Aviação Decisão sobre "Portela+1" será tomada em 2017

Decisão sobre "Portela+1" será tomada em 2017

O Governo compromete-se a apresentar no próximo ano a solução para o aumento da capacidade aeroportuária em Lisboa. O ano de 2017 marcará ainda a implementação do plano estratégico da TAP.
Decisão sobre "Portela+1" será tomada em 2017
Bloomberg
Maria João Babo 14 de Outubro de 2016 às 22:36

O Governo garante que no próximo ano será apresentada a solução para o desenvolvimento da capacidade aeroportuária futura na área metropolitana de Lisboa, sendo que a solução mais estudada tem sido a "Portela+1", que passa pela actual base aérea do Montijo.


No relatório que acompanha a proposta de Orçamento do Estado para 2017, o Governo sublinha que essa solução pretende "assegurar uma gestão eficiente e sustentada em termos operacionais e económicos do crescimento estimado de tráfego para a procura aeroportuária de Lisboa.


O contrato de concessão assinado entre o Estado e o grupo Vinci (dono da ANA) determina que as negociações para debater a melhor solução se iniciam quando se atingir o patamar dos 22 milhões de passageiros anuais no aeroporto de Lisboa.


Em 2015 o aeroporto de Lisboa bateu os 20 milhões de passageiros transportados, uma barreira que veio acelerar a necessidade de definição de uma solução para o aumento da capacidade em Lisboa.


No que concerne ao transporte aeroportuário de passageiros, segundo é referido, o ano de 2017 marcará "a implementação do plano estratégico da TAP, o qual se iniciou já em 2016, em função da assinatura do acordo de compra e venda de acções desta transportadora nacional, entre o Governo e os accionistas privados".


No que diz respeita às políticas do Ministério do Planeamento e das Infra-estruturas, relativamente ao sector rodoviário o Governo assume a intenção de dar em 2017 continuidade ao plano estabelecido em 2016, de concretizar intervenções prioritárias para a rodovia de proximidade, privilegiando a requalificação infraestrutural e o aumento das condições de circulação de veículos e peões.


As intervenções prioritárias, refere, serão direccionadas para a execução de obras de conservação preventiva e de segurança, nomeadamente em pontes e viadutos.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Cruz Há 2 semanas

E porque não Portela mais Sintra
O investimento é o menor e os benefícios maiores.
Está na hora de investimento racional. Não podemos atirar dinheiro à rua

VGJCosta Há 3 semanas

Portela Beja?
O investimento está feito, tem espaço para crescer, boas condições no que a orografia e meteorologia diz respeito, não há conflito com o tráfego da Portela nem com reservas naturais, tem duas pistas, qualquer uma delas maior que as do Montijo (Montijo - 2 pistas: 2147 x 45, asfalto; 2440 x 45, concreto; Beja: 2 pistas: 2951 x 45, concreto; 3450 x 60, concreto). Com o pendular ficaria à distancia de Lisboa de cerca de 1 hora, depois de 2021, com o Hyperloop, a cerca de 10 minutos.
Outra vantagem, Beja tem condições para receber o A380 (Pista mínima para descolagem 2950 metros)
http://economico.sapo.pt/noticias/hyperloop-o-comboio-que-viaja-a-mais-de-mil-kmhora_249284.html

pub
pub
pub
pub