Justiça Defesa de Sócrates vai impugnar decisão da PGR

Defesa de Sócrates vai impugnar decisão da PGR

Os advogados de José Sócrates vão impugnar a decisão da procuradora-geral da República, que anunciou esta sexta-feira a extensão do prazo para o Ministério Público concluir a inquérito no âmbito da Operação Marquês.
Defesa de Sócrates vai impugnar decisão da PGR
.
João Maltez 17 de março de 2017 às 15:00

A defesa de José Sócrates vai impugnar a decisão da procuradora-geral da República de estender o prazo da investigação no âmbito da Operação Marquês. O anúncio, em comunicado à imprensa, surge na sequência da decisão de Joana Marques Vidal de alargar até finais de Junho a possibilidade de dedução de uma acusação neste caso em que o ex-primeiro-ministro é um dos 28 arguidos (19 pessoas e nove instituições).

"A defesa do Senhor Engenheiro José Sócrates irá impugnar, por todos os meios legais, esta decisão, nula e insensata, e os seus autores", avançam João Araújo e Pedro Delille. Os advogados adiantam que a decisão de prosseguir com a investigação "sem prazo nenhum, é ilegal e ilegítima e representa a consagração e a adopção, agora sem disfarce ou cautela, do que caracteriza este processo desde o seu início".

Recorde-se que a procuradora-geral da República aceitou esta sexta-feira, 17 de Março, estender o prazo para a conclusão do inquérito da Operação Marquês. A decisão de Joana Marques Vidal surge na sequência do pedido feito pelos procuradores responsáveis pelo processo, que tinham até hoje para a deduzir uma acusação.


A PGR pede em todo o caso ao Departamento Central de Investigação e Acção Penal para, em Abril, indicar o prazo que considera adequado para terminar a investigação. O pedido feito pelo líder do processo, o procurador Rosário Teixeira, vai no sentido de que o prazo para a dedução de uma acusação se estenda até finais de Junho.

Além de José Sócrates, entre os 28 arguidos neste processo estão Armando Vara, ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos e antigo ministro socialista, Carlos Santos Silva, empresário e amigo do ex-primeiro-ministro, Henrique Granadeiro e Zeinal Bava, ex-administradores da PT, e Ricardo Salgado, ex-presidente do BES.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Água Ráz Há 1 semana

A figura ridícula que este advogado benfiquista mostra faz com que a Procuradoria faça o contrário do que ele advoga.Estou convencido que se o man tivesse calado e fizesse o seu trabalho com calma a procuradora dava-lhe ouvidos a sua arrogância e a do Socas merecem uma TRÉPA como ele diz que deu!

Conselheiro de Trump Há 1 semana

Quem le estes advogados fica a pensar q eles estao a trabalhar para aquecer.Manter as redes abertas porque ele anda ainda muito peixe nas profundidades.O ladrao 44 usa a arrogancia como arma de querer ver tudo a correr,mas aqui marca passo.Se tivesse sido preso inocente ferrava-se todo.Forca ao anim

Não acredito em Sócrates, devo confessar Há 1 semana

Porque razão estes senhores querem ganhar na secretaria a todo o custo. Quem não tem culpas, não está preocupado, deixa rolar os acontecimentos e a verdade aparecerá. Aqui, parece haver uma preocupação constante para que não se descubra a verdade. Porque será?

surpreso Há 1 semana

Esta PGR foi nomeada por Passos Coelho para fazer prescrever o processo dos submarinos de Portas.

pub
pub
pub
pub