Finanças Públicas DBRS garante que "não é branda" com o 'rating' soberano de Portugal

DBRS garante que "não é branda" com o 'rating' soberano de Portugal

Um responsável da DBRS afirmou hoje à Lusa que a agência de notação financeira "não é branda" na avaliação que faz a Portugal e que todas as notas "seguem a mesma metodologia robusta e o mesmo processo".
DBRS garante que "não é branda" com o 'rating' soberano de Portugal
Lusa 12 de julho de 2017 às 11:51

Na sexta-feira, um estudo do Gabinete de Estratégia e Estudos do Ministério da Economia, assinado por Annika Luisa Hofmann, Miguel Ferreira e João Lampreia, concluía que a DBRS é "mais branda" com Portugal do que com outros países, tendo inflacionado subjectivamente o 'rating' (avaliação do risco) atribuído à dívida pública portuguesa em um nível.

 

"Tanto a análise qualitativa como empírica demonstram que a DBRS tem um comportamento mais brando com Portugal, não só em comparação com as três maiores agências de 'rating', mas também perante as decisões de 'rating' que toma para com outros países", lê-se no documento.

 

Os autores acrescentaram que esta subjectividade "não indica necessariamente que o modelo de 'rating' da DBRS é impreciso", mas que a transparência na metodologia usada "é significativamente baixa".

 

Questionado pela Lusa sobre esta matéria, Nichola James, co-responsável pelo departamento de 'ratings' soberanos da agência de notação financeira canadiana, a única que coloca Portugal um nível acima do não investimento (o chamado 'lixo'), disse que "todos os 'ratings' da DBRS seguem a mesma metodologia robusta e o mesmo processo" e que "não há brandura".

 

Nichola James afirmou que "as classificações de crédito soberano da DBRS são pareceres prospectivos para avaliar a capacidade de crédito de um emissor" e "são baseadas em análises quantitativas e qualitativas de acordo com as metodologias, os modelos e os critérios aplicáveis".

 

Os 'ratings' da DBRS procuram responder a uma questão: "Qual a probabilidade de um emissor repagar a sua dívida total e atempadamente?", explicitou James, defendendo que esta abordagem "tende a gerar menos volatilidade".

 

No caso concreto de Portugal, Nichola James referiu que a DBRS olha para a adesão à União Europeia e às suas regras como um factor que "promove políticas macroeconómicas credíveis" e que "dá acesso a instrumentos financeiros das instituições europeias" e indica que "isso suporta fortemente o 'rating' soberano, contribuindo para a estabilidade do 'rating'".

 

Actualmente, as três maiores agências de notação financeira qualificam Portugal com 'rating' de não investimento e só a canadiana DBRS coloca o país fora do 'lixo', estando no nível mais baixo de investimento.

 

O 'rating' atribuído pela Moody's a Portugal é de Ba1 e tanto a Standard and Poor's (s&P) como a Fitch atribuem uma nota de BB+ ao país, ao passo que a DBRS coloca Portugal no nível de BBB (low) com perspectiva estável.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Parabéns à Annika Luisa Hofmann, ao Miguel Ferreira e ao João Lampreia por cumprirem tão bem a prestação de serviço que lhes foi encomendada de destabilizarem Portugal nos mercados financeiros.

pub