Impostos De tenista excepcional a gestor pouco sofisticado: Boris Becker entra em falência

De tenista excepcional a gestor pouco sofisticado: Boris Becker entra em falência

Outrora um tenista fora de série, hoje em dia um gestor "pouco sofisticado" das suas finanças, o alemão Boris Becker foi declarado insolvente por um tribunal de Londres.
De tenista excepcional a gestor pouco sofisticado: Boris Becker entra em falência
Reuters
Negócios 22 de junho de 2017 às 11:57

O célebre tenista alemão Boris Becker foi declarado insolvente por um tribunal londrino. Becker queria mais tempo para pagar a dívida, mas o pedido foi recusado pela conservadora, a quem deu a impressão de estar perante "um homem com a cabeça enterrada na areia".

A declaração de falência do antigo tenista chamou a atenção de diversos órgãos de comunicação social mundiais, desde os desportivos aos generalistas.

 

Outrora um campeão multimilionário – o Marketwatch estima que tenha ganho 25 milhões de dólares em prémios – o alemão acumulou uma dívida avultada a um banco privado, Arbuthnot Latham, relacionada com a compra de uma propriedade em Maiorca.

Os representantes legais de Boris Becker pediram mais um mês para saldar a dívida, alegando que o valor da propriedade excede o montante em dívida, e ainda alegaram a inabilidade do antigo jogador em matéria de finanças pessoais.

"Ele não é um indivíduo sofisticado em matéria de finanças. Estou a pedir uma verdadeira última oportunidade para Boris Becker regularizar a situação". Mas a conservadora não concordou.

Segundo relatos da imprensa britânica, Christine Derrett referiu não ser comum haver figuras com dívidas pendentes desde Outubro de 2015 e classificou a dívida de "histórica". E, assumidamente "com pena", declarou a falência do antigo tenista.

Aos 49 anos, e com vários títulos no seu curriculum, Boris Becker é comentador da BBC. Antes disso, tinha treinado durante três anos o jogador sérvio Novak Djokovic.

 

Segundo o Marketwatch, o antigo tenista alemão também tem um historial de vários de apuros financeiros. Em 2001 acumulou uma dívida de sete milhões de dólares em impostos na Alemanha e, no mesmo ano, um divórcio custar-lhe-ia pelo menos 10 milhões de dólares. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 22.06.2017

Isso. E muita droga à mistura.

Tozé 22.06.2017

E... O que acontece a seguir? Declarado insolvente. Mas tem a propriedade em Maiorca. Não se alimenta? Vai dormir ao relento? Por favor......... please

Do Piçalho 22.06.2017

Só acontece a quem tem dinheiro ou crédito... tal como vai acontecer ao meu Benfica quando for parar à segunda dibisão quando os juízes lá de xima lerem as cartilhas do orelhas guerra que os cá de baxo ni . Os que nada têm estão sempre na falência e são sempre felizes quando vão à bola gritar !

pub