Justiça Defesa pede absolvição de João Rendeiro

Defesa pede absolvição de João Rendeiro

Para a defesa do ex-presidente do BPP não há provas que justifiquem a condenação de João Rendeiro a pena de prisão, pelo que pede a absolvição do seu constituinte.
Defesa pede absolvição de João Rendeiro
Lusa 26 de janeiro de 2018 às 17:45
A defesa do ex-presidente do Banco Privado Português (BPP) João Rendeiro pediu hoje a absolvição do seu constituinte de todos os crimes pelos quais está a ser julgado, alegando falta de provas.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), em causa está a adulteração de contabilidade pelo banco BPP, entre 2001 e 2008, e crimes de falsidade informática e falsificação de documentos.

Na segunda sessão de alegações finais, Joana Fonseca, advogada do antigo banqueiro, disse que "não se fez prova da grande maioria" dos factos descritos na acusação do MP, "nem se provou, sequer, que João Rendeiro tivesse conhecimento ou praticado" os mesmos.

"Nenhum crime se provou aqui", defendeu a mandatária do arguido, perante o colectivo de juízes, presidido por Emília Costa, nas suas alegações finais, que decorreram durante esta manhã, no Tribunal Central Criminal de Lisboa, no Campus da Justiça.

Joana Fonseca procurou desmontar, segmento a segmento, a acusação do MP: sustentou que o seu cliente "não acompanhava de perto a gestão corrente do BPP, não dava instruções diariamente" e "não controlava tudo o que se passava no BPP, como se de uma mercearia de bairro se tratasse", ao contrário do que refere o MP, na acusação.

A advogada deixou ainda críticas aos reguladores, Comissão do Mercado de Valores Mobiliários e Banco de Portugal, e aos auditores. Joana Fonseca lamenta que estes não sejam arguidos no processo, pois tinham conhecimento da realidade e dos produtos comercializados pelo banco e "nada fizeram".

Depois da defesa de João Rendeiro, começou a alegar a advogada de Salvador Fezas Vital, que, até ao momento em que a sessão foi interrompida para almoço, indicava que também vai pedir a absolvição do seu constituinte.

Sofia Caldeira negou que os arguidos "tivessem ocultado ou falsificado" contas ou produtos de retorno absoluto com garantia de capital "durante tantos anos", e corroborou muito do que a advogada de João Rendeiro havia defendido minutos antes, partilhando, nomeadamente, as críticas ao regulador e aos auditores.

"Os arguidos não podem ser condenados por falhas na supervisão bancária ou por falta de auditorias que, à data, existiam", sustentou a advogada, negando que os arguidos "tenham criado uma realidade paralela", como entende o MP.

As alegações vão ser retomadas pelas 14.30, mas está marcada nova sessão para a continuação, para as 09:30 de 16 de Fevereiro.

Há exactamente uma semana, a procuradora do MP, Isabel Valente, pediu pena de prisão efectiva entre sete e nove anos para João Rendeiro, e uma pena de prisão efectiva entre seis e oito anos para os ex-administradores Paulo Guichard e Salvador Fezas Vital.

Nas alegações finais, a procuradora considerou que estes três administradores são "as peças-chave, os líderes" de um esquema fraudulento, "predominantemente o Dr. Rendeiro".

Para os ex-administradores Fernando Lima e Paulo Lopes foi pedida pena suspensa.

O BPP foi um banco 'private' (dedicado a clientes de mais elevado património) fundado por João Rendeiro. A grave situação do banco, nomeadamente por falta de liquidez, motivou a intervenção do Banco de Portugal no final de 2008, sendo neste momento uma entidade em liquidação.

Durante os cerca de 17 meses em que durou a intervenção do supervisor da banca na instituição, antes de determinar a sua liquidação, a principal preocupação das autoridades (Governo, Comissão do Mercado de Valores Mobiliários e Banco de Portugal) esteve centrada no problema dos clientes que investiram em produtos financeiros que diziam ser de 'retorno absoluto', mas que acabaram por acarretar elevadas perdas.

A solução encontrada passou pela criação de um 'mega fundo', em 2010, que recebeu a adesão da quase totalidade dos clientes, bem como pela activação do Fundo de Garantia de Depósitos e do Sistema de Indemnização aos Investidores (SII), o que permite à maior parte dos clientes reaverem o capital investido naqueles produtos.

Quanto ao Estado, este deu aquando da intervenção pública no BPP uma garantia de 450 milhões de euros que o actual Governo diz que espera reaver na totalidade.



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
General Ciresp 27.01.2018

O gana(po)d.branca depois de ser picado como antiga/picavam o aninal(boi)povo ignorancia,veio pedir desculpa devido a morte deDEZENAS de portugueses nos incendios.O valeu o pedido de desculpas se nada alterou?Neste caso aqui louvava-se o advogado se ele dissesse:eu cobro a desgraca por ele feita.

26.01.2018

Conversa de advogado de merda num país de merda feito de gente de merda. Só com sangue. Isto nunca foi nem irá a lado nenhum.

olharapo 26.01.2018

Este M..das ainda não está preso !
O outro M..das R.E.Santo também ainda não está preso?
Onde anda o 44 ? por aí?
O Duarte Lima ? está banhos ?
Assim sim ! Percebe-se a diferença entre 'Justiça' e 'Direito'!

Invicta 26.01.2018

A vida de advogado é mesmo esquisita. Será que acreditam em muito do que defendem?

ver mais comentários
pub