Segurança Social Desemprego: corte no subsídio deve baixar em mais de metade dos casos
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Desemprego: corte no subsídio deve baixar em mais de metade dos casos

No ano passado 58% dos desempregados que sofreram o corte de 10% ficaram com um subsídio abaixo do valor mínimo. Foram 136 mil pessoas. São casos como estes que o Governo promete agora corrigir.
Desemprego: corte no subsídio deve baixar em mais de metade dos casos
Miguel Baltazar/Negócios

A correcção do valor do subsídio de desemprego, que o Governo pretende evitar que fique abaixo de um indexante de apoios sociais (421,3 euros) por via dos cortes de 10%, poderá beneficiar mais de metade das pessoas que sofrem

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais

A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

O impacto do excedentarismo sindicalizado de carreira, seja na banca ou no sector público em sentido lato, é já parte integrante do sistema público de segurança social premium. E o que é isso do sistema público de segurança social premium? É um sistema de segurança social paralelo que confere direitos, libertinagem e garantias aos seus membros, roubando aos restantes tudo aquilo que puder roubar.

comentários mais recentes
vitor54pereira Há 2 semanas

Ainda não consegui encontrar um político no desemprego são muito dedicados à sua profissão não à dúvida,o patrão deles nunca tem problemas financeiros.

Anónimo Há 2 semanas

O oásis socialista só é verdade quando dito das fronteiras para dentro... fora dessas fronteiras o realismo mágico desaparece na sua totalidade, ou não fossem essas fronteiras as que delimitam a terra pátria de Saramago. Na versão doméstica oficial, o oásis socialista é um sítio onde não há, nunca haverá e nunca houve excedentarismo, corrupção indecorosamente institucionalizada e demais despesismo iníquo e manifestamente insustentável. O oásis socialista é um paraíso na Terra onde quem mais aterrorizar o Estado e a economia por via do sindicalismo marxista, do keynesianismo despesista, do hipócrita neoludismo tecnofóbico e do capitalismo de compadrio criminoso, leva sete deslumbrantes e voluptuosas virgens para o além-mundo... segundo reza o dogma. E quem vier atrás que feche a porta...

Anónimo Há 2 semanas

O impacto do excedentarismo sindicalizado de carreira, seja na banca ou no sector público em sentido lato, é já parte integrante do sistema público de segurança social premium. E o que é isso do sistema público de segurança social premium? É um sistema de segurança social paralelo que confere direitos, libertinagem e garantias aos seus membros, roubando aos restantes tudo aquilo que puder roubar.

Anónimo Há 2 semanas

Que justo seria pensar nos ex-trabalhadores do Estado,que no tempo da TROIKA se viram obrigados a trocar o seu posto de trabalho ,por indemnização muito abaixo das dos trabalhadores do privado, e que se viram abandonados à sua sorte sem direito a qualquer subsído de desemprego,e reforma antecipada.

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub