Economia Deputado do PP considera que um eventual resgate é uma "garantia para Espanha"

Deputado do PP considera que um eventual resgate é uma "garantia para Espanha"

O deputado basco do Partido Popular Carmelo Barrio deu hoje "graças a Deus" que Espanha possa vir a contar com apoio da União Europeia, uma instituição "forte, mesmo que às vezes fraqueje", e que é "uma garantia para Espanha".
Lusa 09 de Junho de 2012 às 11:44
Barrio, entrevistado pela Radio Esukadi, considerou que no momento actual é vital "ter confiança" nas medidas que o executivo espanhol está a adoptar, depois dos "anos terríveis do Governo de Zapatero". "Graças a Deus estamos sob o guarda-chuva da UE, de uma instituição forte que às vezes fraqueja mas que é uma garantia para Espanha de que as coisas vão correr melhor", disse, questionado sobre a possibilidade de um resgate ao sector bancário espanhol.

Recordando que em caso dessa ajuda se materializar é necessário "pagar e, seguramente [haverá] mais ajustes", Barrio considerou "imprescindível um processo de ordenação do sistema financeiro".

Devem ser igualmente revistas questões relacionadas com os supervisores e reguladores "como o Banco de Espanha, que tem falhado por todos os lados nos últimos tempos".

"Chegou a hora de tomar medidas e decisões muito sérias em matéria económica e financeira", disse.

Já o porta-voz parlamentar do Partido Nacionalista Basco (PNV), Joseba Egibar, considerou que a intervenção europeia para resgatar o sistema financeiro espanhol provocará uma descida no nível de vida.

Ainda assim, disse, essa intervenção será "uma oportunidade" para que as coisas se façam melhor.

"Vamos ter que baixar o nível de vida, não sei em que percentagem, e as condições vão-se complicar. Teremos que apertar o cinto", disse.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
ze gato 09.06.2012

Comentários destes também os tivemos por cá, vindos de Estela Barbot, António Borges sabendo nós que o objectivo final era fazer ajoelhar um governo perante a especulação dos mercados.

Não lhes perdoe Senhor que estes sabem bem o que fazem.

Bigodes 09.06.2012

Problema é simples:
Máquinas substituem o homem.
Homem rouba o homem(existem abutres que ganham tudo (10 000, 20 000 euros mês....) e outros nada)
Desigualdades na produção e direitos humanos (china)
Muitos ladrões não são presos...
Tudo isto resulta em desemprego e miseria e por fim revolução......

Se distribuirem a riqueza por todos, mesmo sendo pouco, todos podem viver com dignidade, por isso a que eu defendo que em Portugal não deviam ganhar mais de 2000 euros por mês de salario e 1500 euros de reforma, e o dinheiro era encaminhado para a restante economia, para que todos podessem ter alguma coisa....e evitar a revolução....

pub