Orçamento do Estado Défice salta para o dobro sem ajuda de efeitos temporários e menos investimento

Défice salta para o dobro sem ajuda de efeitos temporários e menos investimento

O Fórum para a Competitividade estima que a economia vai desacelerar em 2018, mas não valoriza demasiado a tendência. A instituição deixa um aviso perante o anúncio da vinda da Google para Portugal: são precisos mais engenheiros informáticos.
Défice salta para o dobro sem ajuda de efeitos temporários e menos investimento
Miguel Baltazar
Marta Moitinho Oliveira 02 de fevereiro de 2018 às 11:13

O Fórum para a Competitividade prevê que o défice de 2017 terá sido o dobro do previsto pelo Governo caso não se conte a ajuda dos efeitos temporários e se o investimento público tivesse sido completamente executado.

"O défice orçamental de 2017 deve-se ter fixado em 1,2% do PIB, mas sem os efeitos temporários e o investimento público muito abaixo do orçamentado, o défice teria sido de 2,4% do PIB", lê-se na nota publicada esta sexta-feira.

Na nota, o Fórum que é presidido por Pedro Ferraz da Costa (na foto) estima que os efeitos temporários valham 1.100 milhões de euros, contabilizando-se entre estes os dividendos do Banco de Portugal, os juros dos CoCo´s e as contribuições especiais de alguns sectores, entre outros efeitos. Isto "somado à despesa de capital não realizada de 1,2 mil milhões de euros, dá um efeito orçamental de redução do défice superior a 1,2% do PIB".

 

O Governo tem apontado para um défice de 1,2% do PIB em contabilidade nacional no ano passado, um valor que terá de ser confirmado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), mas que ainda esta quinta-feira foi referido pelo primeiro-ministro no debate quinzenal do Parlamento.

 

Neste mesmo debate, António Costa desvalorizou o impacto que a menor execução do investimento poderia ter no défice público, lembrando que "o aumento da despesa de investimento corresponderia também a um aumento de receita de fundos comunitários".

 

Esta mesma hipótese é sugerida na nota do Fórum assinada pelo economista Joaquim Morais Sarmento. "Embora algum do investimento que não foi concretizado possa ter uma contrapartida de fundos comunitários do lado da receita, a verdade é que mais 850 milhões de euros aumentaria o défice em 0,4 pontos percentuais, colocando-o acima dos 2,5% previstos inicialmente no OE/2017." E conclui: "muito do sucesso de um défice abaixo dos 2,5% passou por este controlo do investimento público".

 

Na mesma nota, o Fórum prevê que o crescimento da economia tenha ficado em 2,7% no ano passado, prevendo-se uma desaceleração para 2018, quando o PIB deverá variar entre 2,2% e 2,4%.

 

Porém, o Fórum não valoriza muito este abrandamento no crescimento entre 2017 e 2018, que considera "mais aparente do que real, já que os valores de 2017 foram muito empolados durante o primeiro semestre, por se compararem com o semestre homólogo de 2016, que foi muito fraco, com um crescimento de apenas 1,1%". "No entanto, haverá sempre algum efeito da desaceleração em Espanha", explica o Fórum, que mostra satisfação com o anúncio da vinda da Google para Portugal – embora sem que sejam conhecidos os contornos dos serviços prestados - mas avisa que é preciso aumentar as vagas nos cursos de engenharia informática.  

 




pub