Obrigações DBRS mantém rating e perspectiva de Portugal

DBRS mantém rating e perspectiva de Portugal

A agência de notação financeira DBRS manteve a classificação da dívida de longo prazo de Portugal, que está no último nível de investimento de qualidade. A perspectiva manteve-se estável.
DBRS mantém rating e perspectiva de Portugal
Carla Pedro 03 de novembro de 2017 às 21:06

A agência de rating canadiana Dominion Bond Rating Service (DBRS) manteve a dívida soberana portuguesa no último nível do grau de investimento, em "BBB" (baixo) [em que considera que a qualidade de crédito é adequada].

Quanto à perspectiva ("outlook") para a evolução da dívida nacional, ficou também inalterada, em "estável".

O Ministério das Finanças reagiu com agrado, salientando que "o relatório que acompanha esta avaliação considera que esta notação reflecte um perfil favorável da dívida pública e um saldo positivo da balança corrente, suportados pela melhoria da competitividade externa".

 

A DBRS destaca ainda o crescimento económico registado ao longo do último ano, e o aumento da confiança dos investidores, que se traduziu numa redução dos custos de financiamento, destaca a nota do ministério tutelado por Mário Centeno.

 

A agência refere também que a continuação destas tendências favoráveis é importante para a melhoria da situação futura do país, "pelo que as perspectivas para uma melhoria da notação ficam reforçadas", considera o ministério.

 

Por outro lado, o relatório da DBRS salienta as melhorias estruturais do sector financeiro realizadas em 2017 e realça ainda a diminuição do crédito malparado.

"Considerando as mais recentes previsões de crescimento económico de instituições nacionais e internacionais, a continuada queda dos níveis de desemprego, bem como a estimada queda da dívida pública no final de 2017, esta será a maior queda da dívida em 19 anos, a que se seguirá uma nova queda em 2018", conclui o comunicado do ministério de Centeno.


À espera de melhor "outlook" e subida do rating

A DBRS tinha dado sinais, em inícios de Outubro, de que poderia melhorar o rating de Portugal, mas ainda não foi desta que decidiu fazê-lo. Nessa altura, considerou que existia "potencial de melhoria na perspectiva de longo prazo da dívida portuguesa", o que abria caminho a uma subida da notação. Isto devido aos "bons resultados orçamentais apresentados ao longo dos últimos meses". 


A agência canadiana elogiou, nesse relatório, a trajectória da economia e a redução do défice em Portugal, mas advertindo para o facto de a dívida continuar em níveis elevados.

 

Já a 24 de Outubro, a agência sublinhou que o governo continuava empenhado na consolidação orçamental, "apesar de ter abrandado, nos últimos anos, o ritmo de reformas estruturais". No seu entender, Portugal deverá continuar a beneficiar com o ambiente de baixas taxas de juro.

 

A DBRS foi a única das agências consideradas pelo Banco Central Europeu (BCE) que avaliou Portugal acima de "lixo" durante a crise da dívida. E assim foi até ao passado 15 de Setembro, dia em que a S&P tirou Portugal desse patamar de investimento especulativo.

 

Ao ser a única agência que mantinha Portugal acima de "lixo", a DBRS tinha o poder de ligar ou desligar Portugal da máquina do Banco Central Europeu, uma vez que era a única que garantia a elegibilidade da dívida nacional para os programas de compra do BCE.

 

Entretanto, com a saída de "lixo" por parte da S&P e com o "outlook" positivo atribuído pela Moody's e pela Fitch, só falta a DBRS melhorar a perspectiva da dívida portuguesa.

 

A agência canadiana utiliza as subcategorias ‘alto’ (high), 'intermédio' (middle) e ‘baixo’ (low) nas suas notações, associadas a letras. Esses termos correspondem aos sinais de ‘+’ e ‘-’ atribuídos pelas três maiores agências de rating e pela grande maioria das restantes agências.




A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

A economia portuguesa, subjugada às vontades de revolucionárias mentalidades reinantes presas a um passado tão longínquo que parece o de outro mundo e ao peculiar sistema político-legal em vigor que dali resultou, frontalmente anti-mercado, delirantemente marxista, obtusamente proteccionista, irresponsavelmente keynesiano, convenientemente neoludita e criminosamente corrupto, não consegue criar condições para atrair o melhor e mais adequado talento e capital disponível a cada momento no mercado de factores externo, nem tão pouco fixar o que cá vai sendo gerado. Os custos desta ignóbil imprudência, assente na extracção de valor e avessa à criação daquele, são sobejamente conhecidos. observador.pt/2017/11/02/economia-portuguesa-esta-presa-por-quatro-grandes-arames/

pertinaz Há 1 semana

OS JORNALEIROS AVENÇADOS APAGARAM O MEU COMENTÁRIO... POIS É... É UMA CHATICE QUE ATÉ A DBRS COMECE A NÃO ACREDITAR NA ESCUMALHA QUE NOS DESGOVERNA...!!!

Bragança Há 1 semana

Não percebo pq apagaram os posts do Criador de Touros. É lastimável calarem assim uma das vozes mais interessantes deste forum. Será que é uma voz incomoda? Eu gosto de o ler e a censura nunca foi boa conselheira!

Anónimo Há 1 semana

Esta atitude é um sério aviso ao governo e respetivos interpretes da governação.

ver mais comentários
pub