Defesa Defesa espera acordo com Cohort para manter "posição relevante" na EID

Defesa espera acordo com Cohort para manter "posição relevante" na EID

O ministro da Defesa, Azeredo Lopes, disse esperar nos "próximos dias" o fecho do acordo com a britânica Cohort para a manutenção de uma posição portuguesa "significativa e relevante" na tecnológica EID.
Defesa espera acordo com Cohort para manter "posição relevante" na EID
Marta Poppe
Lusa 11 de Novembro de 2016 às 00:41

Segundo Azeredo Lopes, o Estado português irá manter uma "posição significativa e relevante" bem como um "direito de pronúncia qualificada" na EID (Empresa de Investigação e Desenvolvimento, SA), em resultado de um acordo com a empresa inglesa Cohort, que envolveu o Ministério das Finanças e que deverá estar fechado "nos próximos dias".

 

Azeredo Lopes respondia aos deputados numa audição conjunta das comissões parlamentares de Orçamento e Finanças e da Defesa Nacional, no âmbito da discussão na especialidade do Orçamento do Estado para 2017.

 

O governante recusou adiantar qual será ao certo a percentagem que o Estado português vai manter, através do IAPMEI e da Empordef (`holding´que agrega as empresas de Defesa), até ser finalizado o acordo, destacando no entanto que a Cohort "deu hoje como muito positivo o empenhamento público de Portugal no desenvolvimento" da EID.

 

Em Junho, a Cohort anunciou a compra de 56,89 % da tecnológica portuguesa EID por 10,7 milhões de euros e que pretende adquirir mais 23%, o que deixaria ao Estado português uma participação de 20%.

 

A EID é uma empresa portuguesa de alta tecnologia, especializada em comunicações navais, comunicações tácticas e sistemas de informação, e actua no mercado da Defesa em geral, empregando cerca de 140 trabalhadores. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub