Função Pública Descongelamento de carreiras tem de ser suportado por "dados sólidos"

Descongelamento de carreiras tem de ser suportado por "dados sólidos"

Negociações no âmbito do Orçamento do Estado vão incluir mais medidas para a Administração Pública. Governo não quer adiantar já a que medidas se refere.
Descongelamento de carreiras tem de ser suportado por "dados sólidos"
Bruno Simão/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 08 de setembro de 2017 às 17:30

A secretária de Estado da Administração Pública disse esta sexta-feira que o processo de descongelamento de carreiras na Função Pública tem de ser "alicerçado em dados sólidos e numa análise crítica dos dados recolhidos". Em declarações aos jornalistas, antes do início das reuniões com os sindicatos, Maria de Fátima Fonseca adiantou que o Governo vai pôr em cima da mesa de negociações em torno do Orçamento do Estado outras matérias com o objectivo de valorizar o sistema de emprego público, sem querer adiantar quais.

A governante explicou que o processo é "tecnicamente muito complexo" - "o período de congelamento de carreiras foi muito longo", disse -, mas politicamente "muito importante".

O desafio que o Executivo enfrenta é encontrar a melhorar forma de "conciliar expectativas" dos trabalhadores - "que estarão seguramente muito elevadas", admitiu - com a sustentabilidade das carreiras e "com todas as outras necessidades que o Orçamento de Estado deve abordar".

Por isso, este processo terá de ser "alicerçado em dados sólidos e numa análise crítica dos dados recolhidos" bem como "na definição muito equilibrada de regras justas", que o Governo quer procurar em conjunto com os representantes dos trabalhadores. 

Até agora, o Governo não divulgou dados sobre o levantamento do universo de trabalhadores que está em condições de progredir na carreira, depois de anos de congelamento.

Apesar dos alertas deixados, numa declaração aos jornalistas sem direito a perguntas, a secretária de Estado da Administração Pública disse acreditar que o descongelamento de carreiras terá "muito impacto na vida de uma fatia muito significativa dos trabalhadores do país".

A nova secretária de Estado da Administração Pública, que em Julho substituiu Carolina Ferra, adiantou que a negociação no âmbito do Orçamento do Estado com os sindicatos na Função Pública "não se reduz ao tema do descongelamento".

"Queremos reforçar a discussão em torno de um conjunto mais amplo de medidas, que a seu tempo divulgaremos, e que têm a ver com a valorização consciente deliberada e optimista do sistema de emprego público, das organizações públicas e da promoção conjunta de condições de trabalho dignas," acrescentou.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Dados Sólidos Há 1 semana

Tem, e só pode ser por, Competência, e Mérito, ponto

pub
pub
pub
pub