeiro-ministro alemão e líder dos social-democratas do SPD, que governam em coligação com a CDU de Merkel.

Numa entrevista ao jornal Funke Mediengruppe, Gabriel diz que "o nosso país e a Europa devem mudar se queremos travar o movimento autoritário internacional". A vitória de Trump nos EUA é, assim, um aviso para a Europa e para a Alemanha, resume a Reuters.

09 de Novembro de 2016 às 09:31
Irão espera que Trump respeite o acordo nuclear

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão diz que Trump deve estar comprometido com o acordo nuclear assinado com Teerão, porque se trata de um acordo internacional, avança a Reuters.

O acordo assinado entre os Estados Unidos e o Irão permitiu o levantamento de várias sanções ao país. Em troca, o Irão disponibiliza-se para monitorizações regulares do seu programa nuclear.

09 de Novembro de 2016 às 09:25
Trump é um vírus e só a Europa o pode travar - Socialistas europeus

Os Socialistas e Democratas, a família política europeia a que pertence o PS, não estão satisfeitos com a eleição de Donald Trump, e dizem que só a Europa pode travá-lo. "É um dia triste para o mundo. Trump é a expressão de um vírus a espalhar-se pelos EUA e pela Europa. A União Europeia deve ser o anticorpo deste vírus".
O líder dos Socialistas e Democratas, Gianni Pitella, defende que a Europa deve "reformar-se" e "abandonar a política de pequenos passos". "O populismo é derrotado dando respostas concretas às necessidados dos cidadãos".

09 de Novembro de 2016 às 09:18
Marcelo já deu os parabéns a Donald Trump
Marcelo já deu os parabéns a Donald Trump

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, "enviou uma mensagem de felicitações ao Presidente eleito dos EUA, Donald Trump, desejando-lhe sucesso no exercício das funções que foi chamado a desempenhar pelo povo norte-americano", lê-se numa nota colocada no site oficial da Presidência da República.

Marcelo "fez ainda uma referência aos laços de amizade que unem Portugal e os EUA e à significativa comunidade de portugueses e lusodescendentes residentes nos Estados Unidos da América".

09 de Novembro de 2016 às 09:16
Tusk e Juncker querem cimeira UE/EUA tão rápido quanto possível

Os presidentes da Comissão Europeia e do Conselho Europeu, Jean-Claude Juncker e Donald Tusk, convidaram Donald Trump para uma cimeira entre a União Europeia e os Estados Unidos da América "tão cedo quanto possível", escreve a Reuters.

Numa carta conjunta em que dão os parabéns a Trump pela vitória nas eleições americanas, Juncker e Tusk pedem a Trump para visitar a Europa para "planear o caminho para as nossas relações nos próximos quatro anos".

09 de Novembro de 2016 às 09:08
Secretário-geral da NATO pede para o tratado atlântico se manter forte

Jens Stoltenberg, secretário-geral da NATO, deu os parabéns a Donald Trump e pediu que o compromisso que sustenta a organização de defesa do Atlântico Norte se manter forte num tempo de desafios à segurança.

Numa declaração divulgada em Bruxelas, sede do quartel-general da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg sublinha que no "novo ambiente de segurança, que inclui guerra híbrida, ciberataques e a ameaça do terrorismo", a liderança dos Estados Unidos "é mais importante que nunca", mas sustenta também que "uma NATO forte é boa para os Estados Unidos".

 

"A NATO respondeu com determinação à nova situação de segurança. Mas temos mais trabalho pela frente. Espero encontrar o sr.Trump em breve e dar-lhe as boas-vindas a Bruxelas para a cimeira da NATO no próximo ano, para discutir o caminho a seguir", acrescenta o secretário-geral da Aliança Atlântica. 

09 de Novembro de 2016 às 09:04
Índia espera melhorar as relações com os EUA

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, já deu os parabéns a Donald Trump no Twitter, e não esqueceu a "simpatia" que o presidente eleito demonstrou para com a Índia durante a campanha. "Esperamos trabalhar consigo de forma próxima para elevar as relações bilaterais Índia-EUA para um novo patamar", declarou Modi, que lidera um dos países mais populosos do mundo.

09 de Novembro de 2016 às 08:56
O mundo não vai acabar, vai... endoidar, diz ministro alemão


O ministro da Justiça da Alemanha, Heiko Maas, não acredita que o mundo vai acabar por causa da vitória de Donald Trump. Mas também não vai ficar na mesma. "O mundo não vai acabar, mas vai ficar mais maluco", declarou o membro dos social-democratas da SPD, que governam em coligação com a CDU de Merkel.

09 de Novembro de 2016 às 08:50
China acredita que pode trabalhar com o novo Governo de Trump

A China disse acreditar que poderá trabalhar com o novo Governo dos Estados Unidos da América no sentido de manter um "desenvolvimento estável e equilibrado" das relações bilaterais e uma gestão "responsável" dos desacordos.

"Esperamos que o novo Governo dos EUA possa trabalhar com a China", de forma a "beneficiar os povos" de ambos os países, afirmou o porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros Lu Kang, em declarações reproduzidas pela Lusa.

Questionado sobre as ameaças de Trump de iniciar uma guerra comercial com a China, Lu mostrou-se confiante de que ambos os países podem gerir "de forma responsável" possíveis disputas e assegurou que a relação comercial bilateral "beneficiou a população norte-americana".

Pequim é o principal parceiro comercial de Washington, com as trocas comerciais a atingir os 560.000 milhões de dólares (quase 500.000 milhões de euros), em 2015.

Na televisão estatal CCTV, a cobertura do resultado das eleições norte-americanos foi, porém, secundarizada, com o canal chinês a transmitir um programa dedicado à chamada em direto do Presidente Xi Jinping aos astronautas do laboratório espacial TianGong-2.

09 de Novembro de 2016 às 08:46
Vladimir Putin já deu os parabéns a Trump

O presidente russo, que já no ano passado deixou claro que Donald Trump era o seu candidato preferido, deu os parabéns ao Republicano pela vitória nas eleições presidenciais americanas.

Segundo a agência russa RIA Novosti, Putin enviou um telegrama a Trump em que diz esperar que o diálogo entre Moscovo e Washington sirva os interesses de ambos os países.

09 de Novembro de 2016 às 08:43
Bolsas europeias afundam mais de 2% com vitória de Trump  

As bolsas mundiais estão a reagir em forte baixa à vitória do republicano Donald Trump nas eleições presidenciais norte-americanas. O dólar e o petróleo também afundam, ao mesmo tempo que o ouro reforça o estatuto de valor-refúgio. Veja aqui o resumo do dia nos mercados.

09 de Novembro de 2016 às 08:41
Conheça os principais desafios do novo presidente

Os principais desafios do futuro presidente americano estavam já identificados, mesmo antes da vitória surpresa de Trump. Questões internas como o crescente descontentamento e desigualdade ou a ameaça chinesa e russa, na frente externa, são problemas à espera de resposta.

O Negócios antecipa aqui os principais desafios do futuro presidente.

09 de Novembro de 2016 às 08:26

A União Europeia e os Estados Unidos vão continuar a trabalhar em conjunto, após a eleição de Donald Trump como Presidente norte-americano, afirmou esta manhã a chefe de diplomacia europeia, Federica Mogherini, citada pela agência Lusa.

 

"Os laços entre UE e EUA são mais fortes que qualquer mudança política. Vamos continuar a trabalhar em conjunto, redescobrindo a força da Europa", escreveu a Alta Representante da UE para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança na sua conta na rede social Twitter.

 

09 de Novembro de 2016 às 08:22
Martin Schulz felicita Trump

O presidente do Parlamento Europeu felicitou Donald Trump, que "merece o total respeito das instituições europeias". Mas Martin Schulz não deixou de reconhecer que a relação entre os Estados Unidos e a União Europeia atravessa "certamente um momento difícil" e disse esperar que o próximo presidente norte-americano "respeite os direitos fundamentais e as regras fundamentais da UE".

09 de Novembro de 2016 às 08:13
Krugman teme que Trump possa provocar "recessão global"

O economista Paul Krugman teme que a eleição de Donald Trump possa provocar uma "recessão global""Estaremos provavelmente a olhar para uma recessão global, sem fim à vista", afirmou o prémio Nobel.

09 de Novembro de 2016 às 08:10
Trump: "Serei o Presidente de todos os americanos"

"Serei o Presidente de todos os americanos. E isso é tão importante para mim", declarou Trump no discurso de vitória, no qual falou de pôr fim a divisões. E deixou uma mensagem ao exterior, dizendo esperar "grandes relações com outros países que queiram trabalhar com os Estados Unidos". Liderará em parceria e não em conflito, disse.

09 de Novembro de 2016 às 07:43
Clinton já deu os parabéns a Trump pela vitória

Os media norte-americanas avançam que Hillary Clinton já telefonou a Donald Trump para dar os parabéns pela vitória ao candidato republicano. 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 semanas


Curiosamente (ou não) a maioria dos que chamam burros aos eleitores Americanos, por elegerem Trump...

São os burros que elegeram o Socrates Gatuno e o Costa Ladrão, que levaram Portugal à bancarrota!

comentários mais recentes
ahahahahahahahha Há 4 semanas

Esta sonsa já não abre a boca e estica o braço? Adorei, menos uma gaja do sistema podre. Força Trump

Thomas Há 4 semanas

Deus existe

Anónimo Há 4 semanas


Curiosamente (ou não) a maioria dos que chamam burros aos eleitores Americanos, por elegerem Trump...

São os burros que elegeram o Socrates Gatuno e o Costa Ladrão, que levaram Portugal à bancarrota!

Melânia Ferreira Há 4 semanas

Enorme vitória de Trump contra toda esta corja que se alimenta deste sistema venenoso e cínico. Parabéns!

ver mais comentários
pub
Momentos Chave
pub
pub
pub