Zona Euro Desemprego na Zona Euro mantém-se em 9,1%

Desemprego na Zona Euro mantém-se em 9,1%

A taxa de desemprego na região da moeda única ficou inalterada em Julho, nos 9,1%, tal como era esperado. Na União Europeia o desemprego fixou-se em 7,7%.
Desemprego na Zona Euro mantém-se em 9,1%
Bloomberg
Rita Faria 31 de agosto de 2017 às 10:10

A taxa de desemprego na Zona Euro manteve-se estável em Julho face ao mês anterior, nos 9,1%, revelou esta quinta-feira, 31 de Agosto, o Eurostat. Este é o valor mais baixo desde Fevereiro de 2009, e compara com a taxa de 10% registada em Julho do ano passado.

Também na União Europeia a taxa de desemprego se manteve inalterada, em 7,7%, no nível mais baixo desde Dezembro de 2008. 

O gabinete estatístico da União Europeia estima que, no mês passado, havia 18,916 milhões de pessoas desempregadas nos 28 Estados que formam o bloco regional, das quais 14,860 milhões na Zona Euro. Em comparação com o mês anterior, o número de pessoas sem trabalho aumentou em 93 mil na UE e em 73 mil na Zona Euro.

Entre os Estados-membros da União Europeia, as taxas de desemprego mais baixas foram registadas na República Checa (2,9%), Alemanha (3,7%) e Malta (4,1%), enquanto as mais elevadas são da Grécia (21,7% em Maio) e Espanha (17,1%).

Portugal surge como o sétimo país com a taxa mais alta da UE (9,1%), atrás de países como Itália, França e a Croácia.

Em comparação com o mesmo mês de 2016, o desemprego caiu em todos os Estados-membros, com excepção da Finlândia, onde permaneceu estável em 8,8%. As maiores quedas foram protagonizadas pela Croácia (de 13,2% para 10,6%), Espanha (de 19,6% para 17,1%), Eslováquia (de 9,7% para 7,3%) e Chipre (de 13% para 10,8%). 


(Notícia actualizada às 10:22)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

É o custo do excedentarismo.

o BCP está prestes a ser ENGOLIDO Há 3 semanas

o BCP está PRESTES a ser ENGOLIDO pelo SANTANDER foi no que deu OS SHORTS porem - no ao PREÇO da UVA MIJONA então se os LUCROS NÃO PARAM DE AUMENTAR só se o SANTANDER for ESTÚPIDO é que não APROVEITA esta BENESSE dos DEUSES

pub