Economia Declaração de calamidade pública inclui a proibição da prática de caça

Declaração de calamidade pública inclui a proibição da prática de caça

A declaração de calamidade pública com efeitos preventivos em vigor até segunda-feira inclui a proibição da prática de caça, cuja época abre no domingo, em alguns concelhos, assim como pesca desportiva e outras actividades, anunciou a GNR.
Declaração de calamidade pública inclui a proibição da prática de caça
Vitor Mota/Correio da Manhã
Lusa 18 de agosto de 2017 às 20:51

A declaração de calamidade pública com efeitos preventivos vigente entre as 14:00 de hoje e as 24:00 de segunda-feira, em cerca de 155 concelhos do país das zonas centro e interior norte do país, acciona "todos os planos emergência de âmbito distrital e municipal dos concelhos abrangidos", anunciou hoje o primeiro-ministro, António Costa.

 

Esta declaração proíbe o acesso, circulação e permanência no interior dos espaços florestais, previamente definidos no Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra a Incêndios, bem como nos caminhos florestais, caminhos rurais e outras vias que os atravessam.

 

Estão assim proibidas quaisquer actividades de caça, desportivas e outras, como piqueniques, em zonas cujo acesso seja por caminhos florestais ou rurais.

 

Esta proibição entrou em vigor a partir das 14:00 de hoje e prolonga-se até às 24:00 da próxima segunda-feira, nomeadamente nos concelhos dos distritos de Bragança, Castelo Branco, Guarda, Vila Real e Viseu, assim como em alguns concelhos dos distritos de Aveiro, Beja, Braga, Coimbra, Faro, Leiria, Portalegre, Porto, Santarém e Viana do Castelo.

 

No distrito de Aveiro a proibição abrange os concelhos: de Águeda, Arouca, Castelo de Paiva, Sever do Vouga e Vale de Cambra.

 

Em Beja, os de Almodôvar, Mértola e Odemira, e em Braga, os de Amares, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Fafe, Póvoa de Lanhoso, Terras de Bouro, Vieira do Minho, Vila Verde e Vizela.

 

No distrito de Coimbra são abrangidos por esta proibição os concelhos de Arganil, Condeixa-a-Nova, Góis, Lousã, Miranda do Corvo, Oliveira do Hospital, Pampilhosa da Serra, Penacova, Penela, Tábua e Vila Nova de Poiares, enquanto no de Faro, os de Alcoutim, Aljezur, Castro Marim, Lagos, Loulé, Monchique, Portimão, S. Brás de Alportel, Silves, Tavira e Vila do Bispo.

 

No distrito de Leiria estão vinculados a esta proibição os concelhos de Alvaiázere, Ansião, Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos, Porto Mós e Pedrógão Grande, e no de Portalegre, os de Castelo de Vide, Gavião, Marvão, Nisa e Ponte de Sor;

 

No distrito do Porto, os concelhos abrangidos são os de Amarante, Baião, Felgueiras, Gondomar, Lousada, Marco de Canaveses, Paredes, Penafiel, Santo Tirso, Trofa e Valongo, enquanto no de Santarém, são os concelhos de Abrantes, Alcanena, Chamusca, Constância, Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Rio Maior, Sardoal, Tomar e Vila Nova da Barquinha.

 

No distrito de Viana do Castelo, estão abrangidos por esta medida extraordinária de precaução os concelhos de Arcos de Valdevez, Caminha, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Ponte da Barca, Ponte de Lima e Valença.

 

A GNR está a promover uma campanha de divulgação destas medidas, designadamente a proibição de caça, através de uma campanha cuja imagem é uma arma de caça pendurada num prego.

 

Esta declaração de calamidade anunciada hoje por António Costa, na presença de outros membros do Governo, nomeadamente os ministros da Administração Interna, e o da Agricultura e Florestas, assim como do secretário de Estado da Defesa, implica a total proibição da utilização em todos os espaços rurais de máquinas de combustão interna ou externa, onde se incluem todo o tipo de tractores e máquinas agrícolas ou florestais, bem como realização de trabalhos nos espaços florestais com recurso a moto-roçadoras, corta-matos e destroçadores.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 20.08.2017

O concelho de Barcel tem hoje temp. a rondar os 39 graus, mas o fogo de artifício não parou.Ontem à noite foi lançado numa aldeia perto.Hoje durante o dia só se ouviam foguetes.Quem vigia? Quem licencia?O que fazem os presidentes de junta?São coniventes.Se houver um incêndio, quem se responsabiliza?

eleitor 19.08.2017

Mas..........estes cachadores querem cachar o quê????.........o que pouco resta da fauna ?......Vão cachar ao supermercado !

devem ser muitos ... devem 19.08.2017

Caçar ? devem ser muitos , com a atual burocraçia e custos até quem tem uma pressão de ar com que brincava em pequeno vê a sua pressão de ar apreendida como "arma" igual a qualquer caçadeira . . . este país é governado por "urbano-depressivos" e labregos suburbanos que não fazem ideia das coisas

Anónimo 18.08.2017

Caçar? Não é preciso! A caça já está pronta. Já está assada!

pub