Emprego Denúncia de assédio no trabalho protegida a partir de Outubro

Denúncia de assédio no trabalho protegida a partir de Outubro

O empregador é obrigado, a partir de Outubro, a instaurar procedimentos disciplinares sempre que tiver conhecimento da prática de assédio. Se não fizer, está a praticar uma contra-ordenação grave.
Denúncia de assédio no trabalho protegida a partir de Outubro
Ricardo Castelo/Negócios
Diogo Cavaleiro 16 de agosto de 2017 às 10:42

Quem denunciar práticas de assédio no trabalho fica mais protegido a partir de Outubro. É nesse mês que entra em vigor a lei que reforça o quadro legislativo para prevenir situações de assédio.

 

A Lei n.º 73/2017, publicada esta quarta-feira 16 de Agosto em Diário da República, altera diversas legislações, como o Código do Trabalho, para reforçar a protecção das vítimas de assédio e castigar quem não a assegura e quem comete essas práticas. A lei "entra em vigor no primeiro dia do segundo mês seguinte ao da sua publicação", pelo que em Outubro estará já a ser executada.

 

Promulgada pelo Presidente da República no dia 3 de Agosto, esta lei da Assembleia da República refere que quem denuncia ou testemunha uma prática de assédio não pode ser sancionado disciplinarmente (a não ser que se prove que actuou com dolo nessa denúncia). Aliás, é abusivo o despedimento ou a sanção aplicada até um ano após uma reclamação sobre assédio.

 

Com a nova legislação, os donos de empresas com um quadro de pessoal com pelo menos sete funcionários ficam obrigados a "adoptar códigos de boa conduta para a prevenção e combate ao assédio no trabalho". Mas não só.

Cada empregador fica, agora, obrigado a "instaurar [um] procedimento disciplinar sempre que tiver conhecimento de alegadas situações de assédio no trabalho". Quem não o fizer constitui contra-ordenação grave. 

Na legislação, fica consagrado o direito a indemnização quando se é alvo de assédio. 


"Entende-se por assédio o comportamento indesejado, nomeadamente o baseado em fator de discriminação, praticado aquando do acesso ao emprego ou no próprio emprego, trabalho ou formação profissional, com o objectivo ou o efeito de perturbar ou constranger a pessoa, afectar a sua dignidade, ou de lhe criar um ambiente intimidativo, hostil, degradante, humilhante ou desestabilizador".  Código do Trabalho, artigo 29.º 1



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
bazanga Há 3 dias

Agora só falta a AT ter realmente poder para fiscalizar.

Limpinho Há 5 dias

Vale tudo desde que não assediem ;-)

Anónimo Há 6 dias

FCJ, muito pelo contrário... Hoje em dia quem é assediado é o homem não a mulher... Infelizmente, de à uns anos para cá está tudo de pernas para o ar!!! É a liberdade!!! Volta Salazar!!!

DJ viajante Há 1 semana

Mais e mais leis so para travar tudo. Tanta lei so para matar a propria lei.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub