Europa Departamento de Economia catalão reabre após saída de todos os agentes da Guarda Civil  

Departamento de Economia catalão reabre após saída de todos os agentes da Guarda Civil  

Os últimos agentes da Guarda Civil que estavam na sede do departamento de Economia em Barcelona abandonaram o edifício pelas 07:00 (08:00 em Lisboa) após quase 24 horas no local, que esta manhã retomava a actividade laboral.
Departamento de Economia catalão reabre após saída de todos os agentes da Guarda Civil  
Reuters
Lusa 21 de setembro de 2017 às 09:40

Fonte do departamento disse à agência espanhola Efe que, depois da saída dos últimos agentes da Guarda Civil, o vice-presidente da Generalitat, o executivo catalão, Oriol Junqueras, e os restantes funcionários do Departamento estavam a voltar aos postos de trabalho com a "máxima normalidade possível", embora tenha ressalvado que têm "cinco companheiros detidos".

 

A Guarda Civil deteve na quarta-feira 12 pessoas, entre as quais altos cargos do governo autónomo da Catalunha, e está a proceder a buscas nos departamentos de Economia, Exterior, Trabalho e Governação no quadro das investigações sobre o referendo independentista.

 

As detenções e as nove operações de busca ordenadas pelo Tribunal de Instrução n.º 13 de Barcelona, no quadro das investigações sobre o eventual uso indevido de fundos públicos nos preparativos do referendo, suspenso por ordem do Tribunal Constitucional.

 

Fontes judiciais ligadas à investigação disseram à EFE que entre os detidos encontram-se o número dois da conselharia para a Economia, Josep Maria Jové, o secretário das Finanças, Josep Lluís Salvadó, Josué Sallent Rivas, responsável pelo Centro de Telecomunicações e Tecnologias de Informação (CCTI) e Xavir Puig Farré, do Gabinete dos Assuntos Sociais.

 

Uma comitiva judicial que incluía 25 agentes da Guardia Civil entrou por volta das 08:00 (07:00 em Lisboa) de quarta-feira no edifício para buscas relacionadas com os preparativos do referendo de 1 de Outubro, convocado pelo Governo e suspenso pelo Tribunal Constitucional.

 

Os membros da comitiva judicial ficaram bloqueados no edifício durante horas depois de milhares de pessoas se terem concentrado em frente à sede em protesto pela operação levada a cabo pela Guarda Civil e ordenada pelo Tribunal de Instrução n.º 13 de Barcelona.

 

Durante a noite, os Mossos d'Esquadra carregaram contra vários manifestantes e criaram um cordão de segurança para permitir a saída de um primeiro grupo de elementos da Guarda Civil.

 

Já durante a madrugada, outro grupo de cinco agentes abandonou o edifício, os quais após percorrerem um pequeno trecho, entraram nos seus veículos sem identificação policial, tendo sido escoltados pelos Mossos d'Esquadra.

 

Os veículos e agentes dos Mossos que guardavam o exterior do edifício também saíram após a partida de todos os agentes da Guarda Civil e apenas uma carrinha e quatro agentes permaneciam nas proximidades do departamento.

 

Os serviços de limpeza da câmara municipal de Barcelona foram activados a partir das sete da manhã (06:00 em Lisboa) e pouco depois foi reaberta ao trânsito aquela seção da Rambla da Catalunha, no centro da cidade de Barcelona.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 dias

Rajoy está doente. O tempo do franquismo já foi há muito tempo, quando com medo do comunismo, Franco era defendido pelo Salazar, cardeais, bispos e padres. Muitos inocentes foram massacrados, só por serem suspeitos. A história deve ser respeitada em paz, progresso e bem estar e que vivam todos.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub