Zona Euro Desemprego em Espanha cai para mínimos de sete anos

Desemprego em Espanha cai para mínimos de sete anos

O desemprego no principal parceiro comercial de Portugal caiu para 18,6% no último trimestre do ano passado, o que representa o valor mais baixo em sete anos. Números são conhecidos antes do parlamento votar Orçamento do Estado para este ano.
Desemprego em Espanha cai para mínimos de sete anos
Reuters
Ana Laranjeiro 26 de janeiro de 2017 às 09:40

O desemprego em Espanha alcançou o nível mais baixo em sete anos no quarto trimestre de 2016. Os dados oficiais, divulgados na manhã desta quinta-feira, 26 de Janeiro, indicam que a taxa de desemprego recuou para 18,6% nos últimos três meses do ano passado. No terceiro trimestre de 2016, a taxa de desemprego estava nos 18,9%. Além disso, o valor do desemprego em Espanha ficou ligeiramente abaixo da estimativa dos analistas consultados pela Bloomberg, que antecipavam uma taxa de 18,7%.

Esta taxa de desemprego significa que havia cerca de quatro milhões de espanhóis em situação de desemprego no final do ano passado, um valor que contrasta com os mais de seis milhões de desempregados em Espanha no pico da crise, em 2013, escreve a agência de informação.


A divulgação destes dados ocorre numa altura em que o primeiro-ministro, Mariano Rajoy, tenta aprovar o Orçamento do Estado para este ano. O objectivo, de acordo com as declarações recentes do ministro da Fazenda Cristobal Montoro, é que seja alcançado um acordo parlamentar que viabilize o orçamento.


A Espanha atravessou um impasse político durante quase um ano. As eleições ditaram que nenhum partido obtivesse uma maioria e para formar governo eram necessárias coligações. Contudo, os partidos não chegaram a um entendimento sendo que o regresso às urnas voltou a ocorrer.

Nas últimas eleições, os espanhóis também não deram maioria absoluta a nenhum partido, mas o Partido Popular teve votos suficientes para formar governo, precisando do aval de deputados de outros partidos para que as leis possa ser aprovadas no parlamento.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 3 semanas

E nós a pensar que isto só estava a acontecer em tugaLândia graças as brilhantes politicas do Toninho Bosta e da sua geringonça....

Francisco António Há 3 semanas

Se as gripes chegam pelo Inverno e as andorinhas pela Primavera, é fatal que o desemprego nos países com turismo de sol e praia tenham mais atractividade no Verão !

Anónimo Há 3 semanas

Por FAVOR! Aprendam a dar noticias! O importante nao é ter baixado. O importante "crearon 413.900 puestos de trabajo".
Esse deveria ser o valor! E façam o mesmo em Portugal e em vez de criar se está a destruir postos de trabalho!

pub